Guia Gessulli
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Crise hídrica

Faesp aponta os riscos da crise hídrica para os produtores rurais

Falta de chuvas acarretará consequências negativas para a economia e alimentação. Situação precisa ser analisada sob a ótica da segurança hídrica, energética e alimenta

Redação
08-Jul-2021 08:24 - Atualizado em 08/07/2021 08:46

A crise hídrica, que se agrava em todo o País, é motivo de grande preocupação para os produtores rurais paulistas. A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp) avalia que, caso medidas não sejam tomadas, haverá impactos negativos na economia e no segmento rural, com a possibilidade de quebra de safras e alta no preço de alimentos.

"O avanço da crise hídrica e o aumento na conta de energia acenderam novo alerta para os agricultores paulistas", destaca Fábio de Salles Meirelles, presidente da Faesp. "É preciso que as autoridades municipais, estaduais e federal atuem no sentido de fazer frente a esses fenômenos climáticos", completa.

O agronegócio oferece relevante sustentação ao PIB e à balança comercial e garante o abastecimento da população sem interrupções, mesmo com tantos desafios, como a não regularidade das chuvas, a reposição dos vários corpos d’água e o aumento do custo da energia. "Em 2020, fomos responsáveis por um volume bruto de produção de R$ 1,98 trilhão", revela Meirelles.

Na parte elétrica, o recente reajuste nos valores das bandeiras tarifárias vai provocar o encarecimento da energia elétrica. Nesse sentido, o reajuste para a bandeira vermelha - patamar 2 passou de R$ 6,24 para R$ 9,49 a cada 100 kWh consumidos, um aumento de 52%. "Os reajustes batem na cadeia produtiva e se estendem ao consumidor, que é quem compra carne no açougue e o arroz e feijão no mercado, e fica com a conta final. A crise hídrica deve ser observada com atenção pelas autoridades e medidas deverão ser tomadas, como a revisão das altas taxas de energia, por exemplo, para não causar o encarecimento dos alimentos", explica Meirelles. "Também não desejamos que se imponham medidas restritivas à irrigação, pois isso traria grande impacto na produção de hortaliças".

Além dos aumentos nas contas de luz, a crise hídrica faz redobrar a atenção com o uso múltiplo da água, principalmente nos reservatórios das Usinas Hidrelétricas (UHE), cuja a queda do seu volume útil pode provocar falta de abastecimento de água para a população; paralização na produção da aquicultura; interrupção ou diminuição nos volumes outorgados para a irrigação; restrições na navegação fluvial; e queda nas atividades ligadas ao lazer e turismo nos municípios onde se situam essas UHE.

Inteligência no campo

Na contracorrente da pandemia, o campo mantém o ritmo de modernização e busca superar os obstáculos do novo normal. "A inclusão digital é muito importante para o agricultor durante a pandemia", diz o presidente da Faesp. "Por isso, estamos nos modernizando, discutindo métodos de irrigação e ampliando a utilização de energia fotovoltaica. Defendemos o uso consciente e responsável da água e da energia, a fim de otimizar as operações agrícolas e melhor aproveitar cada cultura", comenta.

A Faesp promove as boas práticas do uso da água e vem realizando esforços para tornar a tecnologia mais acessível aos produtores paulistas. Nesse sentido, desenvolve comunicação assertiva com os sindicatos rurais, de modo a aperfeiçoar as atividades de irrigação, além de outras práticas, visando garantir maior produtividade agropecuarista.

Segundo a Faesp, com a irrigação inteligente com tubulações subterrâneas é possível aplicar água e nutrientes diretamente à raiz da planta, oferecendo maiores benefícios para o seu cultivo e acelerando o ciclo produtivo em até 40% em relação ao sequeiro, conforme estudos e experimentos no campo. Hoje com os recursos da informática, os processos podem ser automatizados e fornecem a possiblidade do gerenciamento de todos os detalhes da irrigação e da nutrirrigação de maneira prática, moderna e eficaz. Isto contribui para melhor aproveitamento dos recursos hídricos e fertilizantes, evitando desperdícios.

A tecnologia está aí para contribuir para uma agricultura mais eficiente e com custos menores, inclusive com fontes alternativas de geração de energia, como o uso da biomassa, eólicas e solar ou fotovoltaica, que passam a ser uma alternativa a mais para o produtor rural, com a vantagem de ser renovável e sustentável. Segundo dados de 2020 da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), o setor rural responde por 13,2% da potência instalada no Brasil e os investimentos nas propriedades passam de R$ 1,7 bilhão.

De acordo com a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), em 2020 a capacidade instalada de geração de energia elétrica foi de 174,7 GW, sendo que a Solar, Biomassa e a Usinas Eólicas, representaram 21% desse total.

Assuntos do Momento

20 de Setembro de 2021
Análise de Mercado

Preço do quilo frango vivo tem cenários diferentes nas principais praças

Segunda quinzena de setembro fechou sua primeira semana com contrastes no preço do frango vivo; em Santa Catarina ocorreu uma forte queda; já no Paraná, ligeira alta e nas demais praças houve estabilidade.

14 municípios do PR superam R$ 1 bilhão em Valor Bruto da Produção Agropecuária
23 de Setembro de 2021
Produção

14 municípios do PR superam R$ 1 bilhão em Valor Bruto da Produção Agropecuária

Produção no campo paranaense foi de R$ 128,273 bilhões, estabelecendo mais um recorde, com crescimento real de 21% em relação a 2019

Custos de produção de frangos de corte e de suínos ficam mais caros em agosto
21 de Setembro de 2021
Embrapa

Custos de produção de frangos de corte e de suínos ficam mais caros em agosto

Tanto o ICPFrango quanto o ICPSuíno voltaram a ficar acima da barreira dos 400 pontos, chegando aos 407,53 e 407,15 pontos, respectivamente

Preços do milho seguem tendências distintas entre regiões, mas recuos prevalecem
20 de Setembro de 2021
Insumos

Preços do milho seguem tendências distintas entre regiões, mas recuos prevalecem

De acordo com colaboradores do Cepea, a liquidez segue baixa, com muitos compradores ausentes do mercado – esses agentes sinalizam ter estoques, pelo menos para curto prazo, e estão à espera de novas desvalorizações

Suspensão PIS e COFINS para Importação de Milho
23 de Setembro de 2021
Posicionamento

Suspensão PIS e COFINS para Importação de Milho

A operação beneficia a toda a cadeia produtiva da avicultura e da suinocultura

Isolamento de Salmonella spp. de origem avícola
22 de Setembro de 2021
Análise Laboratoriais

Isolamento de Salmonella spp. de origem avícola

Galinhas infectadas com muitos dos sorovares de Salmonella podem albergar o agente sem apresentarem sinais clínicos, o que torna o isolamento desta bactéria um fundamento básico na prevenção da enfermidade, principalmente em seres humanos

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade