Alltech AI
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comércio Internacional

Comércio com árabes tem melhor ano desde 2013

A alta nas vendas se deve à retomada econômica precoce dos países da Liga Árabe, principalmente os do Golfo, que, além de grandes compradores de produtos brasileiros, estão entre os primeiros a iniciar a vacinação em massa

Redação
20-Jan-2022 11:54

As exportações brasileiras para a Liga Árabe somaram em 2021 US$ 14,42 bilhões, alta de 26,15% sobre o ano anterior e o melhor resultado dos últimos oito anos, segundo dados compilados pela Câmara de Comércio Árabe-Brasileira.

Entre os produtos do agro, dominantes na pauta com o bloco depois do minério de ferro, as vendas subiram 9,52%, para US$ 8,92 bilhões, com destaque para o açúcar (US$ 2,75 bilhões, -3,64%), frango (US$ 2,42 bilhões, +21,59%), milho (US$ 1,04 bilhão, -5,99%), carne bovina (US$ 920,60 milhões, -4,93%) e soja (US$ 638,13 milhões, +97,49%).

Para o secretário-geral da Câmara Árabe, Tamer Mansour, a alta nas vendas se deve à retomada econômica precoce dos países da Liga Árabe, principalmente os do Golfo, que, além de grandes compradores de produtos brasileiros, estão entre os primeiros a iniciar a vacinação em massa, implementar medidas sanitárias rígidas e assegurar assistência de saúde à população.

“Esse sistema [de saúde árabe], que conseguiu cuidar do ser humano, possibilitou essa retomada”, avalia Mansour. “Enquanto estávamos discutindo as questões da vacinação, a falta de leitos, os árabes estavam organizando sua terceira corrida de Fórmula 1 [GP de Jeddah]. Não é à toa que o primeiro produto da pauta foi o minério de ferro, sinal de que as indústrias locais de construção, de base e de reexportação tiveram um boom”, diz. “Não tenho dúvida que a retomada econômica dos árabes foi muito maior do que nos países desenvolvidos da Europa e da América do Norte”, sintetiza Mansour.

O executivo destaca que o aumento da demanda árabe por alimentos teve impulso importante da Expo 2020, a exposição mundial iniciada em outubro no emirado de Dubai. Mansour afirma que o evento de seis meses, além de incentivar a formação de estoques de alimentos destinados a turistas e à população local, também estimulou a ida de missões empresariais ao emirado, que resultaram em negócios com toda a Liga Árabe.

Para o secretário-geral da Câmara Árabe, a Expo 2020 contribuiu ainda no aumento das vendas de frango para os mercados árabes, num momento em que o maior comprador do produto brasileiro na região, a Arábia Saudita, segue dando prioridade e ampliando a produção avícola local no objetivo de diminuir a dependência do alimento importado.

De acordo com os dados da Câmara Árabe, em 2021, os Emirados Árabes adquiriram do Brasil US$ 692,24 milhões em frango, alta de 63,34% sobre o ano anterior, resultado que coloca o país na posição de maior mercado para o frango brasileiro no bloco de 22 países do Oriente Médio e do norte da África.

Além disso, o frango brasileiro encontrou mais espaço no Iêmen (US$ 171,77 milhões, +27,05%) e na Líbia (US$ 142,52 milhões, +90,44%), que se tornaram respectivamente o terceiro e o quinto destino para o produto na região.

“Em relação à Líbia, houve um aumento por conta da abertura de portos e acredito que o país vai estar em crescimento nos próximos anos”, sinaliza Mansour.

Acesse a íntegra dos dados aqui.

 

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade