Banner AI - Cobb
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Assine a Revista Revista Digital Anuncie
Saúde Animal

Gumboro: mesmo controlada, doença causou prejuízos no passado e requer atenção permanente

Enfermidade parecia estar sob controle quando, na segunda metade da década de 1990, uma nova cepa chegou ao País e trouxe prejuízos aos avicultores. É para evitar “surpresas” como essa que o setor precisa estar sempre atento.

Redação
30-Nov-2020 08:43 - Atualizado em 30/11/2020 09:35

sanidade, gumboro, saúde animal,
Gumboro

A avicultura brasileira sofria quatro décadas atrás para tentar controlar a Doença de Gumboro. Com recursos laboratoriais escassos, uma vacina era aplicada em matrizes de 40 semanas para induzir a imunidade nos pintainhos. A prática deixou de ser adotada com a evolução das vacinas, mas a entrada de um novo patógeno – o G11 – na segunda metade da década de 1990, levou novamente o setor a registrar prejuízos. O vírus atinge a Bolsa de Fabrícius, órgão linfoide primário, o que compromete a resposta imune das aves e causa imunossupressão. Atualmente, diversas vacinas protegem as aves contra as diferentes cepas da Gumboro. No entanto, o setor precisa estar sempre mobilizado para proteger os plantéis. “Gumboro há 40 anos era um problema. Naquela época, década de 1980, não tínhamos tantos recursos laboratoriais como temos hoje. Fazíamos o AGP [Agar Gel Precipitação] para saber se estava positivo ou negativo. Se o pintinho tivesse positivo, vacinava com 40 semanas. A imunidade é materna: se tem grande imunidade materna o pintinho tem resistência natural”, conta o médico veterinário Antonio Guilherme Machado de Castro, que foi diretor do Centro de Pesquisas Avícolas do Instituto Biológico de São Paulo.

AveSui2021_dentro

Continue lendo gratuitamente na revista digital...