AveSui
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Lançamento

Já está no ar a edição 1312 da Revista Avicultura Industrial

O Brasil é um dos maiores players mundiais dentro da atividade avícola, sendo o principal exportador mundial desta proteína, além de ocupar a segunda posição no ranking global de produtores, ficando atrás apenas dos Estados Unidos.

Redação
04-Out-2021 09:47 - Atualizado em 04/10/2021 09:58

O Brasil é um dos maiores players mundiais dentro da atividade avícola, sendo o principal exportador mundial desta proteína, além de ocupar a segunda posição no ranking global de produtores, ficando atrás apenas dos Estados Unidos. Com um consumo per capita de quase 46 kg, a carne de frango está presente com frequência na mesa dos brasileiros, chegando a mais de 150 países em volumes que correspondem a pouco de um terço do total exportado no mundo.

Os Estados do Sul do país são os grandes produtores da carne de frango, principalmente o Paraná, maior produtor e exportador brasileiro. E na avicultura paranaense, ou na verdade, em todo o agro do Estado, é que tem se desenvolvimento um movimento transformador, especialmente no Oeste, próximo as fronteiras com Argentina e Paraguai e divisa com o Mato Grosso do Sul.

Com fortes investimentos encabeçados por cooperativas, a região tem consolidado um gigantesco polo produtivo de proteínas animais e grãos, que envolvem Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, a Argentina e Paraguai – fortes produtores de milho e soja – e o Mato Grosso do Sul e um pouco mais acima o Mato Grosso. Todo este conjunto forma o que poderíamos chamar de agro cluster, pois cadeias produtivas interdependentes e ligadas por investimentos logísticos que trarão maior competitividade ao agro de todo esta imensa região.

A Nova Ferroeste irá ligar Maracaju (MS) à Cascavel (PR), seguindo dali tanto para Foz do Iguaçu, na tríplice fronteira, quanto para o litoral, até o Porto de Paranaguá. O ramal principal ainda poderá ser “irrigado” por ramais que saiam direto de unidades das cooperativas, que passariam a carregar diretamente os contêineres ou vagões diretamente, sem necessidade do modal rodoviário.

A segunda ponte ligando Brasil e Paraguai também deve facilitar a entrada de grãos do país vizinho para abastecer as criações animais brasileiras, minimizando os impactos dos altos custos dos grãos. Além de tudo isso, os três Estados do Sul possuem elevado status sanitário, possibilitando o embarque de seus produtos para mercados que melhor remuneram.

Há todo um contexto em andamento naquela região, que seguirá se consolidando ao longo dos próximos anos, como podemos ler em matéria especial desta edição. Confira.

 

Uma boa leitura!

 

Humberto Luis Marques

Editor Avicultura Industrial

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade