Guia Gessulli
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Mercado

China quer produtos do agro do Brasil de maior valor, além de grãos, diz embaixador

O Brasil, que tem na China o maior mercado para exportações de produtos agrícolas, principalmente soja, açúcar e carnes

Redação com informações de Último Instante
12-Abr-2021 08:22 - Atualizado em 12/04/2021 11:12

O governo chinês está ciente das preocupações brasileiras para elevar o valor agregado de suas exportações para a China, enquanto o país asiático “está pronto” a trabalhar para que este objetivo seja alcançado, disse o embaixador da China no Brasil Yang Wanming, nesta quinta-feira.

“Não se trata apenas de uma lição de casa brasileira, mas uma das prioridades para a nossa cooperação, para colocar a parceria em outro patamar”, disse o embaixador, durante evento online promovido pela revista Exame.

O Brasil, que tem na China o maior mercado para exportações de produtos agrícolas, principalmente soja, açúcar e carnes, poderia aumentar embarques de itens de maior valor agregado e processados, incluindo mais proteínas animais, frutas e café, acrescentou a autoridade.

Ele disse ainda que o país asiático está expandindo suas importações de matérias-primas para ração animal, como o milho, e que o Brasil praticamente não vende o cereal aos chineses, ao sinalizar como o comércio poderia crescer ainda mais –em 2020, apesar da pandemia, exportações agrícolas brasileiras subiram quase 10%, para 34 bilhões de dólares, disse Wanming.

O Brasil, maior produtor e exportador global de soja, quer exportar, além do grão, o farelo de soja –mas o embaixador do maior importador mundial da oleaginosa não citou este produto processado explicitamente.

Disse apenas que as empresas chinesas “estão otimistas com o futuro do investimento na área agrícola do Brasil”, para se aproveitar da competitividade do agronegócio brasileiro.

“O custo da mão de obra está cada dia mais elevado, e os empresários têm cada vez mais desejo de importar produtos de valor agregado ou processado, e não somente matérias-primas, e também têm interesse ainda maior para fazer investimentos no mercado exterior”, completou.

Segundo ele, à medida que o PIB per capita da China cresce, o Brasil deveria “aproveitar essas oportunidades para atrair mais investimentos de chineses no setor de processamento de produtos agrícolas, para elevar o valor agregado dos produtos exportados à China”.

Ele lembrou que a gigante agrícola do país, a Cofco, já investiu quase 5 bilhões de dólares no Brasil, em projetos como terminais portuários, silos e processadoras de soja, sendo atualmente a quarta maior exportadora de grãos brasileiros.

Ele comentou que, com sofisticação da dieta chinesa em momento em que a renda cresce, há potencial para o aumento do consumo per capita de carne bovina pelos asiáticos, ainda relativamente baixo para esta proteína.

“Mesmo assim já somos os maiores importadores mundiais de carne bovina. À medida que a dieta se sofistica, o consumo de carne bovina dobrará nos próximos anos. Como fornecedor estável, o Brasil também verá suas vendas crescerem de forma constante.”

O Brasil, além de principal exportador global de carne bovina, é líder em frango.

Ele comentou que a China comprou 11,3 milhões de toneladas de milho no ano passado, mais do que dobro ante 2019, e quase nada do Brasil.

“Estima-se nos próximos anos que as importações de milho vão superar a marca de 30 milhões de toneladas”, comentou, sinalizando que os brasileiros poderiam avançar neste mercado.

Ele disse que outro segmento com grande potencial é o de frutas, e que o país asiático está disposto a expandir a lista para abacate, limão, após abrir compras de melão brasileiro.

Com consumo relativamente baixo de café, o embaixador também vê o Brasil ganhando este mercado na China.

“O café está conquistando a cada dia os jovens chineses, de maneira que o consumo cresce quase 20% ao ano, muito acima da média mundial de 2% ao ano… Ao Brasil, maior produtor e exportador, basta se valer da estratégia de marketing adequada, e o café brasileiro certamente ocupará uma fatia maior na China.”

Tal como nas frutas e no milho, a participação do café brasileiro no total importado pelos chineses é pequena perto da capacidade de exportação do Brasil desses produtos.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade