Guia Gessulli
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Insumos

Argentina: milho ganha impulso inesperado devido ao bom clima na safra

A Argentina é o terceiro exportador global de soja e o primeiro de farinha e óleo de sementes oleaginosas. O país também exporta trigo, principalmente para o vizinho Brasil

Redação com informações de Infobae
16-Jun-2021 15:29 - Atualizado em 16/06/2021 15:44

O milho argentino tem uma boa safra graças às condições climáticas, que impulsionam a colheita da safra 2020/21, afirmaram produtores e entidades agrícolas daquele país.

Os grãos foram menos afetados que a soja pela baixa umidade durante o verão do hemisfério sul, disse David Hughes, um produtor da província de Buenos Aires.

Os altos rendimentos levaram a Bolsa de Cereais de Buenos Aires a elevar sua estimativa de produção local de milho para 48 milhões de toneladas, ante 46 que previa anteriormente para o terceiro maior exportador de cereais do mundo.

Milho e soja são as duas principais culturas comerciais da Argentina. Como a safra 2020/21 do ciclo da oleaginosa terminou recentemente, os agricultores começaram a se movimentar mais rapidamente na colheita do milho, com o que têm sido agradavelmente surpreendidos.

“À medida que as colheitadeiras passam dos quadros tardios, os rendimentos obtidos excedem as expectativas iniciais. Em particular, na província de Córdoba ”, informou a Bolsa de Cereais de Buenos Aires em seu relatório semanal sobre a produção agrícola.

Até o momento, 37,8% da área plantada com milho foi colhida para comercialização. “A produtividade do milho foi melhor do que o esperado. Mais perto de nossa média de cinco anos ”, explica o relatório.

Francisco Santillán, um produtor de Buenos Aires, disse que espera uma safra de milho em linha com as médias registradas em anos positivos. As baixas temperaturas no mês passado ajudaram o milho, mas não a soja, acrescentou.

“O milho é uma cultura que responde bem às noites frias. Ou seja, dias com amplitude térmica. Isso, para mim, foi o fator determinante ", disse ele à Reuters. "A soja prefere uma temperatura mais alta e as noites frias diminuem seu ritmo."

A Bolsa de Cereais de Buenos Aires manteve sua previsão para a safra de soja 2020/21 em 43,5 milhões de toneladas na última quinta-feira.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade