Eurotec
24-Out-2019 10:36
Pesquisa

Fapesp e MCTIC articulam criação de centros de pesquisa em IA

Ministro qualificou possibilidade de parceria para desenvolvimento de pesquisas em Inteligência Artificial como “golaço para o país”

A Fapesp e o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) articulam a criação de Centros de Pesquisa em Engenharia em Inteligência Artificial para o desenvolvimento de aplicações nas áreas de saúde, agricultura, segurança cibernética e recursos naturais, entre outras.

As linhas gerais da proposta, que está sendo avaliada pela equipe técnica do ministério, foram discutidas nesta quarta-feira (23) em um encontro que reuniu o ministro Marcos Pontes e o secretário executivo da pasta, Júlio Semeghini, com diretores da Fapesp. O ministro qualificou a possibilidade de parceria para o desenvolvimento de pesquisas na área de Inteligência Artificial como um “golaço para o país”. A Fapesp e o MCTIC mantêm convênio de cooperação científica e tecnológica desde 2013.

Participaram do encontro o diretor-presidente do Conselho Técnico-Administrativo da Fapesp, Carlos Américo Pacheco; o diretor científico da Fundação, Carlos Henrique de Brito Cruz, e o diretor administrativo, Fernando Menezes, além do chefe de gabinete da Presidência, José Roberto Drugowich, e o assessor Milton Flávio Lautenschlager.

Além da Fapesp e do MCTIC, os futuros centros seriam constituídos em parceria com empresas e instalados em universidades e institutos de pesquisas em São Paulo e em outros estados do país, selecionados por meio de chamadas de proposta.

Esse mesmo modelo de colaboração para pesquisa é usado nos 14 Centros de Pesquisa em Engenharia (CPEs) já constituídos pela Fapesp em parceria com empresas como, por exemplo, Shell, GSK, Embrapa e Natura. A Fapesp já anunciou, no início de outubro, um CPE em Inteligência Artificial com a IBM, que em breve será instalado na Universidade de São Paulo.

No encontro entre o ministro e a diretoria da Fapesp, também estiveram em pauta eventuais colaborações em áreas relacionadas à pesquisa em  mudanças climáticas, saúde pública e equipamentos multiusuários, entre outras.
 

Redação / Agência Fapesp
Deixe seu Recado