Guia Gessulli
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Evento

Brasil apresenta técnicas produtivas sustentáveis em conferência na Dinamarca

Em evento realizado às vésperas da COP26, representantes do Mapa mostraram as boas práticas já adotadas no país, que permitem aumentar a produção nos próximos anos sem precisar desmatar

Redação com informações de MAPA
28-Out-2021 13:49

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) participou, nesta quinta-feira, do seminário “A contribuição do Brasil e da Dinamarca para o Desafio da Oferta Alimentar Sustentável”, em Copenhague. O evento é organizado pela Embaixada do Brasil na Dinamarca, com o apoio da Apex-Brasil, do Danish Agriculture and Food Council e do Danish Grain and Feed e contou com a participação de autoridades, empresários, investidores e acadêmicos.

O secretário de Inovação, Desenvolvimento Regional e Irrigação do Mapa, Fernando Camargo, destacou as boas práticas brasileiras voltadas para a sustentabilidade ambiental do setor agropecuário. Segundo ele, o mundo precisa frear o aumento da temperatura, mas conciliando com a produção de alimentos para os 2 bilhões a mais de pessoas que virão ao mundo até 2050.

“Precisamos fazer isso por meio de uma agricultura com baixíssima emissão de gases de efeito estufa, e a agricultura brasileira pode contribuir de modo decisivo para isso. O Brasil produz hoje 1 bilhão de toneladas em alimentos, fibras e bioenergia. Isso permite ao país contribuir com a alimentação de 1,5 bilhão de pessoas, enviando nossos produtos para exatos 193 países. Estamos fazendo isso com base em um processo produtivo que é descarbonizante”.

Além de descarbonizar a agricultura, o Brasil tem espaço para expandi-la sobre áreas de pastagens degradadas, sem a necessidade de desmatar os principais biomas. Nos últimos 10 anos, foram revigorados 27 milhões de hectares de pastagens e para os próximos 10 anos a meta é recuperar mais 30 milhões.  

Fernando Camargo apresentou os resultados do Plano de Agricultura de Baixo Carbono, o ABC, lançado há 10 anos, bem como as metas para a próxima década, com a inclusão de novas tecnologias como a utilização de novos bioinsumos, a utilização da irrigação e a terminação intensiva de animais.  

Ele lembrou que a agricultura brasileira é baseada em ciência e na adaptação ao calor tropical e disse que o Brasil fez uma revolução verde na produção de alimentos nos últimos 50 anos, superando seu problema de segurança alimentar e se tornando um grande provedor de alimentos ao mundo. “Nossa produtividade aumentou 456% e a área agrícola apenas 55% nos últimos 50 anos. Fizemos tudo isso, preservando 66% do território original brasileiro.

Inovação e inclusão

O presidente da Embrapa, Celso Moretti, também participou do seminário, falando sobre ciência e inovação para uma agricultura mais sustentável. Moretti apresentou dados para mostrar que, usando tecnologia, o Brasil pode dobrar a produção sem promover desmatamento. 

O Brasil usa atualmente 7,6% de sua área para a produção agrícola e, com técnicas como o Plantio Direto, realiza até três safras ao ano. São 70 milhões de hectares de área cultivada e 90 milhões de hectares de pastagens degradadas, que estão basicamente no Nordeste e no Centro do país, fora do bioma Amazônico. “Usando tecnologia, vamos transformar essas áreas em terras cultiváveis. Podemos dobrar a produção de alimentos, fibras e bioenergia sem tocar em uma única árvore da Amazônia”

Moretti apresentou o trabalho da Embrapa ao longo dos anos e técnicas desenvolvidas pela empresa, como a carne e a soja carbono neutro. Segundo ele, a agricultura brasileira está pronta para contribuir com a meta de uma economia sem emissão de gases de efeito estufa até 2050. 

Já o assessor especial do Mapa Fernando Zelner falou sobre os principais pilares da atuação do Ministério da Agricultura, como regularização fundiária e ambiental, inclusão produtiva, inovação e produção sustentável. Ele disse que o governo federal está buscando regularizar a situação de famílias que há anos migraram para a Amazônia pois, com o título, elas podem ter acesso ao crédito, políticas públicas, assistência e melhores práticas de produção. “Se isso não for feito, processo completo, as ocupações irregulares de terras públicas continuam, um ciclo que não é interrompido”, destacou Zelner. 

A inclusão de produtores da agricultura familiar na economia formal, para que possam ter crédito e acesso a mercados globais e doméstico, também foi apresentada como uma das políticas prioritárias do Mapa. Zelner apresentou no seminário ferramentas como o cooperativismo, políticas públicas de aquisição de alimentos e participação desses produtos na merenda escolar e lembrou que, durante a pandemia, o governo manteve as compras para que os agricultores familiares não tivessem uma drástica perda de renda. 

Caso de sucesso

O seminário contou com a participação de outros representantes governamentais de Brasil e Dinamarca, além de pesquisadores e membros da iniciativa privada. O embaixador do Brasil na Dinamarca, Rodrigo Azeredo dos Santos, disse que o objetivo do evento é promover a cooperação bilateral entre governo e empresas dos dois países, além de passar a mensagem de que a agricultura sustentável do Brasil é um caso de sucesso e contribui para a segurança alimentar do país e do mundo. 

Segundo ele, o Brasil é um dos países que mais pode contribuir para cumprir o desafio de produzir mais alimentos nos próximos anos, sem necessidade de desmatamento para aumentar a produção agricola. “Com alta produtividade e a disponibilidade de terras cultiváveis, o Brasil tem um papel muito importante para ajudar na segurança alimentar nas próximas décadas”, destacou o embaixador. 

A Dinamarca é uma liderança relevante nas discussões de sustentabilidade, tanto na União Europeia quanto em fóruns multilaterais importantes como a OMC e a OCDE. O país também é um parceiro estratégico para o Brasil, haja vista a disponibilidade de investimentos para projetos internacionais que atendam a rígidas exigências ambientais, sociais e de governança.

 COP26

Após o evento na Dinamarca, o grupo do Ministério da Agricultura se reúne aos demais integrantes da comitiva brasileira em Glasgow, na Escócia, onde acontece a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças do Clima (COP26). O secretário Fernando Camargo representará o Ministério da Agricultura no evento.

Assuntos do Momento

Disponible en español Disponible en español
BRF e fundo soberano saudita investirão US$ 350 milhões na cadeia de produção de frangos da Arábia Saudita
14 de Janeiro de 2022
Investimentos

BRF e fundo soberano saudita investirão US$ 350 milhões na cadeia de produção de frangos da Arábia Saudita

Negócio atuará em toda a cadeia de produção de frangos na Arábia Saudita e promoverá venda de produtos

Menor demanda pressiona cotações da carne de frango
14 de Janeiro de 2022
Mercado interno

Menor demanda pressiona cotações da carne de frango

No front externo, a desvalorização do Real frente ao dólar e o forte incremento no volume exportado garantiram receita recorde com os embarques de carne de frango em dezembro. 

Com investimentos em alta no Oeste Paranaense, empresas expõem tecnologias em construção de galpões na AveSui
17 de Janeiro de 2022
AveSui América Latina

Com investimentos em alta no Oeste Paranaense, empresas expõem tecnologias em construção de galpões na AveSui

A região é considerada o maior agro cluster da América Latina e vem recebendo fortes investimentos de cooperativas, agroindústrias e empresas ligadas à cadeia produtiva de proteína animal

Disponible en español Disponible en español
Carne cultivada in vitro é servida em restaurante de Singapura
13 de Janeiro de 2022
Proteína cultivada

Carne cultivada in vitro é servida em restaurante de Singapura

A estimativa é que, em 2040, cerca de um terço da carne consumida no mundo seja produzida do cultivo celular

18 de Janeiro de 2022
Uruguai

Quase quinhentas mil aves foram mortas pelo calor no Uruguai

Onda de calor provocou mortandade em aviários com perdas que equivalem de 10% a 20% da produção nacional do Uruguai na avicultura

Preço dos ovos aumenta na segunda semana do mês
17 de Janeiro de 2022
Ovos

Preço dos ovos aumenta na segunda semana do mês

 Segundo pesquisadores do Cepea, a recente sustentação aos valores veio da oferta mais controlada, sobretudo de ovos maiores.

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade