Guia Gessulli
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Sanidade

Greve Nacional na Colômbia. 60 milhões de aves em risco de morrer nos próximos dias

A situação resultante de bloqueios e fechamentos será ainda mais complicada se os corredores das estradas não forem liberados. As empresas de frangos e ovos estão em alerta máximo

Redação com informações de Semana.com
06-Mai-2021 17:06

O presidente da Fenavi, Gonzalo Moreno Gómez, estava muito preocupado com a situação dos bloqueios e fechamentos de estradas que afetaram várias regiões do país , especialmente Valle del Cauca, Cundinamarca, Boyacá, Eje Cafetero e Santander.

Em diálogo com o DINHEIRO, o dirigente sindical garantiu que se esses bloqueios não forem resolvidos nas próximas horas, milhões de pássaros morrerão de fome, sem falar que milhares de trabalhadores do setor podem perder o emprego .

Com bloqueios e fechamentos, como está a situação da avicultura no país?
 
Diante dos bloqueios que estão ocorrendo no país, especialmente os críticos em Valle del Cauca, Cauca, Nariño, Santander, Eje Cafetero, Cundinamarca, Boyacá, Antioquia e Meta, a Federação Nacional dos Avicultores da Colômbia (Fenavi) pede que os manifestantes parem bloqueios de estradas e permitir a passagem do transporte de alimentos.

Caso contrário, o país começará a sofrer uma grave escassez de alimentos, onde quase 12 milhões de colombianos podem ter dificuldade para estocar frango e ovos, as duas proteínas mais facilmente acessíveis.

Que impacto isso pode ter nos preços e na sustentabilidade das empresas?

No Vale do Cauca temos 30 milhões de aves que correm o risco de morrer nas próximas 48 horas. Represamos 67 milhões de ovos e 8.000 toneladas de carne de frango. Não temos como colocar a comida, 400.000 pintos por dia já morreram .

Da mesma forma, já estão ocorrendo bloqueios em Santander, região onde vivem 40 milhões de aves, bem como na estrada Llano e na entrada de Bogotá. Precisamos da ajuda dos manifestantes para parar os bloqueios de estradas e alimentar os pássaros.

Já os preços do ovo e da galinha são regulados pelo mercado, uma questão de oferta e demanda. Nesse sentido, é evidente que o bloqueio das estradas impede que os alimentos cheguem às casas dos colombianos, de modo que os preços dos alimentos terão um impacto colateral para cima. Concluindo, é vital desbloquear os caminhos para evitar a escassez de alimentos ou comprar a preços altos os poucos que podem chegar aos pontos de venda.

Que saídas existem? Existe um pedido de ajuda financeira do Governo?

Construímos um grande país com todos os nossos pontos fortes e fracos. Por exemplo, mais de um milhão de pessoas vivem da avicultura nacional, que dia após dia se levantam com a firme intenção de oferecer frango e ovos aos colombianos, para continuar com o bloqueio de estradas. Muito possivelmente, essas pessoas aumentarão o número de desempregados.

Isso serve à Colômbia? O primeiro passo é desbloquear as avenidas, o segundo é dialogar; é a única ferramenta capaz de resolver as diferenças para construir novos cenários juntos. A violência só causa destruição. Desbloquear caminhos e promover o diálogo social.

Quantas galinhas e ovos estão em risco de morte ou ferimentos?

Neste momento, a situação avícola nacional é crítica: há mais de 60 milhões de aves em risco de morte por falta de alimento; 16 mil toneladas de frango e 120 milhões de ovos represados ??que não chegam aos pontos de distribuição.

Há 48.000 toneladas de ração para pássaros bloqueadas sem conseguir chegar às fazendas; milhares de bandejas e suprimentos para a indústria que não chega às fazendas e fábricas; 350.000 famílias que dependem da avicultura à deriva.

Se os fechamentos persistirem, por quanto tempo as empresas podem resistir?

É vital reiterar que todos os realmente afetados são colombianos. Se o bloqueio da estrada persistir, a escassez de alimentos será total.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade