Guia Gessulli
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Covid-19

2 º lote com 520 mil ovos para produzir ButanVac chega ao Butantan

A previsão é de que o instituto produza 18 milhões de doses da nova vacina até junho e 100 milhões de doses até o final do ano

Redação com informações de Portal R7
30-Abr-2021 15:00 - Atualizado em 30/04/2021 15:31

O Instituto Butantan recebeu, na manhã desta sexta-feira (30), o segundo lote com 520 mil ovoso para a produção da ButanVac, imunizante produzido integralmente no país. De acordo com a previsão do instituto, serão produzidas 18 milhões de doses da nova vacina até junho e o número total de imunizantes poderá chegar a 100 milhões de doses ainda este ano.

As carretas entregaram o segundo lote de ovos para a produção da ButanVac. "Cada lote tem 520 mil ovos, cada ovo pode dar duas doses. Então, são, no mínimo, 1 milhão de doses produzidas por dia sendo produzidas na fábrica", disse Dimas Covas. 

Na quarta-feira (28), o governo anunciou que começará a fabricação de 1 milhão de doses da ButanVac mesmo sem autorização da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para iniciar os testes do imunizante em humanos. Mas qual será o passo a passo para iniciar a produção do imunizante?

Na primeira fase, que se iniciou nesta quarta-feira (28) e vai até o dia 18 de maio serão produzidas 6 milhões de imunizantes em seis lotes de vacinas. Em produção, existem hoje, segundo o instituto, 520 mil ovos. A previsão é de se obter duas doses por ovo.

Para a segunda fase, que será entre os dias 14 de maio e 1º de junho, está prevista a produção de mais seis lotes. Por fim, na terceira fase, que ocorrerá entre 28 de maio e 15 de junho, mais seis lotes de vacinas serão produzidas, totalizando as 18 milhões da vacina.

As etapas para a produção são semelhantes à da vacina da gripe. O primeiro passo para a produção é o recebimento e descarregamento dos ovos, submetidos ao controle da qualidade. A inoulação do vírus e a incubação são processos nos quais o vírus é colocado dentro dos ovos e se espera a sua multiplicação, permitindo, assim, que sejam feitos mais estudos. Nesse processo, os ovos ficam em áreas de transferências, acondicionados em incubadoras onde ficam por até três dias para que a multiplicação viral possa acontecer.

Em seguida, os ovos são encaminhados para o resfriamento. Nesta fase, colhe-se o líquido do ovo onde está concentrado o vírus replicado. Depois, há ainda as etapas de clarificação, purificação e filtração, além do envase nos frascos.

O diretor do Butantan, Dimas Covas, afirmou ainda que o instituto recebeu na segunda-feira (26) uma certificação da OMS (Organização Mundial da Saúde) para a fábrica que produz a vacina da Influenza, que será utilizada para a produção da ButanVac. "Essa vacina nasce em uma fábrica previamente qualificada pela OMS, o que nos dará uma vantagem no ponto de partida", disse.

A produção de uma vacina ButanVac custa cerca de US$ 3 (quase R$ 17), praticamente um terço das duas doses (também uma vacina) da CoronaVac. Feito em parceira com o laboratório chinês Sinovac, o imunizante custa US$ 10,30 (quase R$ 57) aos cofres públicos.

Confira o vídeo

Assuntos do Momento

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade