Eurotec
21-Nov-2019 11:37
Disponible en español
Crise

155 mil frangos morrem por dia e avicultores perdem milhões na Bolivia

Devido aos bloqueios, o alimento para pássaros não chega de Santa Cruz a Cochabamba há um mês

Todos os dias, em Cochabamba e Santa Cruz, morrem 155 mil frangos, representando uma perda de $b400 mil por dia, o que, após um mês de conflito, soma um total de $b12 milhões. Isso foi relatado pelo vice-presidente da Associação de Avicultura (Avipar), Teodoro Miranda.

40% (62 mil aves) estão registrados em Cochabamba e devem-se à falta de alimentos ou canibalismo derivado da fome, disse o consultor geral da Associação de Agricultores de Aves (ADA), Fernando Quiroga.

 Devido aos bloqueios, o alimento para pássaros não chega de Santa Cruz a Cochabamba há um mês: soja, milho e sorgo.

Os outros 60% das galinhas mortas pertencem a Santa Cruz, onde o excesso de peso e o calor levam a vida dos pássaros. Esse departamento produz 50% dos 18 milhões de frangos que o país consome mensalmente.

"Santa Cruz leva frango suficiente para o oeste do país, mas não sai mais, ele está engordando na fazenda", disse Miranda.

O representante explicou que o custo de produção para cada quilo de frango é de 8 bolivianos, mas, como a produção não pode ser enviada para La Paz, os avicultores somam 5 bolivianos.

Em La Paz, essa carne é escassa e as caudas proliferam para comprá-la. Uma galinha custa entre 80 e 90 bolivianos.

Se a situação continuar assim, muitas fazendas fecharão e haverá escassez de frango no Natal. “Há muitas fazendas que pararam de funcionar. Com esse problema, eles ficaram sem capital. No final do ano, a produção terá uma redução de 20 a 25% ”, explicou Miranda.

Atualmente, Cochabamba possui 3.000 criadores de aves, dos quais 60% produzem frango de churrasco e o restante ovo. Ambos os setores têm mais de 4 milhões de aves.

Os produtores fornecem 1,2 milhão de quilos de frango grelhado e 13,5 milhões de unidades de ovos por mês.

Das 330.000 galinhas que foram transportadas de Santa Cruz por via aérea para o departamento, na semana passada, 92% morreram no avião devido à falta de oxigênio, informou a ADA.

Redação AI
Deixe seu Recado