Banner AI - Cobb
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Economia

Na Argentina, o frango é a carne mais consumida, mas o setor precisa investir para ser competitivo globalmente

É a carne mais consumida e econômica, no mundo desde sempre e na Argentina ambas as características se apresentam desde o ano passado. Com um mercado interno bem abastecido, a macroeconomia local limita sua projeção de exportação

Redação com informações de Clarin
13-Mai-2021 08:23

Segunda-feira, 10 de maio, foi comemorado o Dia Mundial do Frango. Este aniversário comemora 15 anos e remonta a 2006, quando por ocasião da Anuga, a grande feira de alimentos que acontece em Colônia, Alemanha, as câmaras da indústria de frangos dos EUA, Brasil, Chile, decidiram instituí-la. e Argentina, representada pelo Centro de Empresas Processadoras de Aves (CEPA).

É o que nos conta o seu presidente, Roberto Domenech, que analisou a situação atual da indústria avícola no país, onde, de segunda a sexta-feira, são abatidos 3,5 milhões de aves por dia e calcula que cada uma viva cerca de 50 dias até o abate, 150 milhões de frangos são alimentados todos os dias no país.

Esses números, no CEPA, se traduzem em 38 empresas verticalmente integradas (80% da produção nacional) mais outros 20% de fazendas produtoras ou abatedoras independentes e não integradas, que empregam direta e indiretamente cerca de 75 mil pessoas.

Domenech lembra que “ 2020 terminou com um consumo de 48,7 kg / hab / ano de carne de frango , com meses em que ultrapassou os 50 kg, e uma tendência atual de ultrapassar esse consumo”. O frango tornou-se a carne mais consumida , mas a soma de proteína animal que a Argentina ingere ainda é uma soma zero.

“Porque há um mérito nosso chegar a 50 kg, mas temos que somar também a contribuição da carne bovina, que com as exportações tem permitido que o mercado interno seja abastecido com pouco menos de 50 kg / pessoa / ano, chegando ao último 6 a 7 anos a cerca de 120 kg / pessoa / ano do consumo total de carnes (incluindo a suína, cuja exportação também cresceu), volume que se mantém constante ”.

"A maior exportação permite que a carne ganhe valor internacional tanto no mercado interno quanto na exportação, o que é favorável ao desenvolvimento da pecuária em geral. E a carne de frango, acima de 30 kg / habitante / ano, é, como em todo o mundo, a mais econômica para o consumidor."

Em relação aos preços ao público, atualmente as grandes redes de supermercados oferecem o frango inteiro por US $ 130 a US $ 145 / kg, valor que não é rentável. “Isso implica um sacrifício importante para a indústria e para as redes de supermercados que praticamente não se marginalizam e que o frango está em oferta permanente. No caso do quarto traseiro a $ 150 / kg ao público, tem um valor de saída de fábrica de $ 110 / kg mais IVA e a indústria suprema vende a $ 260 por um preço ao consumidor de aproximadamente $ 350 / kg ”, diz Domenech.

"Os caldos de frango fatiado permitem manter o fluxo de fundos no circuito. O positivo foi ter ganhado espaço no consumo. Mas, como não há acesso ao crédito, estamos tremendamente atrasados ??em investimentos. Porque uma coisa é o circuito de caixa que permite pagar os insumos, vender, coletar e iniciar um novo ciclo de produção (em 2020 vamos aumentar o volume de produção em 3% e em 2021 vamos diminuir 1,5%) isso é suficiente para seguir o circuito inflação, mas não estamos investindo".

Domenech ressalta que isso é grave porque “estamos comendo capital, porque a tecnologia avança e não podemos incorporá-la, e por isso estamos atrasados, sendo menos produtivos e eficientes e com mais problemas para competir no mercado mundial que tem a potencial para introduzir novas tecnologias ”.

Pergunta: A exportação é complicada então?

"Estamos limitados pela macroeconomia argentina. O aumento dos custos devido à inflação argentina se traduz em um aumento do custo em dólares. Uma coisa é aumentar o milho ou a soja, que são iguais para todos os produtores de frango do mundo. Mas o problema mais sério que temos no país é que a inflação projetada para este ano é de 29%. Nesse sentido, as paridades se fecharão em 35%, a taxa de câmbio segundo o orçamento nacional ajustará (desvalorizará) a relação dólar / peso em 25%. Se tudo isso for cumprido de forma linear, teremos um aumento de 4% no custo em dólares, o que é uma monstruosidade no mercado internacional."

Essas condições macroeconômicas impedem as projeções de exportação. “Em 2020, em relação ao final de 2019, trabalhamos para crescer 30.000 t nas exportações, passando de 270.000 para 300.000, mas acabamos exportando 240.000 t. Não podíamos competir com a desvalorização brasileira, que foi de 45% ”, explica Domenech.

Esse excedente da produção não exportada foi desviado para o mercado interno, o que ocasionou um excesso de oferta que se traduziu em mais 600-700g / hab / ano no consumo. De 1,5 kg / pessoa / ano, que, ao baixar o preço, foi canalizado para o mercado interno, porque o frango ainda é um produto elástico, mesmo com um consumo de 50 kg / pessoa / ano, mas também não dá para perder dinheiro um ano inteiro. Tínhamos um programa para 2025 que previa um crescimento anual de 3%, mas em 2021 estaremos entre 1 e 2% abaixo da produção de 2020 ”.

Mesmo assim, o país continua vendendo frango inteiro, supremo e um pouco de coxa para o Chile; galinhas pesadas cortadas para o Peru; supremo para a Espanha, Holanda, Inglaterra e Suíça; galinhas picadas, garras e asas para Cingapura, China e Hong Kong; farinha de penas com alta proteína para fabricantes de ração para peixes no Vietnã e no Chile; quartos traseiros, carcaças e miúdos para a África do Sul, e frango gourmet de 900 a 1.400 ge peitos congelados para Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos.

"2021 é um ano para ser extremamente cuidadoso. O fluxo de preços e custos das matérias-primas (milho / soja) ainda está para ser verificado. Os estoques mundiais de grãos são mínimos e será preciso ver como virão as novas safras do mundo e se esse estoque será recomposto, o que poderá amenizar essa alta de preços que parece não ter teto. Porque não é a indústria que consome contra o produtor que produz. Consumimos 4 milhões de toneladas por ano e não podemos ficar mais de uma semana sem receber milho; precisamos de um fluxo contínuo."

Mas a atividade também sofre com o aumento de outros custos relacionados à macroeconomia nacional, como a logística, diretamente relacionada a reajustes de salários e combustíveis.

“A avicultura é um consumidor intensivo de transporte desde a busca de alimentos para as granjas até a distribuição dos frangos e subprodutos aos pontos de venda, passando pela transferência de pintinhos e demais transferências inerentes ao processo de produção. Todos os veículos envolvidos na avicultura percorrem mais de 1,1 milhão de km por dia em todo o país ”, afirma Domenech.

O custo da eletricidade também contraria: “nos últimos 2 meses houve aumentos importantes, especialmente em Entre Ríos, onde se concentra 50% da produção de frangos do país e a taxa aumentou 45%. “Acho que é a energia elétrica mais cara do país”, afirma.

Pergunta: De quais investimentos a atividade precisa para ser competitiva no mundo?

"Renovar a tecnologia utilizada nos galpões e construir novos automatizados, gerenciados por computador, que na Argentina chegam a 15% da área de galpões existentes no país. Essas instalações permitem reduzir em mais de 10% a conversão alimentar por kg de frango produzido. Com galpões tradicionais, são necessários 1,8 kg de ração para produzir 1 kg de frango; com os automáticos é necessário apenas 1,6 kg de balança. Na Argentina existem 11 M m2 de galpões, dos quais 2 M são de última geração, 7 M foram construídos nos últimos 15 anos e o restante deve ser substituído. Para construir esses galpões os investimentos são grandes e devem ser amortizados em 8 anos."

É possível, mas “tem que fazer com um plano de desenvolvimento. Se queremos transformar milho e soja em proteína animal, não basta colocar mais galinhas e pintos. Precisamos fazer 300 galpões por ano (cujo custo unitário é de US $ 200.000), a uma taxa de 1 por dia, durante 5 anos. São galpões de 160 m de comprimento por 16 m de largura (os antigos têm 120 m x 12 m), passando de 15.000 a 30.000 galinhas por galpão. Seria um projeto absolutamente viável ”, afirma Domenech. Só falta que a macroeconomia vá junto. Não é um pequeno detalhe.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade