Banner AI - Cobb
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Saúde Animal

Doença de Newcastle se aproxima dos 100 anos como potencial risco para avicultura mundial

De acordo com o Mapa, o último registro de Newcastle no país ocorreu em 2006, em aves de subsistência, nos Estados do Amazonas, Mato Grosso e Rio Grande do Sul. Apesar de estar há 15 anos com a doença erradicada, a vigilância e os cuidados devem ser permanentes

Revista Avicultura Industrial
23-Set-2020 10:36 - Atualizado em 24/09/2020 08:15

,
a

Por Anderson Oliveira

 

O colorido do mapa da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) atesta que, passados quase 100 anos desde a descoberta da Doença de Newcastle, a avicultura ainda sofre ou teme a sua presença em todo o planeta. Aves migratórias são o principal risco para o desembarque do vírus em granjas de produção. Desse modo, as medidas de biosseguridade e a vacinação constituem a forma mais eficaz de prevenção. No Brasil, no entanto, a vacina só é obrigatória para os estabelecimentos avícolas de reprodução e de postura comercial, ou seja, naquelas categorias de aves que ficam alojadas por um maior período de tempo. O último registro de Doença de Newcastle no país ocorreu em 2006, e em aves de subsistência, nos Estados do Amazonas, Mato Grosso e Rio Grande do Sul. Apesar de estar há 15 anos com a doença erradicada, a vigilância e os cuidados devem ser permanentes.

Leia a matéria na íntegra clicando aqui.

,
a

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade