AveSui2021
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comentário

Beliscos após a tempestade

Por Coriolano Xavier, membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e Professor da ESPM.

Coriolano Xavier

Membro do Conselho Científico para Agricultura Sustentável (CCAS) e Professor do Núcleo de Estudos do Agronegócio da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM).

14-Jul-2020 11:07

Em inglês, snack é o nome daquele alimento casual que comemos a qualquer momento do dia e por aqui chamamos de “belisco” ou “lanchinho”. O lançamento de snacks no mercado tem uma taxa de sucesso ao redor de 60%, nível superior a qualquer outra categoria de alimento. Por sua própria natureza, o snack tem chance maior de impacto pela forma, sabor, inovação de design ou marketing. Mas mesmo considerando tudo isso, sua taxa de sucesso é invejável, o que indica prontidão positiva das pessoas com relação ao produto.

Na cultura alimentar as refeições estão associadas a momentos específicos do cotidiano. O snack vingou um pouquinho diferente, pois seu conceito original de consumo está associado à mobilidade e ação. Comer em movimento ou fazendo alguma coisa, no trabalho ou no lazer. Comer “on the go”, dizem os norte-americanos. Mas a pandemia pode estar ampliando essa percepção de consumo.

Na China e Espanha, por exemplo, observou-se aumentos de 17% e 74% na procura por esse tipo de alimento nos períodos de quarentena. No Brasil as vendas cresceram cerca de 10%, enquanto grandes empresas multinacionais com atuação assertiva no marketing global de snacks avançaram 7% no primeiro trimestre do ano, em pleno choque da covid-19 (lembrando que a pandemia emergiu primeiro na Ásia e Hemisfério Norte).

Pode ser que o coronavírus esteja empurrando o consumo de snacks para dentro de casa também. Rápido e prático, o produto tem nessa conveniência um forte apelo e ainda responde ao natural interesse do consumidor por alimentos novos, diferentes e acessíveis (em geral é percebido como um gasto pequeno). Com esses pilares, cai como uma luva no gosto das gerações mais jovens e já se observou, em pesquisa, que mais de 60% dos entrevistados da Geração Y (nascidos de 1981 a 1996) declaram substituir eventualmente refeições por snacks.

AveSui2021_dentro

A pandemia deixará uma pauta de saudabilidade em todo o planeta. O “alimento saudável” já vinha sendo escolha alimentar crescente e, agora, tudo indica que a tendência vai se acelerar e se fortalecer na consciência do consumidor. Mas nem por isso o fôlego do snack vai ser, necessariamente, enfraquecido. Já há uma geração ascendente de snacks fit ou saudáveis, desenvolvidos com cereais, frutas desidratadas e nozes, por exemplo – segmento no qual o setor espera obter crescimentos na casa dos dois dígitos, nos próximos anos.

Os tempos de pandemia são complexos, ambíguos e incertos. Após a tempestade, tudo pode voltar ao padrão anterior. Mas não creio. Traços de mudança devem ficar e daí será oportuno colocar os snacks no radar do agronegócio, pois podem gerar impactos e oportunidades em toda cadeia produtiva, inclusive no dentro da porteira. Tempos atrás, por exemplo, produtores de uva da Califórnia, reunidos em uma associação, lançaram o conceito da uva passa como snack (“California Raisins”), marcando um grande sucesso nesse mercado norte-americano.  

Assuntos do Momento

Presidente da Aurora fala sobre expansão da produção avícola, exportações e perspectivas para 2021
23 de Fevereiro de 2021
Live

Presidente da Aurora fala sobre expansão da produção avícola, exportações e perspectivas para 2021

Neivor Canton irá explicar o projeto de crescimento da avicultura da cooperativa em 20%, destacando ainda a expectativa de ampliar os embarques de frango e carne suína para a China em live às 10 horas no canal TV Gessulli

Fornecimento de ovos diminui na Polônia com crise da influenza aviária na UE
24 de Fevereiro de 2021
Europa

Fornecimento de ovos diminui na Polônia com crise da influenza aviária na UE

Cerca de 5 milhões de aves já foram abatidas na Polônia, o maior produtor de aves da União Europeia, mostraram os dados da inspetoria veterinária local.

AveSui2021_dentro
Produtora de carne de frango São Salvador Alimentos protocola pedido de IPO
25 de Fevereiro de 2021
Mercado

Produtora de carne de frango São Salvador Alimentos protocola pedido de IPO

Fundada há mais de quarenta anos, a empresa tem uma capacidade diária de abate de aproximadamente 520 mil aves e vende para mais de 23 mil clientes por mês no Brasil e em 38 países

 

Katayama Alimentos investirá  R$ 15 milhões em 2021
26 de Fevereiro de 2021
Economia

Katayama Alimentos investirá R$ 15 milhões em 2021

A indústria avícola teve incremento de 40% em seu faturamento de 2020 e anuncia para este ano um aumento do plantel de aves e aposta nas exportações para Ásia e Oriente Médio

Cobb destaca importância dos ângulos de viragem para melhor eclodibilidade e qualidade do pintinho
25 de Fevereiro de 2021
Dicas Técnicas

Cobb destaca importância dos ângulos de viragem para melhor eclodibilidade e qualidade do pintinho

Por Scott Jordan, especialista em Incubação e Serviços Técnicos da Cobb-Vantress

VBP do agro atinge R$ 1 tri em 2021; avicultura crescerá 22,5%
24 de Fevereiro de 2021
Crescimento

VBP do agro atinge R$ 1 tri em 2021; avicultura crescerá 22,5%

A estimativa do Ministério da Agricultura indica que o Valor Bruto da Produção na pecuária crescerá 5,1% neste ano, puxado por setores como frango, carne bovina e leite

Mais assuntos do momento