Alltech AI
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
França

França proíbe importação de carne de animais criado com o uso de antibióticos como aditivos

Medida afeta principalmente o mercado de aves.

Redação com informações de Reuters
23-Fev-2022 09:15 - Atualizado em 23/02/2022 10:02

A França adotou um decreto na terça-feira que proíbe a importação de carne de animais criados com o uso de antibióticos como aditivos nas rações - uma prática proibida na agricultura na União Europeia desde 2006 - em uma medida que afetaria principalmente o mercado de aves.

A França está antecipando uma medida em toda a UE que deveria entrar em vigor no final do mês passado, mas foi adiada por falta de legislação sobre verificações sanitárias, disse o Ministério da Agricultura em comunicado.

A proibição francesa entrará em vigor em 22 de abril, dando aos profissionais dois meses para obter uma garantia de seus fornecedores de que a carne não vem de criação usando antibióticos de crescimento e modificar sua cadeia de suprimentos, se necessário.

Ao administrar antibióticos quando os animais não estão doentes, as bactérias se acostumam com o remédio e gradualmente desenvolvem resistência, tornando os antibióticos menos eficazes quando realmente necessários, disse o ministério.

Aves seria de longe o maior mercado afetado pela proibição, disse um funcionário do Ministério da Agricultura francês.

A França importou cerca de 45% do frango que consumiu no ano passado, incluindo origens da UE e de fora da UE, disse o grupo francês da indústria avícola Anvol nesta terça-feira.

A UE importa principalmente aves do Brasil, Tailândia e Ucrânia. Não ficou imediatamente claro quanto das importações poderia ser afetada pela proibição.

Anvol saudou a medida da França, mas disse que a proibição só será efetiva quando implementada em toda a UE, já que muitas importações transitam pelo porto de Roterdã.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade