Basf AI
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Economia

Egito é o grande destaque no comércio exterior do Brasil em julho

Exportações do Brasil para os países árabes somaram US$ 1,1 bilhão em julho, um aumento de 14,37% sobre o mesmo mês do ano passado

Comex do Brasil
23-Ago-2017 15:13 - Atualizado em 23/08/2017 16:49

As exportações do Brasil para os países árabes somaram US$ 1,1 bilhão em julho, um aumento de 14,37% sobre o mesmo mês do ano passado. De janeiro a julho, os embarques renderam US$ 7,16 bilhões, um crescimento de 15,35% em relação aos sete primeiros meses de 2017. Os dados são do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) compilados pela Câmara de Comércio Árabe Brasileira.

Em julho isoladamente o grande destaque foi o Egito, para onde as exportações chegaram a US$ 295 milhões, um acréscimo de 110% sobre o mesmo mês do ano passado. O país ficou na primeira colocação entre os mercados árabes, à frente da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos, que tradicionalmente figuram na primeira e na segunda posições, respectivamente.

O desempenho do país africano foi influenciado principalmente pelo avanço das vendas de açúcar, carne de frango e milho, e em menor parte pelo aumento dos embarques de carne bovina, minério de ferro, soja e feijão.

“O Egito vem mesmo num caminho de retomada das importações”, disse o presidente da Câmara Árabe, Rubens Hannun. O governo egípcio tem comprado alimentos do Brasil, especialmente carnes, por meio do Ministério da Defesa. Os produtos, no entanto, são vendidos para o consumidor final. “A tendência é que se mantenham estas exportações para o Ministério da Defesa”, comentou o diretor-geral da entidade, Michel Alaby.

Outros fatores explicam o crescimento das compras egípcias também. Até o final do ano passado, o país enfrentava uma forte escassez de divisas com a redução do fluxo de turistas estrangeiros, o fraco desempenho do comércio internacional com impacto nas receitas do Canal de Suez, baixo fluxo de investimentos estrangeiros diretos e uma taxa de câmbio controlada que mantinha a libra egípcia artificialmente valorizada frente ao dólar.

Após chegar a um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre um empréstimo de US$ 12 bilhões, em novembro de 2016 o Banco Central do Egito adotou um regime de câmbio flutuante, a libra desvalorizou e o país voltou a atrair recursos estrangeiros. No início deste mês, o banco anunciou que as reservas internacionais ultrapassaram US$ 36 bilhões, superando o patamar anterior à Primavera Árabe, em 2011, quando um levante popular pôs fim ao regime do então presidente Hosni Mubarak. Ou seja, aumentou a disponibilidade de moeda forte para bancar importações.

Alaby acrescentou que outra razão para o aumento das exportações, não só para o Egito, mas para os países árabes em geral, é a proximidade do Hajj e do Eid Al Adha, que este ano vão ocorrer entre o final de agosto e o começo de setembro. O Hajj é grande peregrinação anual dos muçulmanos a Meca, na Arábia Saudita, e o Eid Al Adha é a “Festa do Sacrifício”, feriado religioso em memória de Abraão, que ia sacrificar seu filho a Deus, mas provada a devoção do profeta, Deus providencia um cordeiro para ser sacrificado no lugar. As celebrações provocam aumento da demanda por alimentos.

Outros destaques de julho foram o aumento de 131,5% nas exportações para o Iraque, que chegaram a US$ 86,65 milhões; para Omã, que avançaram 35%, para US$ 47,51 milhões; e para a Tunísia, que cresceram 318%, para US$ 45 milhões.

Acumulado

No acumulado do ano, a Arábia Saudita figura como maior destino dos produtos brasileiros, com US$ 1,54 bilhões exportados, um acréscimo de 6,84% sobre os sete primeiros meses de 2016. Os Emirados estão em segundo lugar, com US$ 1,27 bilhão, um aumento de 15,6% na mesma comparação.

O Egito está na terceira posição, com importações de US$ 947,62 milhões, um recuo de 6,51% em relação ao período de janeiro a julho do ano passado. Ou seja, o forte desempenho de julho ainda não foi suficiente para reverter a queda registrada no primeiro semestre.

Em termos de crescimento das exportações, os principais destaques no acumulado de janeiro a julho foram o Djibuti, com avanço de 317,5%, em função principalmente das vendas de açúcar, niveladores de solo e frango; o Bahrein (81,8%), por causa de minério de ferro, produtos químicos inorgânicos e niveladores de solo; o Catar (70,6%), em função de veículos, produtos químicos inorgânicos e material de defesa; o Iraque (60%), em razão dos embarques de açúcar, carnes de frango e bovina, e gado vivo; e Omã (54,5%), com influência das vendas de minério de ferro, frango, sinalizadores e material de defesa.

O açúcar e as carnes bovina e de frango foram os principais itens exportados pelo Brasil ao mundo árabe de janeiro a julho, com minério de ferro na terceira colocação. O aumento das vendas de veículos é outro destaque deste ano.

Segundo análise do Departamento de Inteligência de Mercado da Câmara Árabe, os números mostram que o embargo imposto por outros países árabes ao Catar não tiveram impacto nos negócios do Brasil com aquele país, e que as exportações de carnes ao Oriente Médio e Norte da África voltaram a crescer, após alguma redução no primeiro semestre como reflexo da Operação Carne Fraca da Polícia Federal, que investigou suspeitas de irregularidades em frigoríficos e na atuação de fiscais do Ministério da Agricultura.

“O crescimento de 15% [nas exportações de janeiro a julho] está dentro do que previmos”, observou Rubens Hannun. “As previsões estão se mantendo”, acrescentou Alaby.

Importações

Na outra mão, o Brasil importou o equivalente a US$ 3,88 bilhões dos países árabes nos sete primeiros meses de 2017, um aumento de 19,2% sobre o mesmo período do ano passado. Destaque para o aumento das importações de produtos da Argélia, Arábia Saudita, Marrocos e Egito, entre os principais fornecedores.

No caso do Egito, o crescimento registrado foi de 200%, impulsionado por fertilizantes, combustíveis e azeitonas em conserva. “Importamos muito mais, do Egito principalmente, isso é ótimo, é a contrapartida [do aumento das exportações brasileiras]”, observou Hannun.

De forma geral, as importações de fertilizantes de países árabes aumentaram 52% de janeiro a julho deste ano em relação ao mesmo período de 2016. Esse foi o fator que mais influenciou o desempenho como um todo. Este grupo de produtos, mais petróleo, gás e derivados, respondem por 90% de tudo o que o Brasil compra da região.

Assuntos do Momento

Cuba investiu US$ 130 milhões na compra de frango dos EUA no primeiro semestre do ano
12 de Agosto de 2022
Mercado Externo

Cuba investiu US$ 130 milhões na compra de frango dos EUA no primeiro semestre do ano

Apesar da quantidade de frango comprada dos EUA, a população cubana não vê a diferença e continua sofrendo com a escassez de alimentos

Soja e milho recuam em Chicago por preocupações com demanda chinesa
16 de Agosto de 2022
Cotação

Soja e milho recuam em Chicago por preocupações com demanda chinesa

O contrato setembro fechou em queda de 41 centavos, a 14,94 dólares por bushel

Dados preliminares apontam que  foram abatidas 1,49 bilhão de cabeças de frango no segundo semestre
12 de Agosto de 2022
IBGE

Dados preliminares apontam que foram abatidas 1,49 bilhão de cabeças de frango no segundo semestre

Já a produção de ovos de galinha foi de 992,44 milhões de dúzias no 2º trimestre de 2022

 Genética avícola evoluiu, elevando patamares produtivos com agregação de novos ganhos de eficiência no campo
16 de Agosto de 2022
Genética

Genética avícola evoluiu, elevando patamares produtivos com agregação de novos ganhos de eficiência no campo

Os avanços científicos das últimas décadas aceleraram os processos de atualização genética dentro dos programas de melhoramento, estabelecendo novos padrões produtivos aos frangos de corte, o que deve se ampliar ainda mais em um futuro próximo

Como soluções nutricionais impactam a performance das aves | Henrique Braga - Nutron/Cargill
12 de Agosto de 2022
TV Gessulli

Como soluções nutricionais impactam a performance das aves | Henrique Braga - Nutron/Cargill

Henrique Braga é diretor de negócios - aves da Nutron Cargill

Gripe aviária altamente patogênica é confirmada em rebanho não comercial na Califórnia
12 de Agosto de 2022
Influenza Aviária

Gripe aviária altamente patogênica é confirmada em rebanho não comercial na Califórnia

As autoridades estaduais colocaram em quarentena as instalações afetadas e as aves restantes na propriedade foram despovoadas para evitar a propagação da doença

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade