Agroceres Multimix
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comércio Internacional

Exportações do agronegócio gaúcho crescem 59,5% no terceiro trimestre de 2021

Valor comercializado foi o maior da série histórica iniciada em 1997; destaque para a soja

Redação AI/SI, com informações da SPGG
12-Nov-2021 09:01

As exportações do agronegócio do Rio Grande do Sul atingiram US$ 4,8 bilhões no terceiro trimestre de 2021, uma alta de 59,5% em valor em relação ao mesmo período do ano anterior. Em termos nominais, sem considerar a inflação, o valor exportado no período foi o maior de toda a série histórica, iniciada em 1997, superando a marca anterior, registrada no terceiro trimestre de 2013. Em termos absolutos, o incremento nas vendas de julho a setembro foi de US$ 1,8 bilhão.

Entre os setores mais representativos do agronegócio no Estado, o complexo soja registrou vendas de US$ 2,9 bilhões no período, 60% do total comercializado no segmento, uma alta de 105,1% na comparação com igual período de 2020.

As informações sobre as exportações no terceiro trimestre e o acumulado do ano fazem parte do boletim Indicadores do Agronegócio do RS, divulgado na manhã desta quarta-feira (10/11) pelo Departamento de Economia e Estatística (DEE), vinculado à Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão (SPGG), e elaborado pelos analistas Rodrigo Feix e Sérgio Leusin Júnior.

A produção recorde da oleaginosa em 2021, em contraste com a estiagem que prejudicou o cultivo no ano passado, é uma das explicações para o desempenho no período. "Uma parcela significativa do crescimento observado é explicada pelo retorno à média dos níveis de produtividade da safra de 2021, somada à variação nos preços médios do produto em dólar, fruto da dinâmica do mercado internacional", explica Leusin Júnior.

Setores e principais destinos
Além do complexo soja, os setores de carnes (US$ 645,4 milhões; +25,1%), produtos florestais (US$ 461,9 milhões; +101,1%), couros e peleteria (US$ 115,8 milhões; +52,3%) e máquinas agrícolas (US$ 106,7 milhões; +59,4%) apresentaram desempenho positivo no terceiro trimestre, enquanto fumo e seus produtos (US$ 249,4 milhões; -29,9%) e cereais, farinhas e preparações (US$ 112,9 milhões; -27,5%) registraram baixas nas vendas.

No complexo soja, a alta no trimestre é explicada pelas vendas do grão (mais US$ 1,3 bilhão; +112,1%), do farelo (mais US$ 98,4 milhões; +42,9%) e do óleo (mais US$ 85,5 milhões; +393,6%). No setor de carnes, as exportações de carne de frango (mais US$ 86,4 milhões; +38,7%) e carne suína (mais US$ 29,5 milhões; +17,7%) sustentaram o resultado. Nos produtos florestais, o desempenho da celulose (mais US$ 183,6 milhões; +125%) foi o principal responsável pelos números positivos.

Entre as baixas, o arroz puxou a queda nos números do setor de cereais, farinhas e preparações (menos US$ 54,7 milhões; -37,3%), e o fumo não manufaturado (menos US$ 86,8 milhões; -28,1%) foi o responsável pelo desempenho negativo da indústria fumageira.

Em relação aos principais destinos das exportações, a China segue na liderança, responsável por 56,7% de tudo que o agronegócio do Rio Grande do Sul vende para outros países. A nação asiática registrou um crescimento absoluto de US$ 1,3 bilhão (+93,5%). A sequência do ranking é composta pela União Europeia (10,2%), Estados Unidos (4,1%), Coreia do Sul (2,3%) e Emirados Árabes Unidos (1,7%). Esses cinco destinos são responsáveis por 75% do total das vendas.

Acumulado do ano
Entre janeiro e setembro de 2021, as exportações do agronegócio gaúcho somaram US$ 11,5 bilhões, o que correspondeu a 74,0% do total exportado pelo Rio Grande do Sul no período. Em relação aos nove primeiros meses do ano passado, a alta chegou a 42,7% em valor, o que representa um incremento de US$ 3,4 bilhões em termos absolutos.

Quanto aos setores do segmento, o complexo soja (US$ 6,1 bilhões), carnes (US$ 1,8 bilhão), produtos florestais (US$ 1,1 bilhão), fumo e seus produtos (US$ 849,7 milhões) e cereais, farinhas e preparações (US$ 458,6 milhões) foram os principais destaques.

O complexo soja novamente foi o responsável pelo maior crescimento (mais US$ 2,5 bilhões; +70,7%), seguido de produtos florestais (mais US$ 401,3 milhões; +60,1%) e carnes (mais US$ 310,4 milhões; +21,2%). Entre os produtos específicos de venda, a soja em grão (mais US$ 2,0 bilhões; +69,2%), farelo de soja (mais US$ 325,9 milhões; +58,4%) e celulose (mais US$ 277,7 milhões; +62,9%) avançaram em comercialização. Na contramão da tendência, o arroz (menos US$ 155,0 milhões; -40%) registrou a principal queda.

"Até setembro o Rio Grande do Sul exportou um volume equivalente a 60% da produção de soja colhida no território. Nos próximos meses, a comercialização irá concorrer em concorrência com a soja norte-americana, o que pode gerar pressões nos preços no mercado internacional", destaca Leusin.

Quanto ao destino das exportações do agronegócio nos nove primeiros meses do ano, a China permanece líder com alta de 64,8% nas compras gaúchas, o que representou 52,2% do total comercializado pelo Rio Grande do Sul. A lista segue com a União Europeia (11%), Estados Unidos (3,9%), Coreia do Sul (3,2%) e Arábia Saudita (1,9%). Os cinco destinos representam 72,2% do total.

Emprego formal
O Rio Grande do Sul registrou saldo negativo de 3.264 postos de trabalho com carteira assinada no agronegócio no terceiro trimestre de 2021. Como tradicionalmente ocorre, o resultado é reflexo da sazonalidade da produção agrícola gaúcha e das atividades da indústria ligada ao segmento. No mesmo período de 2020 a redução foi de 1.137 empregos.

"O segundo e o terceiro trimestres são marcados pela desmobilização parcial da mão de obra admitida por tempo determinado nos primeiros meses do ano para a safra de verão. Em 2021, refletindo a recuperação da produção agrícola, a contratação de trabalhadores temporários foi maior no primeiro trimestre e isso ajuda a explicar a maior perda de empregos nos últimos meses", analisa Feix.

Considerando os três segmentos que constituem o agronegócio, "antes", "dentro" e "depois" da porteira, a maior perda foi registrada no segmento "depois da porteira", composto por atividades agroindustriais. O resultado é explicado principalmente pela dinâmica da indústria do fumo que registrou saldo negativo de 8.306 postos de trabalho entre julho e setembro.

O segmento "antes da porteira", formado por atividades de fornecimento de insumos, máquinas e equipamentos, teve saldo positivo de 1.807 postos, e o "dentro da porteira", constituído pelas atividades agropecuárias, registrou criação de 702 empregos formais no período.

Ao final do terceiro trimestre de 2021, o agronegócio contava com 353.553 vínculos ativos de emprego com carteira assinada no Rio Grande do Sul. No acumulado do ano, entre janeiro e setembro, o setor registrou saldo positivo de 16.774 empregos, um aumento em relação ao mesmo intervalo de 2.020 (+7.760 postos). Considerando o conjunto da economia gaúcha (mais 132.646 postos), o agronegócio foi responsável por 13% do saldo de empregos formais criados entre janeiro e setembro.

Assuntos do Momento

Brasil deverá atingir recorde na produção de aves em 2021
29 de Novembro de 2021
Crescimento

Brasil deverá atingir recorde na produção de aves em 2021

Aumento, de 4,5%, tem relação direta com a queda do poder aquisitivo da população, que passou a procurar proteínas mais baratas

Cuidados essenciais no controle de temperatura dos aviários em dias de calor
01 de Dezembro de 2021
Conteúdo Técnico

Cuidados essenciais no controle de temperatura dos aviários em dias de calor

Oferecer um controle térmico adequado às aves em dias de calor é um dos grandes desafios dos produtores, que precisam observar o comportamento das aves e manter o equilíbrio da temperatura e umidade do ar.

Preços do frango e do boi sobem mais de 40% no ano até setembro
01 de Dezembro de 2021
Mercado Interno

Preços do frango e do boi sobem mais de 40% no ano até setembro

Já o valor pago ao produtor de carne suína avançou 19,7%, segundo o relatório Mercados e Preços Agropecuários

No Paraná, aviários são destruídos durante temporal em Ampére
29 de Novembro de 2021
Vendaval

No Paraná, aviários são destruídos durante temporal em Ampére

No município de Ampére, os estragosmais graves ocorreram na zona rural

Contrabandistas transportam milhões de dólares de carne não regulamentada para a China todos os anos e o governo parece não conseguir impedi-los
30 de Novembro de 2021
Ilegal

Contrabandistas transportam milhões de dólares de carne não regulamentada para a China todos os anos e o governo parece não conseguir impedi-los

Milhares de quilos de carne são contrabandeados por meio de barcos de alta velocidade

Aurora Alimentos é eleita a campeã do prêmio "Melhores do Agronegócio"
01 de Dezembro de 2021
Reconhecimento

Aurora Alimentos é eleita a campeã do prêmio "Melhores do Agronegócio"

Avaliados pela Serasa Experian, resultados que levaram à escolha da cooperativa catarinense levaram em conta dados financeiros e ações de responsabilidade socioambiental

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade