Alltech AI
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Tecnologia

Cientistas da China dizem transformar emissões em ração animal

A tecnologia envolve a síntese de exaustão industrial contendo monóxido de carbono, dióxido de carbono e nitrogênio em proteínas usando Clostridium autoethanogenum, uma bactéria usada para fazer etanol

Redação com informações de Money Times
08-Nov-2021 09:01

Pesquisadores chineses disseram que desenvolveram a tecnologia para transformar as emissões industriais em ração animal em escala, uma medida que poderia reduzir a dependência do país de matérias-primas importadas, como a soja.

A tecnologia envolve a síntese de exaustão industrial contendo monóxido de carbono, dióxido de carbono e nitrogênio em proteínas usando Clostridium autoethanogenum, uma bactéria usada para fazer etanol. A notícia foi publicada esta semana no jornal estatal Science and Technology Daily.

A China é o maior importador de soja, que é esmagada para produzir farinha, principalmente para alimentar seu rebanho suíno, o maior do mundo. Os chineses compram grandes volumes de países como Brasil, Argentina e Estados Unidos. A commodity também tem sido uma importante fonte de atrito, contribuindo para as tensões comerciais entre os EUA e a China.

A China enfrenta escassez de commodities agrícolas devido à falta de terras produtivas e à crescente demanda de uma população mais rica, e tenta aumentar a produtividade e reduzir o desperdício. O Science and Technology Daily disse que 80% das necessidades de matéria-prima da China para proteínas de ração são atendidas por importações.

 
Se a China puder produzir 10 milhões de toneladas de proteína sintética usando a nova tecnologia, isso equivaleria a cerca de 28 milhões de toneladas importadas de soja, observaram os pesquisadores. A produção de proteínas sintéticas para ração animal em grande escala também ajudaria a China em seu programa de descarbonização, acrescentaram, um dos principais objetivos políticos do Partido Comunista.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade