Alltech AI
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Commodities

Em dia de ajustes técnicos, grãos recuam em Chicago

Milho, soja e trigo encerraram o pregão em queda

Redação com informações de Valor
31-Ago-2021 08:51

O dia foi de quedas generalizadas dos preços dos grãos negociados na bolsa de Chicago. Nesta segunda-feira, os operadores deixaram em segundo plano os fundamentos de oferta e demanda para fazerem trocas de posições e ajustes técnicos. O declínio mais acentuado foi o do milho: o contrato para dezembro, o mais líquido, que havia subido 3% na sexta-feira, hoje recuou 1,99% (11 centavos de dólar), a US$ 5,4275 o bushel.

João Pedro Lopes, analista da StoneX, afirma que as baixas no pregão ocorreram em função de uma troca de posições, uma vez que o contrato que atualmente ocupa a primeira posição de entrega, para setembro, está para vencer - e, nesse momento, muitos investidores especulativos costumam se desfazer do ativo para não efetuar a transação física do produto. Com esse movimento, esses investidores também viram espaço para uma realização de lucros no contrato mais negociado.

“Além disso, a semana começou com a perspectiva de boas chuvas nos EUA. Apesar de [a chuva] estar atrasada, ela traz um pouco de alívio para a situação das lavouras”, disse ele.

No Brasil, o milho de verão foi semeado em 5,3% da área estimada para a safra 2021/22 até o último dia 26, segundo levantamento da consultoria AgRural. Os trabalhos estão atrasados em relação ao ano passado, quando 8% da área estava semeada.

Já a colheita da safrinha de milho 2021 chegou na quinta-feira a 89% da área cultivada no Centro-Sul do Brasil, de acordo com a AgRural. O número representa avanço de 10 pontos percentuais em uma semana e está à frente, pela primeira vez nesta temporada, do percentual colhido no mesmo período do ano passado, que era de 87%.

A soja recuou pelo terceiro pregão seguido em Chicago. Os lotes para novembro, os mais negociados, cederam 1,51% (20 centavos de dólar), para US$ 13,0325 o bushel.

Além do movimento técnico de troca de posições, também a apreensão com os danos que o furacão Ida poderá causar às lavouras dos EUA e ao escoamento de grãos no país dominou os negócios. "O medo de que a infraestrutura de carregamento [de Nova Orleans] seja danificada pelos ventos fortes do Ida gerou vendas de milho e soja”,disse a AgResource à Dow Jones Newswires.

As principais empresas de grãos e fertilizantes da América do Norte paralisaram suas operações em Nova Orleans com a chegada do furacão Ida à Louisiana, deixando muitos sem energia. As tradings de grãos ADM e Bunge e a fornecedora de fertilizantes Nutrien fecharam as operações no fim de semana em fábricas na região, e o porto de Nova Orleans suspendeu algumas operações hoje. Nem mesmo a notícia de que exportadores americanos reportaram ao Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) a negociação de 256 mil toneladas de soja com a China foi suficiente para limitar as perdas na sessão.

Os preços do trigo acompanharam os de milho e soja na sessão. O vencimento do cereal para dezembro, o de maior negociação, caiu 1,23% (9 centavos de dólar), a US$ 7,2350 o bushel.

O cereal perdeu força no pregão após o USDA reportar um índice baixo de embarques na última semana. Segundo o USDA, os embarques somaram 316,8 mil toneladas na semana até o dia 26 de agosto. Nos sete dias anteriores, o volume embarcado foi de 729,3 mil toneladas, o que representou uma baixa de 56,5%. No ano-safra, foram entregues 6 milhões de toneladas, 10,6% menos do que em igual período da temporada anterior (6,8 milhões de toneladas).

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade