Banner AI - Cobb
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
América Latina

Carne na Argentina: o problema da carne não é de abastecimento, mas de acesso

A Argentina produz 3,2 milhões de toneladas de carne bovina e mais quase 3 milhões de toneladas de frangos e suínos

Redação com informações de On 24
29-Jun-2021 15:46 - Atualizado em 29/06/2021 15:59

Após a primeira reunião informativa do “Plano Pecuário” que o Governo Nacional propôs, as Confederações Rurais Argentinas anunciaram que estão a abandonar aquele espaço “até que não haja nenhum sinal concreto que busque uma solução eficaz e sustentada ao longo do tempo, portanto que comece a o trabalho com exportações fechadas constitui um obstáculo intransponível ”.

“O principal incentivo para produzir é a demanda. Se você intervém e fecha as exportações, uma parte importante é cortada, tirando a principal motivação para produzir e investir. Nesse contexto, pouco vale um espaço de trabalho que não respeite esse princípio essencial de toda produção sustentada ”, afirma a entidade em nota.

“Não estamos fazendo hipóteses, mas como país a vimos com intervenções anteriores que custaram à cadeia produtiva e a toda a Argentina mais de 17.000 empregos diretos e 65.000 empregos indiretos, privados, genuínos e locais”.

“Sem respeitar a demanda, o mercado, os clientes, a reputação se perdem e toda a cadeia da carne fracassa, com efeitos especiais no produtor primário. Ninguém investe em um contexto de incerteza. Um plano de pecuária de fundo, sustentado no tempo e amparado por lei, é mais do que bem-vindo pelo setor produtivo, mas em um contexto de abertura de mercados, não em um contexto de fechamento de exportações ”.

Para o CRA, foram “ignorados nas negociações que culminaram no encerramento continuado, moderado, das exportações, não queremos voltar a gerar nos nossos associados a ilusão de um plano pecuário, se desde o início começarmos a errar o diagnóstico.

O problema da carne não é de oferta, mas de acesso.

A Argentina produz 3,2 milhões de toneladas de carne bovina, das quais 900 mil são exportadas e os argentinos consomem 2,3 milhões. Somam-se a isso quase 3 milhões de toneladas de frangos e suínos. O que coloca a Argentina no pódio do maior consumidor per capita mundial de carne bovina, em particular, e de carnes, em geral.

“O problema da carne não é de preço, mas de poder de compra. Na Argentina, a carne é mais barata do que nos países vizinhos e até 80% mais barata do que na Europa. O que ocorre é que os argentinos têm perdido poder aquisitivo, o que se reflete em uma queda de 20% na massa salarial real nos últimos três anos ”.

Isso significa que, assim como é difícil para os argentinos pagar pela carne, também nos custa pagar gasolina, roupas e qualquer outro produto de que precisamos consumir.

Por isso, o CRA entende que as medidas para solucionar esse problema devem ter como foco a redução da inflação, que suas causas estão mais relacionadas à questão monetária e a um programa econômico que gere confiança do que ao preço da carne, que nada mais é do que um consequência.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade