20/09/2010 02h14 - Atualizado em 20/04/2016 02h40
Mercado Externo

África do Sul venderá milho transgênico para alimentar frangos na China

Enquanto comemora a colheita recorde de milho transgênico este ano, a África do Sul estuda exportar uma parte dos grãos para a China, cujas autoridades são bem menos hostis em relação ao produto do que outros países, e podem usá-lo para alimentar frangos.

Entre 2009 e 2010, os sul-africanos colheram um total de 13 milhões de toneladas de milho, quatro delas excedentes, o que provocou uma queda dos preços e deixou mais de 10.000 agricultores, que não encontram compradores para seus grãos, à beira da falência.

"A indústria não estava preparada para estas colheitas recordistas. Quando vimos o excedente, todo mundo entrou em pânico", lembra Mariam Mayet, dirigente do Centro Africano de Estudos sobre Riscos Biotecnológicos.

Além disso, "os países vizinhos da África do Sul também tiveram colheitas abundantes" este ano, o que torna mais difícil encontrar compradores para a produção da primeira economia do continente.

Atualmente, 57% do milho sul-africano é transgênico, mas as indústrias de processamento não separam os grãos modificados dos tradicionais, motivo pelo qual toda a colheita é considerada OGM (organismos geneticamente modificados).

"Mesmo alguns países que não têm leis específicas sobre os riscos biotecnológicos proíbem os OGM, como é o caso do Zimbábue", que não quer o milho sul-africano, explica Mayet.

Em abril, ecologistas quenianos impediram o desembarque de uma carga de 40.000 toneladas de milho sul-africano no porto de Mombasa.

Diante desta situação, a África do Sul vê-se obrigada a procurar países com restrições menores - e a China aparece como o "mercado dos sonhos", ainda mais levando em consideração que as duas nações estão em processo de reforçar seus laços comerciais.

Uma delegação do governo sul-africano viajou para a China no começo do mês para discutir a venda do milho excedente a produtores de frango e criadores de gado.

"As negociações devem terminar em outubro, quando uma delegação chinesa retribuirá a visita à África do Sul", indicou o conselheiro do ministro da Agricultura sul-africano, Ramse Madote, ao voltar de Pequim.

Embora seja a salvação da lavoura, os agricultores temem que os preços negociados sejam baixos, devido à grande oferta.

AFP
Deixe seu Recado
Cadastre-se e receba em seu e-mail as últimas notícias do setor gratuitamente.
Existem campos que requerem sua atenção!
Enviando...
E-mail cadastrado com sucesso!!! Você receberá nossos próximos boletins diários.