Alltech AI
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Ovos

Conheça a produção da capital do ovo no Brasil

Santa Maria de Jetibá, no Espírito Santo, é a maior fornecedora do Brasil. Alta dos custos de produção faz alguns criadores desistirem do setor na cidade.

Redação com informações de G1
09-Mai-2022 08:49

A cidade de Santa Maria de Jetibá, no Espírito Santo, ficou conhecida como a capital do ovo, após se tornar a maior produtora do Brasil. No município, que já foi famoso pelo plantio de café, a avicultura é aproveitada desde os ovos ao esterco das galinhas, usado como adubo.

A produção de ovos na região começou há cerca de 60 anos, com Erasmo Berger. Após voltar de um período no Rio de Janeiro, ele trouxe 550 pintinhos. Para garantir o bem-estar dos filhotes, Berger dormia com as aves.

Na região, o nicho era novidade e criou polêmica entre os vizinhos, que falavam que Berger "quebraria" o pai dele. Mas a realidade foi diferente, a produção foi crescendo e em 1964, 2 anos depois, uma cooperativa foi criada.
 
Hoje, a Cooperativa Agropecuária Centro Serrana (Coopeavi) conta com mais de 100 associados apenas na área de galinhas de postura. Os criadores conseguem descontos para comprar os pintinhos e insumos e têm garantia de comercialização do que foi produzido.

Além disso, a estrutura rústica foi ganhando investimento em tecnologia ao longo dos anos. Atualmente, a granja de Berger tem 2 milhões de aves que produzem 1,6 milhão de ovos por dia.

Paixão contagiante
 
A paixão de Berger conseguiu conquistar outros produtores rurais da região, que hoje tem 16 milhões de galinhas poedeiras. As aves ganharam uma homenagem na entrada da cidade: uma escultura de galinha gigante.

Em Santa Maria de Jetibá, até o esterco tem utilidade. O município produz quase 40 mil toneladas por mês.

A matéria-prima vai para um galpão, onde recebe ingredientes que ajudam na sua compostagem, como casca de ovos. Depois de 15 dias, o resultado é um adubo de qualidade, vendido para agricultores de todo o estado.

Já os ovos abastecem o Espírito Santo e também vão para o Rio de Janeiro, Minas Gerais e partes do Nordeste. O estado responde por quase 10% de toda a produção brasileira de ovo.

No município, a agropecuária representa cerca de 50% da arrecadação, dos quais 60% têm origem na avicultura. A produção de ovos gera 9 mil empregos diretos no município.

Desistindo das galinhas
 
Apesar do crescimento do setor na região, os criadores também enfrentam dificuldades. O Espírito Santo não consegue produzir grãos suficientes para compor a ração dos animais. Quase todos os cereais usados no município são comprados no Centro-Oeste brasileiro.

O milho e a soja, principais insumos para a alimentação das aves, teve alta. Segundo Nélio Hand, presidente da Associação dos Agricultores, houve uma elevação de mais de 110% dos gastos com milho durante a pandemia.

Os altos custos de produção fizeram que alguns criadores desistissem do setor. Santa Maria de Jetibá tem hoje 120 granjas, no ano passado o número era de 146.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade