Banner AI - Cobb
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Mercado Externo

Argentina suspende exportações de carne por 30 dias por temores de inflação

O governo argentino suspendeu as exportações de carne bovina por 30 dias. A medida visa conter a "pressão sobre os preços" que vem ocorrendo nos últimos meses

Redação com informações de Portal Portuario
18-Mai-2021 11:47 - Atualizado em 19/05/2021 09:45

A informação foi divulgada, segundo a agência estatal Télam, do Ministério de Desenvolvimento Produtivo da Argentina. A decisão foi comunicada esta segunda-feira pelo presidente Alberto Fernández a representantes do setor agrupados no Consórcio Argentino de Exportadores de Carnes ABC, a quem esclareceu que poderá ser levantada mais cedo se forem observados "resultados positivos" com a aplicação dessas e de outras medidas. .a ser arranjado.

A suspensão das exportações por 30 dias foi determinada “em consequência do aumento sustentado do preço da carne bovina no mercado interno” e faz parte da “implementação de um conjunto de medidas emergenciais”.

Dessa forma, buscará organizar a operação do setor, restringir as práticas especulativas, melhorar a rastreabilidade das exportações e evitar a sonegação fiscal no comércio exterior.

“Enquanto essas medidas estiverem sendo implementadas, as exportações de carne bovina ficarão limitadas por um período de 30 dias”, foi explicado oficialmente após o encontro liderado pelo presidente.

O presidente informou aos representantes do consórcio ABC que “tal prazo poderá ser encurtado caso a implementação das medidas dê resultados positivos”.

Da mesma forma, foi anunciado que serão habilitados mecanismos de exceção para as operações de comércio exterior em andamento. Na semana passada, o Instituto Argentino de Promoção da Carne Bovina (Ipcva) divulgou que os preços dos diferentes cortes da carne bovina aumentaram 65,3% em abril, em relação ao ano anterior, cerca de 20 pontos acima da inflação.

Da mesma forma, em abril, a carne suína aumentou seu valor no varejo em 58,7% em relação ao mesmo mês de 2020 e a carne de frango em 44,2%. A suspensão temporária das exportações é anunciada apenas um dia depois de o presidente Fernández manifestar sua preocupação com o aumento "inexplicável" dos preços nos últimos dois meses.

“Sinceramente, não há razão, a não ser o aumento do consumo, para explicar os aumentos ocorridos em março e abril”, analisou Fernández.

“Fico feliz que a Argentina exporte carne”, disse o presidente, “mas não que eles façam os argentinos pagarem o preço que os fazem pagar pela carne, e que eles lhes dêem uma migalha de 8.000 toneladas de carne quando 200.000 são consumidos aqui”.

A referência do presidente foi quanto ao acordo que o governo fez com o Consórcio de Exportadores e outras câmaras do setor de refrigeração para sustentar até o final do ano um programa de 11 cortes de alta demanda local, a preços abaixo da média do mercado.

O acordo anunciado há 10 dias espera chegar a 3.000 pontos de venda em todo o país com um volume de 8.000 toneladas por mês, 25% a mais do que havia sido fornecido nos últimos meses desde a implantação do acordo.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade