Basf AI
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Crescimento

Brasil deverá atingir recorde na produção de aves em 2021

Aumento, de 4,5%, tem relação direta com a queda do poder aquisitivo da população, que passou a procurar proteínas mais baratas 

Redação com informações de Valor Econômico
29-Nov-2021 08:41

A produção de carne de frango no Brasil deverá alcançar 15,3 milhões de toneladas neste ano, um crescimento de 4,5% em relação a 2020, segundo projeção da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Caso se confirme, o volume será o maior da série histórica, informa o boletim AgroConab.

Com a queda do poder aquisitivo da população, os consumidores têm procurado proteínas mais baratas, o que estimulou o segmento a aumentar a produção. Também em alta, as exportações de carne de frango devem atingir o recorde de 4,46 milhões de toneladas no ano, prevê a Conab.

Em carne suína, a produção do país também poderá alcançar recorde ao crescer 5%, para 4,5 milhões de toneladas, sendo 1,24 milhão de toneladas para exportações, projeta a estatal.

Já para a carne bovina, em um cenário de diminuição da demanda, a estimativa é de queda de 5% da produção quando comparada à do ano passado, para 8,1 milhões de toneladas. Do total, 2,65 milhões de toneladas devem ser encaminhadas às vendas externas.

A Conab calcula que os volumes disponíveis de proteínas por habitante no ano chegam a 15 quilos no caso dos suínos, 50 quilos nas aves e 25,8 quilos em bovinos.

Preços ao produtor

Após a suspensão das exportações para a China, no início de setembro, o preço pago ao produtor de carne bovina teve forte queda, mas, nos preços ao consumidor final, a redução não ocorreu de maneira tão acentuada. Com a retomada das negociações com o país asiático, a tendência é que os preços ao produtor voltem aos patamares anteriores.

Já os valores recebidos pelo produtor de carne de frango seguem em alta. A demanda aquecida e o encarecimento da ração — que leva milho e farelo de soja, por exemplo — contribuem para o movimento. Segundo a Embrapa, a despesa desses produtores com alimentação animal quase dobrou entre julho de 2018 e julho de 2021.

Os produtores de carne suína também são impactados pela cotação elevada do milho, mas o mercado consumidor segue pressionando os preços, “trazendo relativa estabilidade às cotações, sem espaços para avanços consideráveis”.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade