Agroceres Multimix
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Mercado Interno

Com crescimento de 3,5%, avicultura bate recorde de produção em 2021

Confirmada a estimativa, o Brasil deve ultrapassar a China e ocupar a segunda posição entre os maiores produtores mundiais de frango; para 2022 a previsão é de novo crescimento produtivo e salto no consumo per capita

Redação AI
16-Dez-2021 14:37 - Atualizado em 16/12/2021 15:16

Os desafios foram vários ao longo do ano, como a alta dos custos de produção impulsionada pelos preços do milho e do farelo de soja, itens fundamentais às rações.

O dólar alto beneficiou as exportações, mas também encareceu a importação de insumos para a fabricação de uma série de produtos aplicados à produção de aves. A elevação dos combustíveis e da energia elétrica também podem ser computados como forte peso no custo final de produção do frango.

Além disso, a pandemia de Covid-19, com suas restrições e impactos, a queda de renda do brasileiro e uma economia ainda tentando deslanchar afetaram o repasse para o preço final ao consumidor, achatando as margens da indústria avícola.

Embora os desafios pareçam enormes, a avicultura brasileira conseguiu expandir a sua produção em um percentual que deve fechar em 3,5%, atingindo um volume aproximado de 14,300 milhões de toneladas de carne. Se confirmado, o país assume a segunda posição entre os maiores produtores mundial desta proteína, ultrapassando a China e ficando atrás apenas dos Estados Unidos. O que alicerçou esse crescimento foi principalmente as exportações. Com o dólar alto, o produto brasileiro ganha ainda mais competitividade no comércio internacional. O status sanitário do país também favorece as vendas externas, já que vários países com importância na avicultura têm enfrentado problemas com a Influenza Aviária.

No mercado doméstico, mesmo com as inúmeras dificuldades, não houve sobras significativas. A oferta de frango para o consumidor brasileiro cresce em cerca de 2% no comparativo com 2020, mas foi absorvido. Na competição com as outras carnes, o frango teve vantagem por ser a proteína de preço mais acessível, e que melhor se adaptou ao bolso do consumidor.

Confira a matéria completa no Anuário 2022 da Revista Avicultura Industrial

Assuntos do Momento

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade