Revista Digital
Edições digitais de
Avicultura Industrial
Deste a edição 1200, a revista mais completa destinada à avicultura do setor apresenta sua versão digital.

Informações completas do setor avícola que podem ser visualizadas através de celulares, smartphones, tablets e computadores em qualquer parte do mundo.
E-mail:
Senha:
Esqueci minha senha

Notícias

Tamanho da FonteDiminuir FonteAumentar Fonte
 

Pif Paf implanta Complexo Agroindustrial em Goiás

Segunda-feira, 21 de Janeiro de 2008, 15:54:00Eventos e Cursos

Redação (21/01/2008)- A Pif Paf Alimentos - a maior empresa frigorífica mineira e uma das dez maiores do Brasil – está implantando em Goiás seu Complexo Agroindustrial, que tem como premissa básica o respeito da empresa ao meio ambiente. A empresa desenvolveu um projeto para o complexo que preserva a flora e a fauna, com ênfase nas matas ciliares e nascentes. Todos os subprodutos dessa nova unidade serão reaproveitados na adubação orgânica e na produção de farinha e óleo; os agentes poluidores serão neutralizados através de células de compostagens, filtros, sistema lavador de gases, tanque flotador e lagoas anaeróbias (impermeabilizadas).

Localizado nas cidades de Palmeiras de Goiás e Paraúna, o novo Complexo Agroindustrial da Pif Paf terá algumas inovações como a refrigeração das salas de cortes e desossa do frigorífico, que utilizarão sistemas de resfriamento à base de glicol, que proporciona maior segurança demonstrando a preocupação da empresa com a integridade de seus colaboradores. Esse sistema, utilizado há anos no exterior, é uma solução de água com álcool atóxica que garante segurança total ao homem, à produção e ao meio ambiente.

O gerente geral do Complexo Agroindustrial de Goiás, Cláudio Almeida Faria, explica que nos sistemas tradicionais a refrigeração é feita com amônia, gás altamente tóxico, que em caso de vazamento, pode trazer sérios prejuízos à natureza e à saúde humana. “A utilização do glicol será um importante diferencial, principalmente quando formos negociar com o mercado externo, que é extremamente exigente na questão de segurança e qualidade na conservação”, argumenta.

Nas granjas dos matrizeiros e parceiros integrados, serão plantadas barreiras vegetais de eucaliptos para melhorar o microclima em torno dos aviários e proteção contra possíveis agentes contaminantes, e promovendo a auto-suficiência no abastecimento de lenha renovável, evitando o consumo da lenha de cerrado.

Outra ação será a segregação entre as áreas limpas e áreas sujas, propiciando acessos distintos. “Preocupada com a biossegurança do complexo, 100% da água utilizada na produção avícola da Pif Paf e dos parceiros será de fontes subterrâneas. No matrizeiro, serão utilizados aquecedores solares. A empresa fará a vacinação diretamente em ovo, além de implantar sistemas anticontaminantes com direcionamento de fluxos de ar, instalação de fumigadores e arcos de desinfecção”, explica Faria.

Nas plantas industriais, será feita coleta e aproveitamento da água de chuva, com retenção da água pluvial, e no matrizeiro serão utilizados aquecedores solares. Essas duas ações demonstram a preocupação da empresa em encontrar soluções alternativas para contribuir na redução do consumo de energia, tão importante no atual estágio mundial.

Com o projeto, a Pif Paf alcançará a auto-suficiência na produção de ovos e pintinhos, garantindo a origem das aves e a produção de alimentos derivados de aves ricos em proteínas a baixo custo. Para atingir esse objetivo, a empresa fará um dimensionamento de iluminação adequada para as aves na recria (dark house) e produção. “Também implantaremos um sistema automático de climatização nos aviários, com ventilação negativa, controles de temperatura de umidade e renovação de ar”, diz o gerente. 

BIODIESEL EM MINAS GERAIS

A Pif Paf Alimentos sempre teve como missão o respeito ao meio ambiente e um de seus constantes desafios é criar soluções ambientalmente sustentáveis como está acontecendo em suas unidades de Viçosa e de Patrocínio, em Minas Gerais, onde os combustíveis fósseis estão sendo substituídos por biodiesel, produzido a partir de resíduos que sobram nos frigoríficos. Aos 39 anos de atuação, o Grupo Pif Paf acredita que seu crescimento planejado só será possível através de ações que equilibrem suas atividades com projetos de responsabilidade social e ambiental.

O óleo de vísceras, resultado do pré-tratamento dessas sobras, está sendo utilizado como combustível nas caldeiras das unidades de Viçosa e de Patrocínio. No caso de Patrocínio, em que é utilizado em duas caldeiras, houve uma redução de 35% em relação às  emissões de material particulado (MP) e 100% nas emissões de dióxido de enxofre (SO2).

Já na caldeira da unidade de Viçosa, houve uma redução de 30% nas emissões de material particulado e 100% de dióxido de enxofre. Com a substituição do combustível, as emissões ficaram bem abaixo do limite máximo estabelecido pela legislação ambiental que é de 100 mg/Nm3 para material particulado e 5000 g/106 Kcal para dióxido de enxofre.   A empresa tem planos para utilização do óleo de vísceras em suas outras unidades industriais.

Para se ter uma idéia da crescente demanda por esse combustível de energia renovável, a Pif Paf fez uso, na unidade de abate de Patrocínio, do equivalente a 62 toneladas por mês em 2006. Até meados deste ano, já haviam sido utilizadas 189 toneladas. Na unidade de embutidos de Viçosa, a média mensal é de 55 toneladas de óleo de vísceras. 
        
A utilização do biodiesel a partir de resíduos que sobram de frigoríficos é uma excelente alternativa para produzir combustível renovável a partir de matéria-prima animal. Para obter um biodiesel de boa qualidade, as sobras dos frigoríficos devem passar por um pré-tratamento de purificação antes da interesterificação, para a transformação em biodiesel.

COMPLEXO AGROINDUSTRIAL

A Pif Paf Alimentos investirá R$ 260 milhões no complexo agroindustrial de Goiás (nas cidades de Palmeiras de Goiás - a 70 km de Goiânia; e Paraúna - a 135 km da capital goiana). Ao todo, serão gerados mais de 1.500 empregos diretos e cerca de 4.500 indiretos. A produção será iniciada em janeiro de 2008 e o projeto vai contemplar o abate de 150.000 aves/dia para produção de alimentos práticos. Este é o maior projeto da empresa ao longo de sua história e, quando concluído, vai ser responsável por um incremento de 42% tanto no volume de produção quanto no faturamento.

A Pif Paf está contratando parceiros para a criação e fornecimento dos frangos de corte para abastecer a unidade industrial de Goiás, através do sistema denominado Parceria Avícola. Nesse sistema, a Pif Paf, fornecerá os insumos básicos, além da assistência técnica aplicada à produção e em convênio com o Banco do Brasil disponibilizará para os parceiros financiamento via FCO. Os parceiros criadores participarão com as instalações, energia, água e mão-de-obra necessária para efetivar a parceria. A cada lote de aves terminadas, os parceiros criadores terão direito a uma participação no resultado econômico e serão remunerados de acordo com a produtividade e índices técnicos alcançados.

Para desenvolver a atividade, serão construídos aviários dotados de tecnologia de ponta, em parceria com produtores rurais da região centro-oeste do estado de Goiás, compreendida pelos municípios de Anicuns, Avelinópolis, Campestre, Cezarina, Firminópolis, Guapó, Indiara, Jandáia, Nazário, Palmeiras de Goiás, Palminópolis, Paraúna, Santa Bárbara, São João da Paraúna, Trindade, Turvânia e Varjão.


Sobre o Grupo Pif Paf

Reconhecido pela forte atuação nos segmentos de avicultura, suinocultura, massas e sucos, o Grupo Pif Paf passou a investir também em ovinocultura em 2005.

Desde 1968 no mercado, a Pif Paf, atualmente, produz 16 mil toneladas de alimentos por mês. Cerca de 10% de sua produção são destinados ao mercado externo. O grupo gera 5,5 mil empregos diretos e 15 mil indiretos.

Fonte:  Link Comunicação Empresarial
Voltar