Alltech
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Economia

FAPESP e Braskem vão apoiar centro de pesquisa em plasticultura para o agronegócio

O objetivo do novo Centro será desenvolver projetos de pesquisa que envolvam soluções plásticas em polietileno, polipropileno e PVC na produção rural

Redação com informações de Fapesp
04-Mai-2021 08:21

A FAPESP e a Braskem lançaram chamada de propostas voltada à seleção de parceiros para a constituição do Centro de Pesquisa em Plasticultura. O objetivo do novo Centro será desenvolver projetos de pesquisa que envolvam soluções plásticas em polietileno, polipropileno e PVC na produção rural.

A proposta selecionada receberá, por um período de dez anos, recursos de até R$ 1,6 milhão anuais, divididos entre a FAPESP e a Braskem, para desenvolver um centro de pesquisas sobre cultivo agrícola auxiliado por plásticos – denominado plasticultura –, voltado para soluções disruptivas em segurança alimentar e superação de barreiras ligadas às mudanças climáticas. Pesquisadores vinculados a universidades e instituições de pesquisa do Estado de São Paulo podem enviar propostas até o dia 24 de maio de 2021.

“Esperamos receber boas propostas. Será o 14º Centro de Pesquisa em Engenharia que a FAPESP cofinancia com empresas, o que mostra que o sistema paulista de inovação conta com a parceria entre universidades e empresas”, disse Roberto Marcondes Cesar Junior, membro da coordenação do programa Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPIDs), da FAPESP, durante o webinário de lançamento da chamada de propostas para construção do novo Centro, que ocorreu no dia 14 de abril.

As soluções plásticas têm impacto importante no agronegócio. São utilizadas desde o armazenamento de sementes em silos plásticos, passando pela cobertura de lavouras até nas embalagens que protegem os alimentos no transporte para a cidade.

“Buscamos e queremos estimular pesquisas que tenham como objetivo o aumento da produtividade, a redução de desperdício e o aumento da oferta de alimentos a partir da inovação em soluções plásticas. O nosso foco é o campo, o produtor rural, não o varejo ou a casa do consumidor”, afirmou Ana Paiva, responsável para desenvolvimento de mercado para o agronegócio da Braskem.

A executiva ressaltou que o novo Centro busca uma combinação de três tipos de pesquisa: disruptivas e com o desenvolvimento de soluções que disponibilizem um salto produtivo no agronegócio; modificações de uma solução plástica já existente; e a validação de soluções já existentes em uma determinada cultura agrícola e que possam ser exploradas em outros cultivos também.

“Nosso interesse é que as propostas tenham 40% das pesquisas dos tipos disruptivas ou de modificações e 60% dedicadas à validação de soluções para um número diferente de culturas agrícolas. Sabemos que pesquisas disruptivas são mais complexas e demandam mais tempo, mas temos também interesse em pesquisas que tenham resultados mais rápidos. Por isso é importante fazer uma combinação de pesquisas que possibilitem a geração de resultados no curto, médio e longo prazo”, argumentou Paiva.

Há também o interesse de que as soluções tenham como base o cenário agrícola brasileiro. As soluções desenvolvidas devem ter aplicação em uma ou mais das seguintes atividades agrícolas: silvicultura (eucalipto e pinus, produção de orgânicos em larga escala, cultivo protegido), aquicultura (peixes e camarão), redução de perdas de alimento durante o cultivo e promoção da produtividade de produtos agrícolas.

Tendências do agronegócio brasileiro

Com base em megatendências apontadas para o agronegócio para o ano de 2030, a Braskem elencou ainda diretrizes que serão usadas como direcionadoras do novo centro de pesquisa.

De acordo com Paiva, a avaliação dessas megatendências deixa claro o potencial aumento da população e também mudanças em sua estrutura. “É esperado o envelhecimento populacional nos próximos anos e a expectativa de aumento de migração do campo para as cidades, ocasionando redução da mão de obra nas lavouras. Além disso, um dos maiores problemas globais continua sendo as mudanças climáticas, que têm um impacto muito forte no agronegócio”, disse.

“Por isso buscamos e queremos estimular pesquisas que tenham como objetivo a maior oferta de alimentos, facilitando o acesso das pessoas a eles e visando não só o aumento da produção, mas também a redução do custo pela diminuição de perdas ou desperdícios. Buscamos ainda soluções que possam barrar os impactos das mudanças climáticas, a redução do uso de água e energia e a busca por alimentos mais saudáveis, com diminuição e uso de agroquímicos e fertilizantes”, sublinhou.

O Centro de Pesquisa em Plasticultura deverá ser abrigado em uma universidade ou instituição de pesquisa no Estado de São Paulo, que apoiará e designará o pesquisador responsável pela iniciativa e será responsável pela coordenação científica e administrativa do projeto.

“A FAPESP se beneficia com essa parceria porque consegue alavancar em quatro vezes o volume de recursos para essa finalidade. A universidade ganha em termos de equipamentos, material de consumo, bolsas e reserva técnica institucional, sem colocar dinheiro a mais do que tem que pagar com salários e custos administrativos. E a empresa ganha também, já que é uma pesquisa de risco. Nesse sentido, todos saem ganhando”, avaliou Marcondes Cesar.

O pesquisador ressalta que as propostas precisam definir um foco científico e tecnológico comum para o Centro, articulando todas as atividades de pesquisa a serem desenvolvidas.

“Um Centro não é a coleção de bons pesquisadores interessados cada um em fazer a pesquisa que está a fim. As pessoas têm a liberdade de fazer suas pesquisas, mas elas precisam ser orientadas para uma finalidade comum e relacionada ao objetivo do Centro. Por isso é muito importante que ao construir a proposta seja demonstrada a existência de um trabalho coordenado”, indicou Marcondes Cesar.

Conselho consultivo internacional

Um item novo em relação aos outros Centros de Pesquisa em Engenharia (CPEs)já existentes é a exigência de um conselho consultivo internacional que terá a finalidade de instruir a equipe quanto a novas oportunidades de pesquisa e novas direções visando o aumento da competitividade internacional. As propostas enviadas deverão prever seu estabelecimento, incluindo, ao menos, dois cientistas estrangeiros de destaque em suas áreas.

A chamada prevê também que a Braskem selecione o vice-diretor do novo CPE, que estará presente no Centro para assegurar sua contribuição científica e operacional. Cientistas e engenheiros da Braskem também podem fazer parte do Centro para apoiarem projetos específicos.

Assuntos do Momento

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade