Banner AI - Cobb
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Conteúdo Técnico

Curcumina na alimentação de aves melhora a qualidade da carne e ovos

02-Jun-2021 08:48

Por Gabriela Miotto Galli, Marcos Jose Migliorini, Marcel Manente Boiago e Aleksandro Schafer da Silva / Udesc

A utilização de extratos herbais em substituição ao uso de antibióticos e coccidiostáticos na alimentação de aves não é recente, mas novas pesquisas na busca de produtos alternativos com potenciais efeitos positivos na produção e melhoria na qualidade dos produtos finais (carnes e ovos) são cada vez mais frequentes.

A curcumina é o principal componente ativo extraído da Curcuma longa, conhecida popularmente como açafrão da terra, planta nativa da Ásia (KHAN et al., 2012); que se adaptou ao clima brasileiro. Este polifenólico possui ação antioxidante, anti-inflamatória, antibacteriana e antifúngica (MOGHADAMTOUSI et al., 2014), assim como é uma das moléculas naturais mais usadas no controle de diversas doenças em humanos devido aos seus benefícios. Na alimentação animal, foi a avicultura a precursora de pesquisas que mostraram que a curcumina tinha efeitos positivos sobre saúde animal, desempenho e qualidade de carne e ovos (pesquisas realizadas na China, principalmente).

O ovo é considerado um alimento completo, fonte excelente de ácidos graxos, vitaminas, minerais e aminoácidos essenciais na alimentação humana. No entanto, a forma de conservação dos ovos e a composição da dieta fornecida às aves influencia na qualidade interna e estabilidade lipídica da gema (DING et al., 2017), pois elevadas temperaturas provocam a oxidação da gema, visto que os ovos são armazenados sem refrigeração (ZHU et al., 2015).

Confira o conteúdo completo na edição 1297 de Avicultura Industrial.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade