Yamasa
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie

"Excesso de euforia atrapalha mercado"

Gazeta Mercantil
27-Set-2002 10:54 - Atualizado em 20/04/2016 14:35

Redação AI 27/09/2002 - Charles Doux, presidente da francesa Doux, diz que maior oferta de aves do Brasil prejudica negócios. O presidente do grupo francês Doux, Charles Doux, fez um alerta a autoridades e lideranças brasileiras do setor de carnes que propalam as vantagens competitivas do País na hora de competir no mercado externo. A Doux, que comanda o conglomerado líder em exportações de carne de aves na Europa e um dos três maiores do mundo, não contesta os trunfos do Brasil, mas entende que o excesso de euforia, quando manifestado, atrapalha.

Em passagem pelo Rio Grande do Sul, onde o grupo controla a Doux Frangosul, o francês vê duas conseqüências negativas nesta atitude. "Os produtores dos países importadores começam a ficar preocupados e os governos tomam medidas protecionistas. Os brasileiros, entusiasmados, aumentam a produção", diz Doux. O resultado é uma maior oferta não assimilada pelas exportações, derrubando os preços da carne.

No entanto, a companhia francesa Doux é umas das líderes protecionistas na União Européia.

Protecionismo

Um dos exemplos citados pelo empresário foi um decreto editado no final de julho pelo governo da Arábia Saudita que proibia a importação de carne de aves provenientes da Europa. Em seguida, apareceram declarações de lideranças do setor entendendo que o Brasil poderia abocanhar maior fatia de mercado. Como o problema sanitário que originou a proibição sequer tinha conexão com carne de aves, a questão foi resolvida sem maiores dificuldades e as vendas da Europa, especialmente da França para Arábia Saudita, foram retomadas semana passada. As marcas Doux e Frangosul são líderes no país, com 40% do mercado local. Os sauditas são hoje um dos três principais importadores do Brasil, atrás da Rússia e do Japão.

O presidente da Doux Frangosul, José Augusto Lima de Sá, entende que algo semelhante ocorreu este ano em Santa Catarina, prejudicando a cadeia produtiva da suinocultura. Como se esperava uma abertura da carne suína catarinense para a UE, a produção de animais cresceu. Os frigoríficos, entretanto, não foram aprovados na vistoria, o que gerou uma superoferta e queda dos preços.

No ano passado, o Brasil produziu 6,5 milhões de toneladas de carne e exportou 1,25 milhão de toneladas. Em 2002, a produção deve crescer 10%, passando para 7,1 milhões de toneladas. As exportações, entretanto, devem subir apenas 4%, para 1,3 milhão de toneladas. "Entre abril e maio deste ano, vendemos (no mercado interno) carne de frango a 80% do custo. Fruto da superoferta, de leituras errôneas e entusiasmadas", diz Lima de Sá.

"O Brasil tende a ser ufanista demais. Num plano isento, isso não se constituiria em uma ameaça. Mas não existe um clima isento, e sim tendencioso. Isso provoca reações protecionistas. Qualquer estudo técnico vai mostrar que realmente somos competitivos. Mas o melhor é ser bom, quieto", diz Lima de Sá.

Em virtude desta onda protecionista, muitas vezes disfarçada de exigência sanitária, Doux ainda alerta "para que o Brasil não seja pego de surpresa". O francês reconhece a qualidade do serviço sanitário brasileiro, mas pede responsabilidade a todas as empresas exportadoras nacionais, temendo que um fato isolado acabe prejudicando todo o produto com origem no País. Ao mesmo tempo, o setor também se deparou com o aumento dos custos de produção devido à alta da soja e milho, principais insumos do setor, crescimento que encontra dificuldades para ser repassado ao mercado interno em virtude de a renda do consumidor brasileiro não ter evoluído.

Abate

A Doux Frangosul abate hoje cerca de 1 milhão de frangos e três mil suínos por dia. Aproximadamente 60% da produção é voltada para a exportação. A subsidiária brasileira do grupo francês deve fechar o ano com um faturamento de R$ 1,1 bilhão, triplicando o resultado de quatro anos atrás (R$ 380 milhões), quando a Frangosul foi adquirida pela Doux.

 

Assuntos do Momento

Presidente da Aurora fala sobre expansão da produção avícola, exportações e perspectivas para 2021
23 de Fevereiro de 2021
Live

Presidente da Aurora fala sobre expansão da produção avícola, exportações e perspectivas para 2021

Neivor Canton irá explicar o projeto de crescimento da avicultura da cooperativa em 20%, destacando ainda a expectativa de ampliar os embarques de frango e carne suína para a China em live às 10 horas no canal TV Gessulli

Fornecimento de ovos diminui na Polônia com crise da influenza aviária na UE
24 de Fevereiro de 2021
Europa

Fornecimento de ovos diminui na Polônia com crise da influenza aviária na UE

Cerca de 5 milhões de aves já foram abatidas na Polônia, o maior produtor de aves da União Europeia, mostraram os dados da inspetoria veterinária local.

AveSui2021_dentro
VBP do agro atinge R$ 1 tri em 2021; avicultura crescerá 22,5%
24 de Fevereiro de 2021
Crescimento

VBP do agro atinge R$ 1 tri em 2021; avicultura crescerá 22,5%

A estimativa do Ministério da Agricultura indica que o Valor Bruto da Produção na pecuária crescerá 5,1% neste ano, puxado por setores como frango, carne bovina e leite

Produtora de carne de frango São Salvador Alimentos protocola pedido de IPO
25 de Fevereiro de 2021
Mercado

Produtora de carne de frango São Salvador Alimentos protocola pedido de IPO

Fundada há mais de quarenta anos, a empresa tem uma capacidade diária de abate de aproximadamente 520 mil aves e vende para mais de 23 mil clientes por mês no Brasil e em 38 países

 

Cobb destaca importância dos ângulos de viragem para melhor eclodibilidade e qualidade do pintinho
25 de Fevereiro de 2021
Dicas Técnicas

Cobb destaca importância dos ângulos de viragem para melhor eclodibilidade e qualidade do pintinho

Por Scott Jordan, especialista em Incubação e Serviços Técnicos da Cobb-Vantress

Copacol  atinge a marca de 2 bilhões de aves abatidas na Unidade Industrial de Cafelândia
25 de Fevereiro de 2021
Cooperativa

Copacol atinge a marca de 2 bilhões de aves abatidas na Unidade Industrial de Cafelândia

O volume acumulado em praticamente 39 anos do início das operações da estrutura industrial demonstra o crescimento contínuo da avicultura na Cooperativa

Mais assuntos do momento