Guia Gessulli
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Saúde Animal

Especialista da Boehringer Ingelheim Saúde Animal explica como prevenir a devastadora doença de Newcastle em aves

Por ser uma doença com alta taxa de transmissibilidade, produtores devem seguir o controle oficial estabelecido pelo MAPA. Vacinação é a medida mais eficaz para conter a doença e proteger a cadeia avícola de riscos sanitários e econômicos

Redação
12-Mai-2021 16:37 - Atualizado em 12/05/2021 16:54

A doença de Newcastle, uma das mais letais na avicultura devido à sua alta taxa de transmissibilidade, acarreta elevadas perdas econômicas à cadeia avícola e ao país atingido, caso o surto não seja controlado. O vírus da família Paramyxoviridae, causador da enfermidade, traz problemas respiratórios, nervosos e digestivos para as aves e pode ser transmitido pela respiração, fezes, ovos ou restos mortais do animal infectado. As aves infectadas apresentam espirros e respiração ofegante, falta de apetite, paralisia completa, diarreia aquosa, desorientação (andar em círculos e de costas), entre outros sintomas.

Apesar de ser livre da doença de Newcastle desde 2006, o Brasil detém um controle oficial estabelecido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) para estabelecimentos avícolas de reprodução e postura comercial e, caso algum surto ocorra, a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) deve ser notificada. De acordo com o gerente técnico de Avicultura da Boehringer Ingelheim, Tobias Filho, para evitar que ocorram surtos da doença nas granjas, o produtor deve seguir os protocolos de biosseguridade adequados e realizar a prevenção da doença por meio de vacinação: “Para garantir a segurança e evitar quaisquer tipos de surtos na propriedade, o produtor deve seguir os protocolos estabelecidos pelas autoridades locais e, no caso de exportação, os protocolos sanitários que regem os acordos comerciais. Qualquer tipo de negligência neste sentido pode acarretar perdas econômicas imensuráveis ao produtor e ao comércio do país”, explica. “Em caso de surto em uma propriedade com animais suscetíveis à doença, a incidência de mortes pode chegar a 100% das aves infectadas antes mesmo de apresentarem sinais clínicos evidentes, acarretando perda total de plantel do produtor”, conclui.

A vacinação, portanto, é fundamental para garantir o bem-estar dos animais, sustentar a produção e proteger a propriedade de perdas financeiras. Além disso, ela garante que a carne de frango e os ovos comercializados estejam dentro dos padrões estabelecidos pelas instituições competentes, chegando à mesa dos consumidores de forma segura e saudável, de acordo com os preceitos de “saúde única”, que corresponde os animais e humanos.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade