Agroceres Multimix
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Lançamento

Já está disponível a edição 1313 da Avicultura Industrial

Salmonellas paratíficas estão entre os principais agentes em casos de toxinfecções alimentares em humanos, dentro de ocorrências registradas em todo o mundo.

Redação
04-Nov-2021 09:33 - Atualizado em 04/11/2021 11:18

Os registros de casos das Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA) têm crescido, elevando a preocupação de autoridades de saúde e colocando a pauta segurança dos alimentos no topo das discussões globais.

S. Enteritidis e S. Typhimurium são os dois sorovares de maior preocupação atualmente em casos de infecções em pessoas, embora outros como a S. Heidelberg seja hoje também um foco de atenção. Nos últimos anos, o mercado internacional – especialmente o europeu – se tornou mais exigente em relação a inocuidade dos produtos avícolas em relação à presença deste agente patogênico.

O Brasil, sendo o principal exportador mundial de frango, tem adotado uma série de medidas, seja via legislações ou investimentos do setor privado, visando o controle de Salmonellas paratíficas ao longo da cadeia produtiva de aves e ovos. O tema tem sido encarado de frente e foco de discussões no meio científico avícola, com a participação das agroindústrias.

A detecção de carregamentos fora dos parâmetros determinados (ou até zerados, dependendo do sorovar) normalmente acarreta em enormes prejuízos aos exportadores do país, com a retenção de contêineres ou devolução de toda a carga, fora o impacto sobre a imagem do produto do país.

A avicultura brasileira tem investido bastante em soluções vacinais como forma de controlar este patógeno. Mas, embora eficiente, o uso de vacinas tem de ser acompanhado de uma série de medidas de biosseguridade nas granjas, além de cuidados estabelecidos ao longo de toda a cadeia produtiva.

Neste aspecto, o país tem se destacado. Pesquisas relacionadas à saúde intestinal estão em andamento, além de novos produtos chegado ao mercado. Matéria desta edição retrata um pouco do desafio de controle deste agente, assim como algumas soluções já disponíveis e que recentemente chegaram ao mercado brasileiro. Confira.

Uma boa leitura!

Humberto Luis Marques

Editor Avicultura Industrial

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade