AveSui2021
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Anuário 2021

Avicultura Industrial - Estabilidade nos números de produção

Confira o Anuário 2021 da revista Avicultura Industrial, edição 1.304

Redação
14-Dez-2020 09:59

A avicultura brasileira irá fechar 2020 com resultados considerados estáveis, apresentando leves crescimentos. A produção de frango de corte tende a ser de 3% a 4% superior a do ano passado, chegando a 13,7 milhões de toneladas. O consumo per capita deve registrar um aumento de 2,5%, ficando em 43,9 kg por habitante/ano. Nas exportações, o Brasil também avançou pouco, algo próximo dos 5% em volume, mas queda no valor de receita cambial. Mesmo assim, o setor tem muito a comemorar. O ano foi de desafios extremos. Com a pandemia de Covid-19, por um período maio que o esperado, toda a área de food service ficou fechada ou operando em ritmo menor. Este segmento é um forte cliente da avicultura no mercado interno.

No cenário internacional, a decisão de não paralisar as operações logísticas do país permitiu a manutenção do fluxo dos produtos rumo aos mais diversos mercados, principalmente da Ásia. E a alta do dólar em relação ao real tornou atraente o atendimento aos clientes externos. Por outro lado, o aumento na cotação da moeda americana e a própria de importação de insumos e ativos para a fabricação de ração e/ou medicamentos veterinários, aumentou os custos produtivos. O mesmo pode ser dito em relação ao milho e soja, destinados fortemente ao mercado internacional e cotado no mesmo nível no cenário doméstico, o que impactou significativamente os custos nas granjas e indústrias.

O contexto econômico brasileiro também preocupa, já que a economia dá poucos sinais de recuperação. Neste ano, o consumo interno se aqueceu principalmente frente a injeção do auxílio emergencial as famílias, que aplicaram basicamente no consumo de alimentos, movimentando todo o mercado. No entanto, economistas não acreditam na manutenção por longos períodos do auxílio, já que teria um impacto ainda maior nas contas públicas.

O PIB do agro em si continua a apresentar crescimento, diferentemente de outros setores da economia. As expectativas para os próximos anos são ótimas. Novo recorde na produção de grãos, manutenção do status sanitário dos plantéis, demanda internacional aquecida por proteína animal, principalmente Ásia. Há a incerteza ainda em relação a Covid-19 no mundo, já que há países com registro da chamada segunda onda. Por outro lado, há a expectativa em torno de diversas vacinas. Todo este cenário está explicado nas páginas a seguir. Vale a pena ler e refletir sobre os rumos do setor produtivo.

 

Uma boa leitura!

Humberto Luis Marques

 

 

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade