Basf AI
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comentário

Infraestrutura deficiente destrói a competitividade catarinense

José Antônio Ribas Jr.

Presidente do Sindicato das Indústrias da Carne e Derivados no Estado de Santa Catarina (SINDICARNE)

10-Ago-2021 16:20

Em uma economia de escala, os ganhos de produtividade se contam em miligramas, em segundos, em centímetros – enfim, em medidas infinitesimais que refletem o aumento contínuo da eficiência produtiva em várias fases do processo. Na suinocultura e na avicultura industrial, duas imensas e avançadíssimas cadeias produtivas, todas as etapas da produção agregam método e tecnologia, do campo ao frigorífico, dos centros de distribuição aos mercados de consumo, dentro e fora do País. Mas uma deficiência excluída do alcance das empresas destrói todos os ganhos – a infraestrutura.

O mundo aprendeu a admirar essas duas cadeias produtivas como paradigmas de desenvolvimento tecnológico, mas o que o mundo desconhece é que as péssimas condições das estradas devoram a eficiência. Levar todas as matérias-primas para milhares de estabelecimentos rurais e, depois, apanhar os produtos (aves, suínos, leite, grãos, frutas etc.) prontos para processamento nas agroindústrias é uma operação penosa e cara porque as estradas vicinais vivem, de regra, em mau estado de conservação.

Depois de processados, transportar os produtos acabados para os portos ou para os centros de consumo é outra operação igualmente custosa.  Dez em cada dez agentes econômicos concordam que a recuperação das rodovias vicinais, intermunicipais, estaduais e federais é fator essencial e urgente para proteger a competitividade das empresas catarinenses e, em especial, para o agronegócio.

Em Santa Catarina estamos próximos de um apagão logístico em face do péssimo estado do sistema viário. As más condições das rodovias encarecem em até 40% o transporte, retirando dos produtores rurais e das indústrias a competitividade para disputar os mercados nacional e internacional. Recentes estudos do Instituto de Pesquisas Rodoviárias (IPR) revelam que o péssimo estado de conservação da rede viária resulta em até 58% de acréscimo do consumo de combustível, 40% de aumento no custo operacional dos veículos (como pneus e mecânica), 50% na elevação do índice de acidentes e 100% de acréscimo no tempo de viagem. Publicações técnicas internacionais apontam que para cada US$ 1 não aplicado em manutenção corretiva e conservação da rodovia, é necessária a aplicação de US$ 3 a US$ 4 na restauração.

Estudo da Federação das Indústrias apontou que nas áreas de produção agropecuária (oeste, extremo oeste e região do Contestado) a situação dos 1.265 km de rodovias estaduais ali existentes é de precariedade. No oeste e extremo oeste foram avaliadas as SCs 155, 480, 305, 160, 161, 163, 386, 283 e 154. No Contestado foram analisadas as SCs 350, 135, 150, 355, 465, 464, 452 e 120. As rodovias federais BR-282, BR-163 e BR-158 também estão esgotadas e em más condições de conservação. Acrescente-se a BR-470 – que interliga a BR-282 (e o grande oeste) com a BR-101 e os portos catarinenses – que reclama duplicação, pois está exaurida em sua capacidade de escoamento.

Os governos federal e catarinense precisam investir valores muito superiores ao despendido nos últimos dois anos e meio. O estudo da Fiesc destaca ainda que é necessário investir cerca de R$ 210 milhões por ano para manter a malha estadual. Esse valor representa 1% do patrimônio rodoviário catarinense, avaliado em R$ 21 bilhões. Santa Catarina tem cerca de 6 mil km de rodovias estaduais. Em meados de junho, o governo catarinense informou que investiu R$ 93 milhões na recuperação e restauração de rodovias estaduais, desde o início da atual gestão. O valor é de aproximadamente R$ 37,2 milhões por ano, muito aquém do ideal recomendado.

As condições em que se encontram as rodovias catarinenses compõe uma face do chamado “custo Brasil”, refletindo uma situação que impregna e vergasta todas as atividades porque impõe baixa produtividade, lentidão, excessiva burocracia, supercentralização, gigantismo e gargalos.

Defender o sistema agroindustrial catarinense é defender empregos, riquezas e tributos. As indústrias da proteína animal representam 31% do PIB estadual, respondem por 70% das exportações, sustentam diretamente o emprego de 60 mil catarinenses e, indiretamente, 480 mil trabalhadores. No campo, são mais de 66 mil propriedades rurais integradas, gerando matéria-prima para o abate de 34 mil suínos/dia e de mais de 3 milhões de aves/dia. As vendas externas catarinenses responderam pela exportação de 57% do total de carne suína que o Brasil enviou ao exterior e por 28% das exportações brasileiras de aves.

Obter esses resultados com as condições de infraestrutura que Santa Catarina ostenta é um milagre.

Assuntos do Momento

Cuba investiu US$ 130 milhões na compra de frango dos EUA no primeiro semestre do ano
12 de Agosto de 2022
Mercado Externo

Cuba investiu US$ 130 milhões na compra de frango dos EUA no primeiro semestre do ano

Apesar da quantidade de frango comprada dos EUA, a população cubana não vê a diferença e continua sofrendo com a escassez de alimentos

Soja e milho recuam em Chicago por preocupações com demanda chinesa
16 de Agosto de 2022
Cotação

Soja e milho recuam em Chicago por preocupações com demanda chinesa

O contrato setembro fechou em queda de 41 centavos, a 14,94 dólares por bushel

Dados preliminares apontam que  foram abatidas 1,49 bilhão de cabeças de frango no segundo semestre
12 de Agosto de 2022
IBGE

Dados preliminares apontam que foram abatidas 1,49 bilhão de cabeças de frango no segundo semestre

Já a produção de ovos de galinha foi de 992,44 milhões de dúzias no 2º trimestre de 2022

 Genética avícola evoluiu, elevando patamares produtivos com agregação de novos ganhos de eficiência no campo
16 de Agosto de 2022
Genética

Genética avícola evoluiu, elevando patamares produtivos com agregação de novos ganhos de eficiência no campo

Os avanços científicos das últimas décadas aceleraram os processos de atualização genética dentro dos programas de melhoramento, estabelecendo novos padrões produtivos aos frangos de corte, o que deve se ampliar ainda mais em um futuro próximo

Como soluções nutricionais impactam a performance das aves | Henrique Braga - Nutron/Cargill
12 de Agosto de 2022
TV Gessulli

Como soluções nutricionais impactam a performance das aves | Henrique Braga - Nutron/Cargill

Henrique Braga é diretor de negócios - aves da Nutron Cargill

Gripe aviária altamente patogênica é confirmada em rebanho não comercial na Califórnia
12 de Agosto de 2022
Influenza Aviária

Gripe aviária altamente patogênica é confirmada em rebanho não comercial na Califórnia

As autoridades estaduais colocaram em quarentena as instalações afetadas e as aves restantes na propriedade foram despovoadas para evitar a propagação da doença

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade