Guia Gessulli
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Insumos

La Niña reduz chuvas e prejudica lavouras gaúchas

Fenômeno reduziu chuvas no Estado, afetou milho em algumas regiões e gera preocupações na soja

Redação com informações de Valor Econômico
07-Dez-2021 08:39

Os produtores de grãos do Rio Grande do Sul já relatam os efeitos da fenômeno La Niña sobre as lavouras do Estado. Até o momento, segundo a Emater-RS, as perdas são pontuais e se concentram nas plantações de milho, mas, caso as chuvas não fiquem mais regulares, é possível que os prejuízos aumentem tanto nas áreas de cultivo de milho quanto nas de soja.

De acordo com alerta emitido ontem pela consultoria AgRural,, apesar de o Estado ter registrado algumas pancadas de chuvas, a distribuição foi irregular e com baixo volume. “Essas precipitações amenizaram a situação momentaneamente. A previsão de tempo quente e seco é ameaça de mais perdas para as lavouras gaúchas”, afirma, em nota.

O meteorologista Celso Oliveira, da Climatempo, lembra que o mês de setembro foi o último com chuvas regulares e em boas quantidades no Rio Grande do Sul. Desde então, as precipitações foram mais espaçadas e em menor volume, o que afetou o desenvolvimento das lavouras em algumas parte do Estado. “As regiões mais penalizadas são de Santa Maria, Santa Rosa, Ijuí, onde há relatos de perda de potencial produtivo. O que preocupa é que o milho vai entrar em florada, período em que ele mais necessita de água, e não enxergamos um cenário com chuvas regulares nos próximos 15 dias”, diz.

O coordenador da área de culturas da Emater-RS, Elder Dal Prá, pontua que as regiões afetadas, centro e noroeste, não são as principais para o milho verão no Estado. Mas ele ressalva que um longo período sem chuvas regulares poderá afetar, sim, a produtividade do milho no norte, área mais relevante para a cultura no Rio Grande do Sul.

“A partir disso [de 20 dias sem chuva], começamos a afetar [o norte]. O que aconteceu no centro e noroeste não tem mais volta”, afirma ele, reforçando que ainda é cedo para estimar perdas e que a previsão segue de uma safra superior a de 2020/21, quando o fenômeno também castigou as áreas de milho do Estado.

Até 2 de dezembro, o plantio de milho no Rio Grande do Sul chegou a 88% da área estimada, avanço semanal de apenas 2 pontos percentuais, segundo a Emater-RS. O índice está acima do ciclo passado (83%) e próximo à média dos últimos cinco anos (89%). Segundo a última previsão da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o Estado deverá produzir 5,88 milhões de toneladas no verão (+34%).

Para a soja, cultura em que o Estado foi o segundo maior produtor nacional em 2020/21, o especialista recomenda cautela. “Não observamos nada abaixo da média no momento. Começamos a notar um déficit hídrico, o que trouxe um pequeno atraso na semeadura, mas a soja é uma cultura bastante ‘tolerante’, tem capacidade de se regenerar”, afirma Dal Prá.

Décio Teixeira, presidente da Aprosoja-RS, diz que a falta de chuva desde outubro foi prejudicial para a estratégia do agricultor gaúcho, uma vez que a janela ideal de plantio da oleaginosa no Estado ocorre em novembro. “Até outubro, a safra começou bem, mas as chuvas desapareceram e só voltaram por volta de 25 de novembro, pouco uniformes e sem regularidade. A soja está suportando bem, mas houve prejuízo no desenvolvimento e a produtividade tende a vir abaixo do ideal”, relata. 

Assuntos do Momento

Disponible en español Disponible en español
BRF e fundo soberano saudita investirão US$ 350 milhões na cadeia de produção de frangos da Arábia Saudita
14 de Janeiro de 2022
Investimentos

BRF e fundo soberano saudita investirão US$ 350 milhões na cadeia de produção de frangos da Arábia Saudita

Negócio atuará em toda a cadeia de produção de frangos na Arábia Saudita e promoverá venda de produtos

Menor demanda pressiona cotações da carne de frango
14 de Janeiro de 2022
Mercado interno

Menor demanda pressiona cotações da carne de frango

No front externo, a desvalorização do Real frente ao dólar e o forte incremento no volume exportado garantiram receita recorde com os embarques de carne de frango em dezembro. 

Com investimentos em alta no Oeste Paranaense, empresas expõem tecnologias em construção de galpões na AveSui
17 de Janeiro de 2022
AveSui América Latina

Com investimentos em alta no Oeste Paranaense, empresas expõem tecnologias em construção de galpões na AveSui

A região é considerada o maior agro cluster da América Latina e vem recebendo fortes investimentos de cooperativas, agroindústrias e empresas ligadas à cadeia produtiva de proteína animal

Disponible en español Disponible en español
Carne cultivada in vitro é servida em restaurante de Singapura
13 de Janeiro de 2022
Proteína cultivada

Carne cultivada in vitro é servida em restaurante de Singapura

A estimativa é que, em 2040, cerca de um terço da carne consumida no mundo seja produzida do cultivo celular

18 de Janeiro de 2022
Uruguai

Quase quinhentas mil aves foram mortas pelo calor no Uruguai

Onda de calor provocou mortandade em aviários com perdas que equivalem de 10% a 20% da produção nacional do Uruguai na avicultura

Preço dos ovos aumenta na segunda semana do mês
17 de Janeiro de 2022
Ovos

Preço dos ovos aumenta na segunda semana do mês

 Segundo pesquisadores do Cepea, a recente sustentação aos valores veio da oferta mais controlada, sobretudo de ovos maiores.

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade