Banner AI - Cobb
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Mercado Externo

Câmara Uruguaia de Aves busca aumentar a produção, o consumo e a exportação de aves

A Câmara Uruguaia de Processadores de Aves (Cupra) afirma ter interlocutores específicos para a avicultura no Ministério da Pecuária, Agricultura e Pesca (MGAP)

Redação
05-Mar-2021 08:31 - Atualizado em 05/03/2021 12:08

A Câmara Uruguaia de Processadores de Aves (Cupra) afirma ter interlocutores específicos para a avicultura no Ministério da Pecuária, Agricultura e Pesca (MGAP), seja por meio de uma Diretoria de Avicultura, seja por meio da criação de um Instituto Avícola.

Na rodada de entrevistas que o senador Guido Manini está realizando com diversos setores produtivos do país, na semana passada se reuniu com representantes da Câmara Uruguaia de Processadores de Aves (Cupra), instituição que reúne as principais avícolas do país: a Avícola del Oeste, Fazenda Três Arroyos, El Poyote, Tenent, Calpryca, Del Campo e Avícola Valle Alegre. Após o encontro, o jornal La Mañana conversou com seu chefe, Domingo Estévez Castro, que destacou a importância da atividade avícola para o Uruguai.

A avicultura é "um importante setor produtivo nacional" a ponto de "depois da pecuária continuar em volume de produção e na preferência dos consumidores uruguaios", disse Estévez.

Durante o encontro “procuramos transmitir ao senador as preocupações e expectativas do setor”, e destacamos a possibilidade de termos interlocutores específicos para a avicultura no âmbito do Ministério da Pecuária, seja através de uma Diretoria de Avicultura ou através da criação de um Instituto de Aves ”, expressou.

Sobre os principais desafios do setor avícola uruguaio, destacou a importância de “superar da melhor maneira possível as repercussões da pandemia no setor avícola ”, entendendo que “em primeiro lugar” deve estar “a atenção à saúde dos trabalhadores. , procurando não afetar o consumo e a estabilidade das empresas e de toda a cadeia ”.

“As avicultoras também estão trabalhando, tendo um compromisso muito forte com o desenvolvimento do setor. Importantes investimentos têm sido feitos tanto no setor produtivo quanto no industrial ”, disse. “A avicultura quer crescer tanto no mercado interno quanto gerando uma tendência de exportação sustentável ao longo do tempo”, explica.

A partir disso, as empresas avícolas “traçaram uma agenda para o período 2020-2024”, que foi apresentada ao Instituto Nacional da Carne (INAC) e ao próprio Ministério da Pecuária, Agricultura e Pesca. “Esta agenda foi elaborada em conjunto com a Asociación de Façoneros de Pollos Unidos (AFPU), tendo como ponto de partida a implementação do acompanhamento contínuo dos frigoríficos pelo INAC” através das chamadas caixas pretas , que começou a ser implementado justamente um ano atrás.

Estévez garantiu que com essas caixas-pretas se consegue uma "contribuição transcendente à transparência", com a qual "é possível" colocar maiores desafios ao setor que passam principalmente ao lado de criar as condições para o desenvolvimento das exportações de produtos e sub. -produtos e ao mesmo tempo melhorar a percepção do consumidor local em relação à carne de frango ”.

“Neste momento, através do INAC está começando a implementar um projeto que visa criar condições para o desenvolvimento da avicultura” , acrescentou. É um “projeto que tem o aval da Agência de Desenvolvimento Nacional, INAC” e tem “a participação como sócios Cupra e AFPU, que são os sindicatos que cobrem o sistema de produção de frangos”.

Aposta forte no mercado nacional

A Câmara Uruguaia de Processadores de Aves (Cupra) não tem dúvidas de que no Uruguai é possível aumentar a produção, o consumo interno e a exportação de aves. "Sem dúvida alguma" é algo que pode ser feito, disse Estévez, acrescentando: "Estamos assumindo um compromisso muito forte com o desenvolvimento do mercado interno". Os diferentes elos da avicultura “sempre funcionam para isso, de olho no consumidor e na tentativa de satisfazer os seus desejos”.

Em 2020, um ano tão especial registou “um aumento no consumo de carne de aves” com a particularidade de “ter sido a única carne que apresentou aumento de consumo no nosso país”, o que se explica porque “tivemos uma mudança na nossos hábitos de consumo. “A carne de aves é muito versátil no preparo de diferentes tipos de refeições, destaca-se por ser uma carne muito saudável, magra, de grande maciez e de cozimento rápido, características muito valorizadas pelo consumidor”.

Soma-se a isso que “se observarmos os preços relativos na oferta ao consumidor, veremos que a carne de frango é a mais barata. É a combinação perfeita: qualidade, versatilidade e preço ”, complementou.

Perto do desembaraço para exportar para a China

Questionado sobre as dificuldades de comercialização interna e de exportação, o presidente de Cupra disse que “no mercado interno temos tido uma concorrência implacável de carnes importadas, principalmente de suínos do Brasil, que devido a problemas na sua colocação em grandes mercados têm gerado estoques excessivos que depois foram colocados a preços abaixo do custo do nosso país ”, destacou. "Isso significa que a produção nacional de frango caiu continuamente por vários anos." Porém, como já foi dito, “no ano passado houve um forte aumento da produção de frango e ambicionamos manter esse crescimento neste ano e nos que virão”.

Em termos de exportações, ele anunciou que está "muito perto de viabilizar o mercado chinês, algo que está demorando muito", disse.

Da mesma forma, “queremos vários mercados alternativos” para os quais se estão a trabalhar “para viabilizar os frigoríficos e pedimos a abertura de novos mercados”.

“Temos grandes esperanças de que em alguns anos possamos ver uma indústria avícola com um fluxo sustentado de exportação. Isso resultará em mais trabalho para os cidadãos do nosso país ”.

Uruguai pode ser um país avícola competitivo

Sobre o mercado externo, Estévez disse que “o consumo de carne de frango está crescendo mundialmente e o comércio também. Este último aumentou cerca de 10% nos últimos 5 anos, o que representa um desafio e uma importante oportunidade para qualquer país produtor de carne de aves ”.

O Uruguai tem as "condições técnicas" de produção "no mesmo nível dos principais produtores". Portanto, “com um trabalho planejado pode-se pensar que o Uruguai melhorará suas condições de competitividade para desenvolver uma tendência exportadora”.

5.000 famílias, a maioria nas áreas rurais

Domingo Estévez é o presidente da Câmara Uruguaia de Processadores de Aves. Cupra é um sindicato que reúne as principais indústrias uruguaias do setor, que representam mais de 95% da produção de frango do país, consome grande parte da produção nacional de milho e soja e emprega mais de 5.000 famílias, muitas delas. no setor rural. 

Assuntos do Momento

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade