AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comentário Avícola

As três uniformidades da recria em reprodutoras pesadas

Por Cláudio Maurício Araújo Franco

Redação AI
12-Nov-2018 13:45

O manejo de recria de reprodutoras pesadas deve ser gerenciado de perto, pois influencia diretamente no desempenho zootécnico dos lotes, no qual o ponto crucial é a uniformidade do lote.  A busca incessante dessa uniformidade é fundamental. Nesse contexto, é possível conceituar três importantes uniformidades, no caso da recria: a uniformidade de peso (CV – coeficiente de variação), uniformidade de conformação da carcaça e, finalmente, dependente das duas anteriores, a uniformidade de maturidade sexual.

Esses parâmetros impactarão os índices zootécnicos e econômicos da fase reprodutiva das aves, destacando a uniformidade e tamanho dos ovos produzidos e, consequentemente, a qualidade da progênie. Durante a condução dos lotes em recria, vários fatores podem influenciar as três uniformidades. Nesse período as quatro primeiras semanas são decisivas, período em que desajustes na condução dos lotes podem comprometê-los para o resto da vida. Entre eles destacam-se:

  •  Ambiência inadequada;
  •  Ausência de procedimentos operacionais padrões e treinamento dos envolvidos em tarefas decisivas da recria;
  •  Falta ou inadequado manejo de seleção dos lotes, além de decisões equivocadas, após a tarefa de separação das aves. Como exemplo, relacionam-se a incorreta compilação e interpretação dos dados de pesos e conformações de carcaça obtidos pós seleção, o que pode induzir ao fornecimento errôneo das gramas/ave/dia;
  • Mau uso dos equipamentos e a regulagem de calhas, aberturas dos comedouros tipo prato, regulagem de bebedouros;
  • Alta densidade por área e equipamentos;
  • Programa e intensidade de luz;
  • Micotoxinas e enfermidades;
  • Níveis nutricionais inadequados e a baixa qualidade das matérias-primas utilizadas na ração;

Associados a esses pontos, considera-se evitar restrições severas das aves, para toda a recria, principalmente após a décima segunda semana de vida, momento em que se inicia a formação do aparelho reprodutor das reprodutoras. Para isso, torna-se necessário desenhar novas estratégias logo após a seleção da décima segunda semana de vida, dependente, é claro, dos números apresentados. Um exemplo são as aves de categoria pesada. Elas devem ter a sua curva de peso readequada à nova realidade pós-seleção, para evitar o risco de não cumprir a meta de uniformidade de conformação na transferência, de acordo com a severidade da restrição alimentar preestabelecida pelo técnico, o que significaria a interferência direta sobre a formação do aparelho reprodutor.

Pesos e conformações com muita variação nessa idade devem ser utilizados para reflexão sobre os manejos constituídos nas primeiras semanas de vida, necessitando de novos acompanhamentos, correções e auditorias dos padrões preestabelecidos.

No terço final da recria, após a última seleção do lote, por volta da 16ª – 17ª semana de vida, é necessário focar ainda mais na uniformidade de conformação dessas aves, até a transferência ou início de produção. Para isso, é preciso acompanhar, semanalmente, de forma manual, as características do peito (fleshing) e as decisões relativas às gramas/ave/dia oferecidas e as suplementações do alimento para as categorias inferiores, caso necessário.

Por fim, atendendo a todos esses conceitos na recria, considera-se que o último parâmetro de uniformidade, a maturidade sexual, será sucesso, no momento da transferência das reprodutoras pesadas para a produção, com efeitos benéficos nos resultados zootécnicos e econômicos dos lotes.

Confeccionar e auditar os procedimentos operacionais de equipamentos e manejo, adequar os níveis nutricionais, ter rigoroso controle da qualidade das matérias-primas utilizadas na produção de ração, monitoramento do aspecto sanitário dos lotes, bem como o treinamento de todos os envolvidos no processo são alguns dos itens necessários para assegurar o alcance dos resultados esperados. É importante que as decisões para cumprimento das três metas de uniformidade na recria, todas ao seu tempo,  sejam alinhadas ao conceito de um programa amplo, contemplando manejo, nutrição e sanidade  e que não seja baseado apenas em ações isoladas.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade