Banner AI - Cobb
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Exportação

De acordo com dados de Secex, exportação de soja do Brasil atinge recorde de 17,38 mi t em abril

Em março, as exportações do maior produtor e exportador de soja do mundo tinham somado 13,5 milhões de toneladas, segundo dados da Secex

Redação com informações de Reuters e Secex
04-Mai-2021 08:41

O Brasil exportou um volume recorde de soja em abril de 17,38 milhões de toneladas, apagando a melhor marca da história para todos os meses registrada pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) em abril de 2020, segundo dados do governo divulgados nesta segunda-feira.

A exportação recorde confirma indicações de dados parciais da Secex, que apontavam até a semana passada embarques de 14,6 milhões de toneladas de soja no acumulado do mês. Esse volume já estava próximo da marca histórica de 14,85 milhões de toneladas de abril de 2020.

Em março, as exportações do maior produtor e exportador de soja do mundo tinham somado 13,5 milhões de toneladas, segundo dados da Secex.

Os fortes embarques de março e abril ocorreram após um atraso da safra, que reduziu a exportação brasileira no início da temporada e preocupou o mercado global. Os grandes volumes também contam com uma safra recorde de soja no país.

Nesta segunda-feira a consultoria StoneX elevou a previsão de safra brasileira para 135,7 milhões de toneladas, revisando também as projeções de embarques do Brasil para o ano para 85 milhões de toneladas, frente ao número anterior de 82 milhões.

“As perspectivas são de uma demanda mundial muito favorável, destacando que a China continua importando muita soja. Ademais, mesmo com a queda recente do dólar, a oleaginosa brasileira se mantém competitiva”, disse a especialista de inteligência de mercado, Ana Luiza Lodi, em nota.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade