Banner AI - Cobb
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Economia

Atividade econômica na Argentina desacelerou em abril devido a quedas na indústria, comércio e agricultura

A alta de abril em relação a março deste ano foi de 0,2% graças ao arrasto proporcionado pela construção civil que compensou a queda em outros setores

Redação com informações de Infobae
27-Mai-2021 13:45 - Atualizado em 27/05/2021 22:06

O Índice Geral de Atividade registrou em abril uma melhora de 0,2% em relação a março deste ano graças ao crescimento observado na construção, enquanto na medição interanual houve um salto de 27%, no acumulado do primeiro quadrimestre do ano um avanço de 8,4%, segundo relatório da consultoria Orlando Ferreres (OJF).

De acordo com o Índice Geral de Atividade GA-OJF, na comparação com o pior mês da quarentena do ano passado, todos os setores registraram fortes expansões em relação ao mesmo mês do ano passado, com exceção do setor agrícola, que manteve sua lógica durante este período.

“Naturalmente, os mais proeminentes foram os itens mais atingidos há um ano; assim, a construção civil avançou 102,6%, enquanto a indústria avançou 48,8% e o comércio 36% ”, destacou o estudo.

Enquanto isso, ele indicou que a medição com ajuste sazonal mostrou avanço de 0,2% em relação a março, graças ao forte arrasto proporcionado pela construção, que conseguiu compensar as quedas na indústria, no comércio e na agricultura.

Para os próximos meses, a consultora adiantou esperar uma quebra da atividade frente ao agravamento da situação de saúde e às novas medidas restritivas à circulação e à atividade instituídas.

“Embora a frente macroeconômica tenha mostrado alguma melhora nos últimos meses, a estagnação estrutural continua sem solução, também condicionada por certa incerteza política em um ano eleitoral”, disse.

"Embora a frente macroeconômica tenha apresentado alguma melhora nos últimos meses, a estagnação estrutural continua sem solução, também condicionada por certa incerteza política em ano eleitoral" (Ferreres)

A atividade econômica apresentou queda de 0,2% em março em relação a fevereiro, razão pela qual se manteve a trajetória mensal de queda registrada naquele mês. Além disso, teve seu primeiro avanço medido ano a ano: foi de 11,4%, em grande parte devido à baixa base de comparação de março de 2020, primeiro mês em que entraram em vigor as medidas rígidas de isolamento social.

A recuperação homóloga que teve a Estimativa Mensal de Atividade Económica (EMAE), reportada pelo Indec, esteve relacionada com o colapso que este indicador teve em março de 2020, quando caiu 11,5% por efeito dos primeiros doze dias de quarentena.

Item por item

- Agricultura e Pecuária: a agropecuária recuou 9,4% em abril, acelerando a queda em relação aos meses anteriores e marcando a única queda homóloga registrada neste mês entre os setores econômicos.

Nesse sentido, Ferreres destacou que para a agropecuária estimou queda de 10,4%, enquanto a pecuária contraiu 4,8%. Assim, o acumulado dos primeiros quatro meses mostra uma contração de 7,2%.

- Indústria de transformação: A produção industrial registrou expansão na comparação anual de 48,8% em abril, enquanto a medição com ajuste sazonal apontou queda de 2,1% frente a março , de acordo com o relatório.

Entre as linhas em destaque, Máquinas e equipamentos subiram 154,5%, Minerais não metálicos cresceu 174,7% e Metais básicos 165,5% -na comparação anual- enquanto em relação a março o saldo foi negativo.

“O setor acumula, assim, um avanço de 14,5% no primeiro quadrimestre de 2021 ”, destacou a consultoria.

- Prédio: a construção cresceu 102,6% em relação ao mesmo mês do ano passado, acumulando nos quatro meses seguintes uma alta de 30,5%.

Nesse sentido, o Grupo Construya detectou aumento de 367% no despacho de materiais de construção e de 6,4% na medição com ajuste sazonal de seu índice em relação a março.

- Comércio: De acordo com o relatório, o comércio apresentou forte expansão de 36% na comparação anual, com destaque para o crescimento do varejo, o mais atingido há um ano, registrando alta de 50,1%, enquanto o comércio atacadista cresceu 24,5%. E assim, durante quatro meses, o comércio registrado acumulou um avanço de 15,5 por cento.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade