AveSui
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Crédito Rural

Fintech Gira, do Santander, amplia operações de crédito rural

Fintech pretende movimentar R$ 400 milhões na safra 2021/22, o dobro da temporada anterior

Redação com informações de Valor
18-Out-2021 09:09 - Atualizado em 18/10/2021 11:23

Especialista nas operações de barter - nas quais antecipa o dinheiro para financiar a compra de insumos agrícolas ao agricultor em troca da promessa futura de entrega da produção, formalizada por meio de uma Cédula de Produto Rural (CPR) física -, a fintech Gira pretende movimentar R$ 400 milhões na safra 2021/22, o dobro da temporada anterior. Para o ciclo seguinte, a meta é ultrapassar a marca de R$ 1 bilhão.

O Santander detém 80% da Gira, que, antes de passar ao controle do banco, concentrava suas operações na prestação de serviços aos produtores rurais A compra da participação recebeu aval do Banco Central em janeiro, a partir de quando o Santander passou a alimentar os financiamentos via startup, de olho em um público que não busca empréstimos no sistema bancário.

A subsidiária do Santander já abriu duas lojas físicas desde a decisão do BC e prevê inaugurar mais quatro até o fim do ano, em Tocantins, Goiás e Mato Grosso. A startup também atua por meio de 25 agentes comerciais na ponta e de parcerias em revendas e cooperativas, estratégia que aumenta sua capilaridade. No momento, como parte de sua expansão, a Gira está contratando 50 estagiários, agrônomos e especialistas em crédito.

“O agronegócio está explodindo nessas regiões”, afirma o diretor de Agronegócios do Santander, Carlos Aguiar Neto. “É nelas que o produtor está mais carente de financiamento, muitas vezes por não ter o título da terra e não conseguir dinheiro em banco”. Segundo ele, o potencial desse segmento do mercado de crédito é de cerca de R$ 200 bilhões, dimensão similar ao terreno hoje ocupado pelo sistema bancário.

“Cuidamos do financiamento, que é a nossa praia, e as indústrias e revendas, que hoje financiam com barter, cuidam do que são especialistas”. O banco também tem subsidiárias em outras áreas, como máquinas de cartão Getnet) e vale-refeição (Ben).

"Receita do bolo"

A operação do Gira tem outras diferenças em relação ao empréstimo bancário. A equipe da empresa mapeia toda a área do produtor e emite uma CPR com o valor total para custear a “receita de bolo”, com os volumes necessários para sementes, fertilizantes e defensivos, além de um extra para a mão de obra, diesel e o capital de giro. O recurso é empacotado em uma “wallet”, espécie de carteira digital em aplicativo. Quando o produtor faz o pedido de compra dos insumos, o dinheiro é repassado diretamente para a conta da revenda para pagamento à vista.

“No banco, o produtor entrega uma hipoteca e tem o crédito na conta para fazer o que quiser. Aqui, a gente dá o destino só para comprar o insumo, dá o poder para ele comprar à vista pelo melhor preço e saber de quem quer comprar”, definiu Aguiar Neto.

Na safra 2020/21, o Gira atendeu cerca de 200 produtores de São Paulo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Tocantins, Goiás e Pará, que produzem em áreas de 300 a 2 mil hectares. O financiamento gira em torno de R$ 4,5 mil por hectare. “Devemos fazer pelo menos 20 vezes o que o Gira costumava fazer antes”, indicou o diretor.

Mesmo com a entrada de novas instituições e empresas no mercado de crédito rural, Aguiar Neto não acredita em diminuição do espaço do sistema bancário no segmento. Em vez disso, o que deve ocorrer, afirma ele, é um direcionamento mais claro dos recursos oficiais para pequenos produtores, além de modernização e mais agilidade no acesso aos recursos. Ele também espera que o Plano Safra fique mais concentrado em investimentos. “O custeio dá para se financiar no sistema privado”, diz.

O Santander deve aumentar em até 30% as concessões de crédito rural nesta safra, ancorado na emissão de títulos como CPR, CRA e CDCA. A forte demanda dos produtores já consumiu todos os recursos obrigatórios, que também cresceram muito na pandemia, chegando a R$ 6 bilhões. O financiamento até junho de 2022 será feito com juros livres. “Não tenho um real de recurso obrigatório, já foi tudo. O recurso via BNDES também acabou muito rápido”.

Assuntos do Momento

Disponible en español Disponible en español
BRF e fundo soberano saudita investirão US$ 350 milhões na cadeia de produção de frangos da Arábia Saudita
14 de Janeiro de 2022
Investimentos

BRF e fundo soberano saudita investirão US$ 350 milhões na cadeia de produção de frangos da Arábia Saudita

Negócio atuará em toda a cadeia de produção de frangos na Arábia Saudita e promoverá venda de produtos

Menor demanda pressiona cotações da carne de frango
14 de Janeiro de 2022
Mercado interno

Menor demanda pressiona cotações da carne de frango

No front externo, a desvalorização do Real frente ao dólar e o forte incremento no volume exportado garantiram receita recorde com os embarques de carne de frango em dezembro. 

Com investimentos em alta no Oeste Paranaense, empresas expõem tecnologias em construção de galpões na AveSui
17 de Janeiro de 2022
AveSui América Latina

Com investimentos em alta no Oeste Paranaense, empresas expõem tecnologias em construção de galpões na AveSui

A região é considerada o maior agro cluster da América Latina e vem recebendo fortes investimentos de cooperativas, agroindústrias e empresas ligadas à cadeia produtiva de proteína animal

Disponible en español Disponible en español
Carne cultivada in vitro é servida em restaurante de Singapura
13 de Janeiro de 2022
Proteína cultivada

Carne cultivada in vitro é servida em restaurante de Singapura

A estimativa é que, em 2040, cerca de um terço da carne consumida no mundo seja produzida do cultivo celular

18 de Janeiro de 2022
Uruguai

Quase quinhentas mil aves foram mortas pelo calor no Uruguai

Onda de calor provocou mortandade em aviários com perdas que equivalem de 10% a 20% da produção nacional do Uruguai na avicultura

Preço dos ovos aumenta na segunda semana do mês
17 de Janeiro de 2022
Ovos

Preço dos ovos aumenta na segunda semana do mês

 Segundo pesquisadores do Cepea, a recente sustentação aos valores veio da oferta mais controlada, sobretudo de ovos maiores.

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade