Guia Gessulli
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Economia

Dólar opera estável nesta sexta (11)

Redação com informações de G1
11-Jun-2021 09:07 - Atualizado em 11/06/2021 10:08

O dólar opera estável nesta sexta-feira (11), com investidores atentos às próximas reuniões de política monetária do Federal Reserve e do Banco Central do Brasil.

Às 9h02, a moeda norte-americana caía 0,06%, vendida a R$ 5,0629.

No dia anterior, a moeda norte-americana teve queda de 0,06%, cotada a R$ 5,0657. Com o resultado, acumula recuo de 3,04% no mês e de 2,34% no ano.

Cenário

O Comitê Federal de Mercado Aberto do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) anunciará sua decisão de política monetária na próximo dia 16, e os investidores devem ficar atentos ao posicionamento do banco central em relação à inflação e às discussões sobre uma possível retirada de parte de seu apoio à economia. O chair do Fed, Jerome Powell, tem afirmado repetidamente que uma inflação mais alta será transitória.

Por ora, a avaliação é de que aceleração da inflação não deve ter impacto imediato na taxa de juros dos EUA. "Avaliamos que o Fed continuará com a retórica de inflação transitória a espera de dados mais fortes e contínuos sobre inflação e mercado de trabalho", disse Felipe Sichel, estrategista-chefe do banco Modalmais.

A inflação é um tema que tende a continuar no radar dos operadores à medida que as principais economias se recuperam da crise gerada pela pandemia de Covid-19.

No cenário doméstico, os investidores aguardam a decisão de juros do Banco Central, cujo Comitê de Política Monetária (Copom) também encerra seu encontro de dois dias na quarta-feira da semana que vem.

Entre os fatores que têm ajudado a moeda brasileira nas últimas semanas, vários especialistas apontam para a expectativa de juros domésticos mais altos, que foi reforçada pelos sinais de aceleração da inflação, que atingiu 8,06% em 12 meses até maio.

Um cenário doméstico de juros mais altos tende a favorecer o real, segundo especialistas, uma vez que torna investimentos locais atrelados à Selic mais atraentes para o investidor estrangeiro. A taxa de juros esta atualmente em 3,5% ao ano e a expectativa do mercado é que ela chegue a 5,75% no fim de 2021.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade