AveSui2021
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Assine a Revista Revista Digital Anuncie
Sanidade

Japão sacrifica mais de 3 milhões de aves com avanço da influenza aviária

Vírus foi encontrado em um quarto das 47 áreas administrativas do país, conhecidas como prefeituras

Reuters
16-Dez-2020 08:59

O Japão tem sofrido o pior surto de influenza aviária já registrado no país, que espalhou-se para novas fazendas neta semana, com o vírus tendo sido encontrado em um quarto das 47 áreas administrativas do país, conhecidas como prefeituras, o que levou autoridades a ordenar o abate de aves.

Cerca de 32 mil aves foram abatidas e enterradas na cidade de Sukumo, na prefeitura de Kochi, no Sudeste do Japão, após a descoberta do vírus em uma granja de produção de ovos, disse o ministério da agricultura nesta quarta-feira.

Mais aves contaminadas foram encontradas em duas granjas na prefeitura de Kagawa, onde a epidemia começou no mês passado. Desde então, quase 30 mil aves foram sacrificadas por lá, segundo o ministério.

O surto atingiu 12 prefeituras pelo Japão, e um recorde de 3 milhões de aves foram sacrificadas até o momento.

AveSui2021_dentro

Embora o ministério afirme que pessoas não podem ser contaminadas pela influenza aviária ao comer ovos ou carne de aves infectadas, autoridades de saúde pelo mundo estão preocupados com a possibilidade de o vírus dar um “salto” para a espécie humana, causando uma pandemia como o novo coronavírus.

O surto no Japão e na vizinha Coreia do Sul é uma de duas diferentes epidemias de influenza aviária que têm atingido aves pelo mundo, segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentos e Agricultura e autoridades japonesas.

Tanto a cepa do vírus em circulação na Ásia quanto a que tem se espalhado rapidamente pela Europa tiveram origem em pássaros selvagens, afirmaram.