Agroceres Multimix
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Agroindústrias

Na BRF, alta dos custos empurrou a meta de Ebitda em um ano

Pressão de margem faz companhia postergar em um ano a meta de atingir um Ebitda de R$ 10 bi

Redação com informações de Pipeline Valor
08-Dez-2021 08:58

Quando Lorival Luz chegou à BRF, em 2017, o clima na rua Hungria não era dos mais amistosos. O conselho de administração vivia às turras e os resultados iam de mal a pior. A história recente é relativamente conhecida, mas nem mesmo naquele inferno astral a dona de Sadia e Perdigão precisou lidar com um ambiente inflacionário tão adverso quanto foi 2021. Quem garante é o próprio CEO global da BRF.

A magnitude da alta dos custos de produção, que em alguns casos superou 50%, não estava no horizonte nem dos mais conservadores como o executivo mineiro. “Já viramos 2020 muito comprados em grãos, mas mesmo assim tivemos de fazer reajustes sequenciais para lidar com ao custos”, disse Luz.

Diante da escalada das matérias-primas, desde a ração às embalagens, a margem Ebitda naturalmente sofreu – caindo de 13% para11% –, ficando abaixo do que a companhia imaginava quando fez o orçamento de 2021. O copo meio cheio, e que será explorado no BRF Day de amanhã, é o impacto positivo da melhor gestão de custos.

Nos últimos anos, a diferença de custos de produção da BRF ante as concorrentes aumentou, em benefício da dona da Sadia, que vem entregando um CPV bem mais comportado que a média do setor, -o que se traduz em Ebitda.

A BRF fez um Ebitda de R$ 5,5 bilhões nos últimos 12 meses encerrados em setembro, número que seria sensivelmente menor se a trajetória dos custos de produção seguisse à média do mercado. Em uma extrapolação, a companhia perderia R$ 2 bilhões no resultado operacional, o que faria com o que o Ebitda ficasse abaixo de R$ 3 bilhões, em nível parecido ao ciclo de 2016-2018.

Num ambiente menos hostil do que o atual, a reestruturação da BRF nos últimos anos pode ter como legado uma companhia bem mais rentável no futuro – num mundo de custos menos instáveis, o Ebitda potencial da empresa já seria de R$ 7 bilhões, com as margens mais próximas de 15%.

Por ora, a disparada dos custos provocou uma revisão nas projeções de longo prazo. Ao invés de chegar a um Ebitda de R$ 10 bilhões em 2023, como projetou durante o BRF Day do último ano, a dona da Sadia levará mais um ano para chegar a esse objetivo, portanto, em 2024. A meta é chegar a uma receita de R$ 65 bilhões daqui a três anos, ante cerca de R$ 50 bilhões este ano.

A adequação do passo é também um sinal de que a BRF usará o tempo para dosar a velocidade de investimentos, com vistas a preservar o índice de alavancagem abaixo do limite prudencial de 3 vezes (teto ultrapassado no terceiro trimestre). Num momento de aperto monetário no Brasil, o alto nível do endividamento tem sido a grande fonte de preocupação para os analistas.

“É compreensível que os analistas fiquem preocupados com o custo caixa dos juros”, reconhece Carlos Moura, vice-presidente de finanças e de relações com investidores da BRF. A companhia detém um colchão de liquidez de R$ 7 bilhões em caixa e um prazo médio de vencimento das dívidas de mais de 9 anos. Além disso, vem conseguindo monetizar mais impostos – cerca de R$ 1 bilhão apenas em 2021, o que alivia o fluxo de caixa.

Na leitura do CEO da BRF, a maior parte do aumento de custos já ficou para trás, e o grupo conseguiu fazer os reajustes – o que deve se traduzir em margens mais gordas em 2022. No mercado, analistas começam a convergir para esse cenário. Ontem, o Santander revisou sua tese para a BRF, recomendando compra da ação prevendo margens melhores. O preço-alvo do banco para o papel é de R$ 25, upside de 22% sobre a atual cotação.

Em bolsa, a BRF está avaliada em R$ 16,6 bilhões. O papel acumula queda de 7,3% em 2021.

 

Assuntos do Momento

Disponible en español Disponible en español
BRF e fundo soberano saudita investirão US$ 350 milhões na cadeia de produção de frangos da Arábia Saudita
14 de Janeiro de 2022
Investimentos

BRF e fundo soberano saudita investirão US$ 350 milhões na cadeia de produção de frangos da Arábia Saudita

Negócio atuará em toda a cadeia de produção de frangos na Arábia Saudita e promoverá venda de produtos

Menor demanda pressiona cotações da carne de frango
14 de Janeiro de 2022
Mercado interno

Menor demanda pressiona cotações da carne de frango

No front externo, a desvalorização do Real frente ao dólar e o forte incremento no volume exportado garantiram receita recorde com os embarques de carne de frango em dezembro. 

Com investimentos em alta no Oeste Paranaense, empresas expõem tecnologias em construção de galpões na AveSui
17 de Janeiro de 2022
AveSui América Latina

Com investimentos em alta no Oeste Paranaense, empresas expõem tecnologias em construção de galpões na AveSui

A região é considerada o maior agro cluster da América Latina e vem recebendo fortes investimentos de cooperativas, agroindústrias e empresas ligadas à cadeia produtiva de proteína animal

Disponible en español Disponible en español
Carne cultivada in vitro é servida em restaurante de Singapura
13 de Janeiro de 2022
Proteína cultivada

Carne cultivada in vitro é servida em restaurante de Singapura

A estimativa é que, em 2040, cerca de um terço da carne consumida no mundo seja produzida do cultivo celular

18 de Janeiro de 2022
Uruguai

Quase quinhentas mil aves foram mortas pelo calor no Uruguai

Onda de calor provocou mortandade em aviários com perdas que equivalem de 10% a 20% da produção nacional do Uruguai na avicultura

Preço dos ovos aumenta na segunda semana do mês
17 de Janeiro de 2022
Ovos

Preço dos ovos aumenta na segunda semana do mês

 Segundo pesquisadores do Cepea, a recente sustentação aos valores veio da oferta mais controlada, sobretudo de ovos maiores.

Mais assuntos do momento
Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade