Revista Digital
Edições digitais de
Avicultura Industrial
Deste a edição 1200, a revista mais completa destinada à avicultura do setor apresenta sua versão digital.

Informações completas do setor avícola que podem ser visualizadas através de celulares, smartphones, tablets e computadores em qualquer parte do mundo.
E-mail:
Senha:
Esqueci minha senha

Notícias

Tamanho da FonteDiminuir FonteAumentar Fonte
 

México declara estado de emergência em função de surto de influenza aviária

Quinta-feira, 28 de Junho de 2012, 13:24:57Mercado Externo, Sanidade

O governo do México declarou, nesta quarta, dia 27, estado de emergência para segurança animal após detectar um surto de influenza aviária. A doença não afeta humanos, mas pode trazer prejuízos à produção de frangos. As áreas infectadas, nos municípios de Tepatitlan e Acatic, no Estado de Jalisco, foram colocadas em quarentena. Outras regiões vêm sendo avaliadas. O caso fez com que o Ministério da Agricultura, Pesca e Floresta do Japão suspendesse as importações de carne de frango e de outras aves do México, que, no ano passado, vendeu 377 toneladas desse tipo de produto ao país oriental.

A imunização já está sendo considerada como uma opção para conter o avanço da doença. “O vírus da influenza aviária H7N3 não representa um risco ao consumo de frango e medidas de contenção foram tomadas para proteger a produção desta região (Jalisco)”, disse, em nota, o Serviço de Segurança Alimentar do Ministério da Agricultura mexicano.

Autoridades do governo já pediram aos produtores que informem qualquer suspeita de contaminação por influenza aviária. Entre os sintomas apresentados por animais infectados estão inflamação da cabeça, falta de apetite e queda repentina na colocação de ovos.

Por meio de exames em laboratórios e exigências que seguem padrões internacionais, o Serviço de Segurança Alimentar mexicano vai certificar os produtores que não tiverem animais contaminados. Em 2011, o México produziu 2,9 milhões de toneladas de produtos de frango, com exportações destinadas principalmente à China, aos Estados Unidos e ao Japão.

Fonte:  Agência Estado
Voltar 
Comentários