AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Exportações

Exportações de frango do Brasil devem aumentar 9% em 2022, segundo adido do USDA

Segundo o adido, o surto de peste suína africana na China em 2018, surtos recentes de influenza aviária na Europa, Oriente Médio, África, Ásia e América do Norte e o conflito na Ucrânia resultaram em escassez de proteína animal em vários mercados.

Redação com informações de Broadcast Agro
12-Mai-2022 09:34

As exportações brasileiras de carne de frango devem somar 4,6 milhões de toneladas em 2022, um aumento de 9% ante a estimativa para 2021, de 4,225 milhões de toneladas, disse em relatório o adido do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) em Brasília.

Segundo o adido, o surto de peste suína africana na China em 2018, surtos recentes de influenza aviária na Europa, Oriente Médio, África, Ásia e América do Norte e o conflito na Ucrânia resultaram em escassez de proteína animal em vários mercados. Como o Brasil não foi diretamente afetado por essas crises, isso elevou a demanda e oportunidades para as carnes brasileiras, disse o adido, acrescentando que o câmbio favorável aumentou a vantagem do Brasil na exportação de commodities.

Quanto à produção, o USDA prevê aumento de 2% em 2022, para um recorde de 14,85 milhões de toneladas. A projeção, disse o adido, é baseada na forte demanda externa, apesar da expectativa de redução do consumo doméstico. "O mercado brasileiro acredita que em 2022 os produtores do País continuarão se beneficiando da demanda global robusta, que foi reforçada por uma diminuição da oferta global", afirmou o adido.

O USDA estima que o consumo doméstico vá diminuir levemente em 2022, para 10,255 milhões de toneladas. Segundo o adido, essa pequena redução deve refletir a menor oferta doméstica por causa do aumento das exportações. Além disso, os consumidores brasileiros reduziram suas compras por causa das condições econômicas desfavoráveis, disse o adido.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade