AveSui
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Comentário

Múltiplas funções dos Médicos Veterinários

São apresentadas as principais áreas de atuação dos Médicos Veterinários no Brasil, analisando-se a situação atual do ensino nas universidades. O principal objetivo é fornecer dados para que os alunos façam suas escolhas de especializações ainda durante o curso da graduação.

Sérgio J. de Oliveira

Médico Veterinário, doutor, professor do Curso de Medicina Veterinária da ULBRA, RS entre 1998 a 2013, pesquisador aposentado do IPVDF. É membro da Academia Rio-Grandense de Medicina Veterinária.

07-Out-2021 15:31 - Atualizado em 08/10/2021 09:28

A primeira Escola de Veterinária do mundo iniciou a funcionar com 8 alunos, em fevereiro de 1762, em Lion, na França. Em 1766, também na França, foi criada a segunda escola de veterinária do mundo, a Escola de Alfort, em Paris. A partir daí outras escolas foram fundadas em diversos países da Europa, como na Áustria, em Viena (1768); na Itália, em Turim (1769); na Dinamarca, em Copenhagen (1773); na Suécia, em Skara (1775); na Alemanha, em Hannover (1778); na Hungria, em Budapeste (1781); na Inglaterra, em Londres, o Royal Veterinary College (1791); e na Espanha, em Madri (1792). No final do século XVIII, já existiam dezenove escolas, das quais dezessete ainda estão em funcionamento.

No Brasil, a primeira instituição de ensino de medicina veterinária foi a Escola de Veterinária do Exército, no Rio de Janeiro, inaugurada em 17 de junho de 1914. Os primeiros professores foram Médicos Veterinários Militares franceses, selecionados do Instituto Pasteur de Paris. A segunda escola foi a Escola Superior de Agricultura e Veterinária do Rio de Janeiro, hoje Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). A primeira turma de Veterinários brasileiros formou-se em 1917, na Escola Veterinária do Exército, com, ao todo, seis alunos. Na segunda escola, no mesmo ano, formaram-se quatro alunos. Portanto, na Europa o ensino de medicina veterinária já estava funcionando há 152 anos quando foi fundada a primeira escola no Brasil (esta surgiu então um século e meio após).

Passados 107anos desde a fundação da primeira escola de veterinária brasileira (1914 a 2021), constata-se o impressionante número de 461 cursos de medicina veterinária em nosso país atualmente, enquanto na Europa funcionam 92 cursos e nos Estados Unidos apenas 32. Portanto, no Brasil há mais Faculdades de Medicina Veterinária do que a soma de todas do resto do mundo. Assim sendo, aumentaram as dificuldades para o graduado exercer a profissão em nosso país, principalmente a partir da última década. Visando contribuir para que estudantes de Medicina Veterinária possam fazer sua escolha de especialização, encontrando uma área de trabalho específica capaz de bem sustentá-los na profissão, foram relacionadas neste artigo as proncipais áreas de atuação dos Médicos Veterinários.

REFLETINDO SOBRE ALGUMAS POSSIBILIDADES DE ATUAÇÃO 

 Analisando a lista de atuações dos Médicos Veterinários (Quadro 1), observa-se que as primeiras escolha dos estudantes ou de  egressos dos cursos de graduação baseiam-se na tomada de decisão sobre: (1) trabalhar com animais domésticos ou silvestres ? (2) caso escolham os domésticos, entre animais de companhia (cães, gatos) ou de produção (bovinos, ovinos, suínos, aves)? ou ainda eqüinos?  Conforme surgem as disciplinas no curso, também ocorrem novas dúvidas: trabalhar com clínica e cirurgia ou em laboratório ?  Serviço público ou privado ? Autônomo ?

Enfim várias outras possibilidades além destas são listadas, mas talvez ainda falte mencionar novas áreas. Algumas considerações podem ser úteis na busca de um mercado de trabalho. Atualmente estão sendo promissoras as áreas de nutriição, melhoramento genético, produção de animais, bem- estar, área comercial, entre outras.

O tripé manejo sanitário, nutrição e genética é a base para a produção de carne e leite.

A conduta do estudante, desde o início do curso, deve ser a busca de conhecimento, interesse também por áreas afins, como legislação ambiental, boas práticas de produção (BPP), boas práticas de fabricação (BPF), análise de riscos e pontos críticos de controle (ARPCC), na segurança alimentar, bem como administração, gerência, comercialização.

Quadro 1. Áreas de atuação dos Médicos Veterinários.

MÉDICOS VETERINÁRIOS E SUAS MÚLTIPLAS FUNÇÕES

MANEJO DE ANIMAIS DE PRODUÇÃO

MEDICINA DE CÃES E GATOS; MEDICINA DE RUMINANTES; MEDICINA DE EQUINOS; MEDICINA DE SUÍNOS; MEDICINA DE AVES

NUTRIÇÃO ANIMAL

GESTÃO E PLANEJAMENTO

CADEIAS PRODUTIVAS DO AGRONEGÓCIO

MELHORAMENTO GENÉTICO ANIMAL

FISIOPATOLOGIA DA REPRODUÇÃO – EMBRIOLOGIA

VIGILÂNCIA, SAÚDE E GESTÃO DO MEIO AMBIENTE

BEM ESTAR ANIMAL

SAÚDE PÚBLICA – PREVENÇÃO DE ZOONOSES

EXTENSÃO RURAL

PARASITOLOGIA

MEDICINA VETERINÁRIA LEGAL

HIGIENE E INSPEÇÃO DE CARNES, PESCADOS E PRODUTOS DERIVADOS

HIGIENE, INSPEÇÃO DE LEITE E DERIVADOS, DE OVOS E SEUS PRODUTOS

EXAMES MICROBIOLÓGICOS EM ALIMENTOS

DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DE DOENÇAS EM ANIMAIS: bacteriologia; virologia; diagnóstico molecular; diagnóstico por imagem; histopatologia

MANEJO DE ANIMAIS SILVESTRES – BIOTÉRIOS

PRODUÇÃO E CONTROLE DE PRODUTOS BIOLÓGICOS: medicamentos; vacinas; antígenos para diagnóstico

AQUICULTURA; APICULTURA – RESPONSABILIDADE TÉCNICA

DERMATOLOGIA; ODONTOLOGIA VETERINÁRIA; ACUPUNTURA; FISIOTERAPIA

ENSINO EM ESCOLAS AGROTÉCNICAS

ENSINO UNIVERSITÁRIO

O bem estar animal influencia na produção de carne e leite. Esta é uma área que tem merecido muita ênfase, aprimorando-se o manejo em busca de incremento na produção com os devidos cuidados no bem estar.           

As doenças transmitidas por alimentos (DTÄs) constituem-se em graves problemas à saúde pública. A metodologia de ARPCC foi desenvolvida em 1960 pela NASA para controle da qualidade dos alimentos aos tripulantes.

Através de estágios, cursos extracurriculares e a Residência em Medicina Veterinária é possível adquiirir conhecimento e prática na maior parte das áreas de especialização. Diplomas de especialista podem ser obtidos, por exemplo na clínica geral de pequenos animais, dermatologia, acupuntura, patologia, anestesiologia, fisioterapia, odontologia, cardiologia, entre outros.No trabalho com animais de companhia, as possibilidades de especialização se assemelham ao que ocorre na medicina humana.

 Na aquicultura, por exemplo a produção de camarões e peixes, deve haver Médico Veterinário como  responsável técnico (RT), por  lei.  O Médico Veterinário deve atuar em todas as etapas de produção, incluindo a área de pesquisa. O aumento de produtividade em aqüicultura revelou o aparecimento de doenças durante as fases de produção. RT também é exigida na apicultura.

Desde a criação do Centro Panamericano de Zoonoses, na Argentina em 1956, foi reconhecido o papel importante desempenhado por animais na transmissão de doenças aos seres humanos, as zoonoses. Hoje fala-se em “saúde única”a interface animal-homem-ambiente, a área de Saúde Pública Veterinária. Esta foi definida em 1999, por uma reunião entre representantes da FAO e da OMS, como “a soma de todas as contribuições para o bem estar físico, mental e social do ser humano através da compreensão e aplicação da ciência veterinária”. Assim cresceu a importância do Médico Veterinário no cenário da saúde e das zoonoses, como leptospirose, febre amarela, dengue, leishmaniose e outras. Na área de vigilância epidemiológica são realizadas coleta de dados, análise e interpretação, recomendação de medidas de controle, divulgação de informações. Os profissionais veterinários atuam nas Secretarias Municipais e Estaduais de Saúde na área de vigilância em saúde (ambiental, epidemiológica e sanitária), estando capacitados a serem administradores, atuarem no planejamento e coordenação de programas de saúde pública.

Na área da indústria de produtos para a saúde animal, Médicos Veterinários podem atuar na cadeia produtiva, pesquisa e comercialização, marketing de alimentos e medicamentos, assistência técnica.

A Medicina Veterinária Legal é uma área de atuação que vem se expandindo, desde 2017 quando o CFMV habilitou a Associação Brasileira de Mediccina Veterinária Legal a conceder título de Especialista em Medicina Veterinária Legal. As perícias médico-veterinárias  têm como objetivo o diagnóstico de lesões, maus tratos, definição de causa mortis, auxiliando na investigação de casos jurídicos.

 Finalizando, vê-se que são realmente múltiplas as áreas de atuação de Médicos Veterinários, mas o número de graduados tem aumentado muito, principalmente na última década. A orientação, sem dúvida, é para a especialização.

 

REFERÊNCIAS

BEBIANO, M, O manejo e a qualidade da carne dos suínos Rev CFMV, v.2, n.77, 31-34, 2018

BRASIL, 2017 Resolução CFMV, n. 1165, de 11 de agosto de 2017

CAMPOS, P. F.. GOMIDE, A. P. C.; SCOTTÁ, B. A. et al. Impactos da seleção genética na qualidade da carne suína. PUBVET, v. 8, n. 251, 2014.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA (CFMV). Resolução n. 1.138, de 16 de dezembro de 2016. Aprova o Código de Ética do Médico Veterinário. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 17 dez. 2016.

 COSTA, O. A. D.; LUDKE, J. V.; COSTA, M. J. R. P. Aspectos econômicos e de bem- -estar animal no manejo dos suínos da granja até o abate. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE AVES E SUÍNOS–AVESUI, 4, Florianópolis, 2005, Anais... Florianópolis: Suinocultura: Nutrição e Manejo. 2005, p. 1-25.

GERMINIANI, C.L.B. A história da Medicina Veterinária no Brasil. Arch. Vet. Science

v.3, n.1, p. 1-8, 1998.

GONÇALVES, R. L. R.; VIANA, J. H. M. Situação atual da produção de embriões bovinos no Brasil e no mundo. Revista Brasileira de Reprodução Animal, Belo Horizonte, v. 43, n. 2, p. 156-159, 2019.

HATSCHBACH, CLB. Origem e desenvolvimento do Ensino de Medicina Veterinária

no Brasil. A Hora Veterinária. Porto Alegre, RS, Ano 11, n.62, p.41-46, 1991.

HATSCHBACH, P. I. Medicina Veterinária Militar no Brasil: Fundação EsVE. Escola

de Veterinária do Exército. A Hora Veterinária. Porto Alegre, RS, Ano 13,

n.78, p.56,1994.

HOTZEL, M. J.; MACHADO FILHO, L. C. P.. Bem-estar Animal na Agricultura do Século XXI. Revista de Etologia, v. 6, n. 1, p. 3-15. 2004.

JÁCOME, I. Você conhece o papel do médico- -veterinário na produção de camarão? Rev  CRMV , ano XXVII, n. 87, p.21, 2021

LEAL,O.P. No Brasil há mais Faculdades de Veterinária do que a soma de todas as existentes no mundo. animalbusiness.com.br, , Seção Formação e Prática, 2020.

LUDTKE, C.i B.; CIOCCA, J. R. P.; DANDIN, T., et al. Abate Humanitário de Suínos, p. 132. Rio de Janeiro: WSPA, Rio de Janeiro, 2010.

MACHADO, R. Apicultura Rev CFMV, v.1, n.76,n p.19, 2018

MACIEL, C,  Proteção animal no ordenamento jurídico nacional: o que o profissional deve saber?  Rev CFMV.v.1, n.76, p.21-25, 2018

MARQUES, V.  Vagas abertas. Rev CFMV, v.4, n.79, p.10-18, 2018

MATA, J. R. Direito animal: relações de consumo e animais. In: JERICÓ, M. M.; NETO, J. P. A.; KOGIKA, M. M. Tratado de medicina interna de cães e gatos. São Paulo: Roca, 2015. v. 2. p. 2291-2292.

MEDEIROS, M.A. Perspectivas, controvérsias, mecanismos e benefícios da acupuntura em animais. Rev  CFMV, ano XXVI, n.85, p.54-61

PEREZ, A.C.A. Importância do médico veterinário na sanidade aquícola. Rev  CFMV,v 4, n75,p.8-11, 2017

RODRIGUES, C.J.; REZENDE,N. Gestão da qualidade e saúde pública: aplicação de ferramentas na prevenção de toxinfecções alimentares. Rev CFMV,v.2, 77, p.45-48,2018

SANTOS, T. L. O. G. et al. Profile of the acupuncture service at the Small Animals Veterinary Hospital of UFRRJ-RJ (2006-2016). Brazilian Journal of Veterinary Medicine, São Paulo, v. 38, supl. 2, 2016.

SCHNEIDER, M. C. & Comissão Nacional de Saúde Pública Vet do CFMV. A evolução da saúde pública veterinária no Brasil: do controle da raiva à saúde única. Rev do CFMV, n.85, ano XXVI, p.28-34, 2020

SILVA, M. A.; DORSHER, P. T. Neuroanatomic and clinical correspondences: acupuncture and vagus nerve stimulation. Journal of Alternative and Complementary Medicine, [s.l.], v. 20, n. 4, p. 233- 240, Apr. 2014.

SOUZA, C.N.A.  As responsabilidades administrativa e civil do médico-veterinário mediante o erro médico. Rev CFMV, v.1, p.39-42, 2020

SPRÍCIGO. Transferência intrafolicular de ovócitos imaturos para produção de embriões bovinos . Rev CFMV, ANO xxvii,N. 87,  P.31-34, 2021

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). Future trends in veterinary public health. WHO Technical Report Series 907. Geneva, 2002.

 

 

 

 

 

 

 

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade