AveSui2021
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie

Influenza Aviária: Um risco para a avicultura brasileira

por Ariel Antonio Mendes, vice-presidente Técnico-Científico da UBA
04-Out-2002 15:15 - Atualizado em 20/04/2016 14:35

Redação AI (Edição 1104/2002) - A Influenza Aviária (IA) é uma enfermidade viral que afeta as aves domésticas e silvestres. Pode ser de baixa ou alta patogenicidade, produzindo desde problemas respiratórios, digestivos e nervosos, até uma alta mortalidade com perdas econômicas elevadas.

É causada por vírus da família Ortomyxoviridae, existindo três tipos, A, B e C, sendo que os tipos B e C são encontrados apenas em humanos. São RNA virus de cadeia simples que têm envoltura de onde saem projeções glicoprotéicas, que são a hemaglutinina (HÁ) e neuraminidase (NA). Existem 15 diferentes proteínas HÁ e 9 diferentes proteínas NA.

Os surtos de Influenza de alta patogenicidade que causam doença clínica aguda em galinhas e perus são causados pelos subtipos H5 e H7. Diversos surtos de Influenza Aviária ocorreram em várias partes do mundo nos últimos anos (Tabela 1). Entretanto, os surtos ocorridos recentemente nos Estados Unidos e no Chile deixaram a avicultura brasileira extremamente preocupada, tendo em vista a relação estreita mantida com a avicultura americana e a proximidade geográfica do Brasil com o Chile.

Medidas de prevenção adotadas no Brasil

Desde o surgimento dos primeiros surtos de Influenza na Itália, Estados Unidos e América Central, e, mais recentemente no Chile, a União Brasileira de Avicultura (UBA) solicitou ao Ministério da Agricultura várias medidas para prevenir a entrada da doença em nosso país, com destaque para o seguinte:

- Proibição da importação de aves exóticas e ornamentais;

- Proibição da importação de avestruzes adultos;

- Permissão de importação de material genético dos Estados Unidos (bisavós e avós) somente quando acompanhada de atestado negativo para Influenza emitido pelo Departamento de Agricultura daquele país;

- Elaboração de um plano de emergência para prevenir a entrada da doença e definição de procedimentos de atuação na eventualidade da ocorrência de um foco no país;

- Criação de um Grupo de Emergência para avaliar a situação, bem como para propor e implementar medidas de prevenção.

Além disso, a UBA fez um alerta geral ao setor com diversas recomendações, sendo que as principais estavam relacionadas com a criação de Comitês específicos dentro das empresas a fim de implantar medidas de prevenção, com reforço na biossegurança das granjas e proibição de visitas de pessoas estranhas à atividade.

Em resposta aos apelos do setor, o Diretor do Departamento de Defesa Animal do Ministério da Agricultura convocou o Conselho Consultivo do Plano Nacional de Sanidade Avícola (CC/PNSA), o qual reunido em Brasília nos dias 22 e 23 de agosto passados,  recomendou ao Ministério da Agricultura a adoção das seguintes medidas emergenciais:

- Manter o CC/PNSA em estado de alerta, a fim de discutir e propor novas medidas emergenciais de prevenção e controle;

- Restringir a importação de aves e produtos avícolas provenientes de países que tenham IA, como Chile, Estados Unidos, México, Guatemala, El Salvador, China e Senegal;

- Realizar análises de risco desses  países e das áreas de ocorrência da IA;

- Ampliar as exigências para importação de avós dos Estados Unidos, principalmente quando os plantéis de elite e/ou de bisavós estiverem localizados em Estados que apresentaram surtos recentes de Influenza Aviária;

- Realizar um censo avícola brasileiro com a localização das granjas de matrizes, frangos de corte, perus, poedeiras, avestruzes e outras aves a fim de permitir a análise de risco nas diversas áreas geográficas de produção;

- Redobrar os cuidados sanitários nos postos de fronteiras com a Argentina e Uruguai afim de vistoriar e desinfetar caminhões provenientes do Chile;

- Redobrar a vigilância sanitária nos aeroportos que recebem vôos do Chile, América Central e dos Estados Unidos, inclusive com a desinfecção de aviões, caso haja suspeita de presença de material contaminado;

- Reavaliar a situação da rede de laboratórios oficiais ecredenciados e capacitá-los para a realização de provas de diagnóstico da enfermidade e produção de antígenos específicos;

- Realizar estudos a fim de avaliar a viabilidade da produção de vacinas no país, ou da criação de um banco de vacinas no exterior;

- Fortalecer os Grupos de Emergência (GEASES) existentes nos Estados e organizar equipes regionais  onde eles não existirem;

- Elaborar e implementar programas de treinamento para os GEASES, bem como para os Médicos Veterinários oficiais do Ministério da Agricultura e das Secretarias de Agricultura dos Estados e da iniciativa privada;

- Divulgar amplamente o Plano de Emergência Sanitária para Doença de Newcastle e Influenza Aviária elaborado pelo Ministério da Agricultura a fim de orientar os Médicos Veterinários oficiais e particulares sobre procedimentos a serem adotados para prevenção, diagnóstico e controle dessas enfermidades;

- Realizar, juntamente com a UBA, ABEF e FACTA, um Workshop sobre Influenza Aviária, a fim de discutir estratégias de prevenção contra a enfermidade;

- Recomendar a criação de Fundos específicos pelos Estados para indenização de produtores caso seja necessário o sacrifício de aves para controlar  focos, na eventualidade da entrada da doença no país;

- Deve-se ressaltar que esse último ponto é de extrema urgência e importância, uma vez que, sendo o Brasil um país exportador de carne de aves, não pode pensar em outra alternativa que não seja a erradicação da doença através do sacrifício das aves afetadas, segundo normas da OIE.

Preocupação na América Latina

Como a preocupação não é somente brasileira e sim regional, o Conselho de Sanidade Avícola da Associação Latino Americana de  Avicultura, reunido dia 9 de agosto de 2002, na Bolívia, decidiu emitir a Declaração de Santa Cruz, com diversas recomendações e sugestões aos países membros (vide Declaração de Santa Cruz no quadro). Uma nova reunião do Comitê já está agendada para o dia 1 de outubro, em Havana, Cuba, para reavaliar a situação no continente e recomendar novas medidas de prevenção e controle.

Além disso, no próximo dia 2 de outubro,  também em Havana, o comitê realizará um Seminário sobre Influenza Aviária o qual contará com a presença de palestrantes chilenos, mexicanos e guatemaltecos que discorrerão sobre as medidas adotadas nesses países quando da ocorrência de surtos da enfermidade.

Comentários finais

A ameaça da ocorrência de um surto de Influenza Aviária no país é, certamente, o maior desafio já enfrentado pela avicultura brasileira desde o início dessa atividade entre nós. O setor avícola não pode menosprezar esse risco, pois a ocorrência de um ou mais surtos no Brasil trará prejuízos financeiros que alcançaram a cifra de milhões de dólares, sem contar os efeitos sobre a imagem do país na comunidade avícola internacional. Por isso, é fundamental que o setor e, as autoridades governamentais, passem a encarar esse assunto como uma situação de emergência, pois a gravidade da situação é bem maior do que muitos estão imaginando.

Declaração de Santa Cruz

Diante dos recentes surtos de Influenza Aviária e Doença de Newcastle reportados em diferentes partes do mundo, o Comitê de Sanidade Avícola da Associação Latino-Americana de Avicultura, reunido em Santa Cruz de la Sierra , Bolívia, em 9 de agosto de 2002, durante o V Seminário Internacional AMEVEA de Ciências Avícolas, após avaliar a situação e riscos para os países-membros, decidiu propor as seguintes recomendações:

1 - Que as Associações dos países-membros se dirijam às respectivas Autoridades Oficiais para estabelecer critérios e uniformizar medidas a adotar para a vigilância epizootiológica e estabelecer programas de alerta para prevenir o surgimento de surtos da Doença de Newcastle ou de Influenza Aviária;

2 - Para tornar factíveis os programas mencionados é indispensável contar com um censo avícola, conforme a finalidade zootécnica e a localização geográfica. O censo serve para realizar as avaliações de risco e para o estabelecimento de programas de monitoria e vigilância;

3 - Constituir em cada país-membro, em nível nacional, Comitê de Emergência integrado por representantes da autoridade sanitária competente e do setor privado, com poderes para implantar e coordenar programas de controle e eliminação de focos ou surtos de tais enfermidades. O Comitê será responsável pela organização e treinamento de equipes regionais e por toda informação oficial que o país divulgue - através de boletins, periódicos ou outros meios - sobre a situação da(s) doença(s).

4 - Dispor de uma legislação específica, com validade nacional, sobre vigilância ou reação frente a surtos de Newcastle ou Influenza.

5 - Contar com laboratórios oficiais e privados credenciados, com instalações, equipamentos e pessoal capaz de realizar monitoria e diagnóstico das duas doenças, utilizando metodologia internacionalmente reconhecida;

6 - Disponibilidade de fundos para implementação e operação de programas de vigilância epizootiológica, de emergência e para indenização frente ao eventual sacrifício de aves em decorrência de surtos;

7 - Diante da presença de um surto, o Comitê recomenda a erradicação, por eliminação das aves afetadas;

8 - Caso a erradicação por eliminação imediata não seja possível, avaliar a utilização de programas de vacinação como uma ferramenta complementar e transitória a programas de vigilância e biosseguridade que possibilitem obter a erradicação da enfermidade.

Assuntos do Momento

Presidente da Aurora fala sobre expansão da produção avícola, exportações e perspectivas para 2021
23 de Fevereiro de 2021
Live

Presidente da Aurora fala sobre expansão da produção avícola, exportações e perspectivas para 2021

Neivor Canton irá explicar o projeto de crescimento da avicultura da cooperativa em 20%, destacando ainda a expectativa de ampliar os embarques de frango e carne suína para a China em live às 10 horas no canal TV Gessulli

Fornecimento de ovos diminui na Polônia com crise da influenza aviária na UE
24 de Fevereiro de 2021
Europa

Fornecimento de ovos diminui na Polônia com crise da influenza aviária na UE

Cerca de 5 milhões de aves já foram abatidas na Polônia, o maior produtor de aves da União Europeia, mostraram os dados da inspetoria veterinária local.

AveSui2021_dentro
VBP do agro atinge R$ 1 tri em 2021; avicultura crescerá 22,5%
24 de Fevereiro de 2021
Crescimento

VBP do agro atinge R$ 1 tri em 2021; avicultura crescerá 22,5%

A estimativa do Ministério da Agricultura indica que o Valor Bruto da Produção na pecuária crescerá 5,1% neste ano, puxado por setores como frango, carne bovina e leite

Produtora de carne de frango São Salvador Alimentos protocola pedido de IPO
25 de Fevereiro de 2021
Mercado

Produtora de carne de frango São Salvador Alimentos protocola pedido de IPO

Fundada há mais de quarenta anos, a empresa tem uma capacidade diária de abate de aproximadamente 520 mil aves e vende para mais de 23 mil clientes por mês no Brasil e em 38 países

 

Cobb destaca importância dos ângulos de viragem para melhor eclodibilidade e qualidade do pintinho
25 de Fevereiro de 2021
Dicas Técnicas

Cobb destaca importância dos ângulos de viragem para melhor eclodibilidade e qualidade do pintinho

Por Scott Jordan, especialista em Incubação e Serviços Técnicos da Cobb-Vantress

Copacol  atinge a marca de 2 bilhões de aves abatidas na Unidade Industrial de Cafelândia
25 de Fevereiro de 2021
Cooperativa

Copacol atinge a marca de 2 bilhões de aves abatidas na Unidade Industrial de Cafelândia

O volume acumulado em praticamente 39 anos do início das operações da estrutura industrial demonstra o crescimento contínuo da avicultura na Cooperativa

Mais assuntos do momento