Basf AI
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Carbono Neutro

Energias renováveis batem recorde mundial, mas ainda não são suficientes

Um estudo divulgado pela Agência Internacional de Energia indica que, apesar do recorde batido, o ritmo ainda é insuficiente para colocar o planeta no caminho da neutralidade de carbono

Redação com informações de Jornal de Negócios
01-Dez-2021 15:10 - Atualizado em 03/12/2021 10:28

O ano 2021 assistiu a uma implantação sem precedentes de capacidade de eletricidade renovável no mundo, um ritmo muito insuficiente para colocar o planeta no caminho da neutralidade de carbono, segundo o relatório anual da Agência Internacional de Energia (AIE).

Este ano deverá bater o recorde do ano passado de 290 gigawatts (GW) de nova capacidade instalada, apesar do aumento do custo de alguns componentes e transporte, lê-se no relatório divulgado esta quarta-feira.

A AIE reviu as suas projeções para cima e espera qye 4.800 GW de instalações deverão estar disponíveis até 2026, mais 60% em relação a 2020 e equivalente à atual capacidade de eletricidade dos combustíveis nucleares e fósseis combinados.

A energia fotovoltaica deve ser responsável por mais de 50% deste crescimento, e a energia eólica offshore deve ver a sua capacidade triplicar.

No entanto, se os preços dos componentes e materiais se mantiverem tão elevados como estão até ao final de 2022, o custo do investimento em energia eólica poderá voltar aos níveis anteriores a 2015, e no solar, três anos de queda dos preços seriam eliminados, adverte o organismo.

"Os atuais preços elevados dos materiais representam novos desafios para o setor das renováveis, mas os preços elevados dos combustíveis fósseis também tornam as energias renováveis ainda mais competitivas", disse o diretor da agência, Fatih Birol.

O ano 2021 assistiu a uma implantação sem precedentes de capacidade de eletricidade renovável no mundo, um ritmo muito insuficiente para colocar o planeta no caminho da neutralidade de carbono, segundo o relatório anual da Agência Internacional de Energia (AIE).

Este ano deverá bater o recorde do ano passado de 290 gigawatts (GW) de nova capacidade instalada, apesar do aumento do custo de alguns componentes e transporte, lê-se no relatório divulgado esta quarta-feira.

A AIE reviu as suas projeções para cima e espera qye 4.800 GW de instalações deverão estar disponíveis até 2026, mais 60% em relação a 2020 e equivalente à atual capacidade de eletricidade dos combustíveis nucleares e fósseis combinados

Capacidade instalada de energias renováveis cresce 5,2% em 2021
A energia fotovoltaica deve ser responsável por mais de 50% deste crescimento, e a energia eólica offshore deve ver a sua capacidade triplicar.

No entanto, se os preços dos componentes e materiais se mantiverem tão elevados como estão até ao final de 2022, o custo do investimento em energia eólica poderá voltar aos níveis anteriores a 2015, e no solar, três anos de queda dos preços seriam eliminados, adverte o organismo.

"Os atuais preços elevados dos materiais representam novos desafios para o setor das renováveis, mas os preços elevados dos combustíveis fósseis também tornam as energias renováveis ainda mais competitivas", disse o diretor da agência, Fatih Birol.

Para a AIE, os governos poderiam facilitar a sua implantação através de medidas coerentes e consistentes, iniciando a adaptação das redes elétricas, combatendo a falta de aceitação social.

"Temos também de enfrentar as dificuldades de investimento nos países em desenvolvimento" apela a Agência.

Quanto às barragens, bioenergia e energia geotérmica a sua expansão só representará 11% do crescimento das energias renováveis até 2026, principalmente devido à falta de apoio e remuneração.

Assim, no final, este crescimento esperado das energias renováveis não será suficiente para colocar o mundo no caminho da neutralidade de carbono em 2050, o que é necessário para manter o aquecimento global abaixo de 1,5°C em comparação com o período pré-industrial.

Para isso, a taxa de nova capacidade renovável instalada até 2026 teria de duplicar a previsão da AIE, e o crescimento da procura de biocombustíveis teria de ser quatro vezes superior.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade