Guia Gessulli
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Sustentabilidade

Empresa indiana desenvolve tecnologia que calcula sequestro de carbono no campo

Em piloto nos EUA, ferramenta reduziu em até 80% o custo de certificação de créditos de retenção de CO2 na agropecuária

Redação com informações de Valor Econômico
24-Nov-2021 08:34

A multinacional indiana Tata Consultancy Services (TCS), de serviços de TI, desenvolveu uma solução que combina sensoriamento remoto e Internet das Coisas (IoT) para quantificar o sequestro de carbono na atividade agropecuária. Em projeto-piloto nos Estados Unidos, a tecnologia reduziu o custo de certificação desses créditos em até 80%.

O mercado de carbono está dando seus primeiros passos no Brasil. A empresa calcula que o país poderá gerar quase US$ 9 bilhões em créditos quando o mercado de carbono for regulamentado. Após a definição dos protocolos (as fórmulas para cálculo de sequestro de CO2 equivalente), a tecnologia da TCS servirá para medir os volumes de carbono que o solo e a biomassa das plantas retêm e também para verificar se as fazendas estão adotando boas práticas de manejo.

O diretor de tecnologia da TCS, Keiichi Harasaki, afirma que não existirá um protocolo único para calcular o sequestro de CO2 equivalente, mas vários, personalizados a cada cultura e região. No entanto, a recomendação de técnicas de manejo que ajudam a fixar o carbono no solo e na biomassa das plantas tende a ser unânime. Entre elas, destacam-se o plantio direto, a rotação de culturas e o uso de plantas de cobertura.

“Se o produtor diz que não consegue fazer plantio direto, basta começar praticando a rotação de culturas. O solo vai, naturalmente, ficar menos ressecado e apto ao plantio direto. É um processo gradual ao qual ele precisa aderir”, afirma o executivo.

As áreas cultivadas com soja e milho - que, nos cálculos da TCS, chegarão a 58 milhões de hectares -, têm grande potencial de gerar receita ao Brasil: somadas, elas podem render US$ 1,76 bilhão por ano ao país. Ao todo, caso os produtores convertam 474 milhões de hectares em sistemas de integração lavoura-pecuária-floresta (ILPF), os ganhos anuais podem chegar a US$ 8,78 bilhões.

Popularização

De acordo com Harasaki, para popularizar a plataforma entre pequenos produtores, a aposta da múlti são as cooperativas e entidades de classe que reúnem grandes áreas. A adesão dessas organizações ajudaria a reduzir ao máximo o custo por hectare.

“O mercado não se popularizou antes porque o custo para fazer a certificação é muito alto, cerca de US$ 10 por hectare. Nós conseguimos baixar para até US$ 2 dólares por hectare”, diz. “Tem também uma questão de facilidade para divulgar. Precisamos de uma mudança cultural para o produtor aderir ao protocolo”.

A DFI conta com informações coletadas em campo, mas a maior parte do trabalho é feito via satélite. Por meio de imagens multiespectrais, a tecnologia registra o vigor vegetativo e calcula a capacidade de sequestro de carbono biomassa, além de identificar os nutrientes e a umidade no solo.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade