Guia Gessulli
30-Jul-2020 10:27 - Atualizado em 31/07/2020 08:57
Disponible en español
Investigação

Contrabando de frango continua prejudicando a indústria paraguaia

Milhares de quilos de frango entram no país em caminhões grandes pela Ponte da Amizade, e estes, por sua vez, descarregam veículos menores para distribuição posterior

"Estima-se que 2 milhões de quilos por mês de consumo de frango, equivalente a G. 14 bilhões, estejam entrando no país a partir do Brasil sem controle sanitário", disse Rodrigo Alderete, representante da Associação de Avicultores do Paraguai (Avipar).

Preocupado com a entrada ilegal maciça de galinhas do Brasil, ele afirmou que seu sindicato sempre colaborou para tentar deter esse grande flagelo que ainda está latente no leste do país e em outros pontos da fronteira na região de Canindeyú, situação que gera uma enorme perda para a indústria nacional. Mas a evidência de passagem ilegal diariamente é mostrada no comércio de estanho e em outras cidades onde, em cumplicidade com as autoridades, os produtos chegam com facilidade. Segundo o autor da denúncia, o risco que o produto ilegal gera na saúde é bastante alto.

"No caso de galinhas, na ausência de transporte adequado e devido às altas temperaturas em nosso país, o início de um estado de decomposição se beneficia, arriscando a saúde do consumidor, por isso alertamos a população para não consumir isso. tipo de mercadoria ”, disse Alderete.

O resultado de um trabalho de investigação que o sindicato abordou mostra o número de galinhas provenientes do Brasil ilegalmente, cuja ação é graças à luz verde dada por alguns "funcionários contaminados", como expressou o ministro do contrabando Emilio Fuster há algumas semanas. .

Somente no mercado de suprimentos de Ciudad del Este é possível ver em uma série de imagens a maneira como esses produtos são descarregados de caminhões grandes para telefones celulares pequenos, além da venda massiva na maioria das instalações. Em geral, milhares de quilos de galinhas entram no país em caminhões grandes pela Ponte da Amizade, e estes, por sua vez, descarregam veículos menores para distribuição posterior, segundo o relatório da Avipar.

Redação AI
Deixe seu Recado