Alltech
AveSui Inside Cooperativas Agroindústrias Bem - Estar Animal América Latina Comentário Avícola Economia Empresas Exportação Eventos e Cursos Genética Geral Insumos Manejo Meio Ambiente Mercado Externo Mercado Interno Nutrição Ovos Piscicultura Pesquisa e Desenvolvimento Processamento de Carne Sanidade Sustentabilidade Saúde Animal Tecnologia Revista Todos os Vídeos TV Gessulli no YouTube Edições Revista Digital Anuncie
Nicaragua

Nicaraguenses comem mais ovos e menos frango

Quanto menor a condição financeira, maior é o consumo de um alimento barato como os ovos, explicam empresários do setor e economistas

Redação com informações de Confidencial
29-Abr-2021 17:16

A produção de carne de frango na Nicarágua em 2020 voltou aos níveis de 2016, segundo dados do Banco Central da Nicarágua (BCN). Em contraste, a produção de ovos cresceu ligeiramente. Por trás de ambos os dados, há evidências confirmadas: a queda do poder de compra dos nicaraguenses devido à prolongada crise socioeconômica que o país enfrenta desde 2018.

O Relatório Anual 2020 , elaborado por especialistas do BCN, mostra que o PIB per capita da Nicarágua voltou aos níveis de 2014. A razão, como explicaram economistas independentes, deve ser encontrada na recessão econômica que se seguiu à violenta repressão governamental que afogou a Rebelião de abril, em além da reforma tributária de 2019 e da epidemia de covid-19.

“Vimos um crescimento de 4% no consumo de ovos, o que tem favorecido o aumento da produção, mas não porque a situação do país tenha melhorado, ou porque o poder de compra dos consumidores aumentou. É bem o contrário ”, disse - citando dados do BCN - um economista que preferiu o anonimato.

Como qualquer empresa do país, “os produtores do setor sofrem os mesmos problemas de qualquer outra empresa: nenhuma escapa dessa circunstância. Isso é uma constante ”, disse uma fonte do setor avícola, que também pediu para não ser identificada.

As empresas têm que enfrentar uma realidade de custos crescentes por diversos motivos: o aumento de impostos ditado pela reforma tributária; o aumento das contribuições previdenciárias , ou a elevação da tarifa do serviço de energia elétrica , a que se soma o fato de que, nos últimos meses, o preço internacional das matérias-primas ficou mais caro.

"Os custos de transação internos aumentaram, então o custo de produção está aumentando, enquanto o consumo de ovos cresce, mas há um limite para o preço pelo qual ele pode ser vendido", então pode chegar um momento em que Quanto mais eles produzem e quanto mais vendem, mais dinheiro perderão.

“Há o risco de que, se a situação econômica dos consumidores não melhorar e os custos de produção continuarem crescendo, possa haver sérias dificuldades para o avicultor em geral”, afirmou a fonte do setor.

Frango e ovos em quantidade suficiente
O ano de 2017 marcou a maior produção de carne de frango. Naquele ano, a indústria produziu 5,54 vezes mais frango do que em 1994, de acordo com o peculiar sistema de medição desse item administrado pelo Banco Central.

Ou seja: se a produção em 1994 é igual a 100, a de 2017 é igual a 554,3 após ter crescido ao longo daquele período, com exceção de 2009, ano da crise financeira global.

O índice caiu em 2018, quando fechou em 530,9, e novamente em 2019, quando fechou em 529,7; Embora os dados estejam disponíveis apenas para novembro de 2020, é possível extrapolar uma média mínima de 522,7, o que marcaria uma nova queda.

“A taxa de declínio do frango entre 2018 e 2020 é de apenas um dígito. Se fosse um alimento diferente, é provável que essa queda tivesse sido muito maior ”, disse a fonte. O produto não cresceu, mas “não crescer, em situação de crise, é importante porque significa que a produção não diminuiu”, acrescentou.

No caso dos ovos, a produção deste alimento não para de crescer desde 2015, quando foram recolhidas 41.217,3 caixas, até 2020 (os dados também são cortados para novembro), ano em que fechará facilmente cerca de 54 mil dezenas.

Conforme defende a indústria, “o ovo continua sendo a fonte de proteína de menor preço para qualquer consumidor”. A fonte citada acima afirmou que “na crise, o ovo tornou-se um amortecedor favorável às restrições de consumo que os cidadãos enfrentam. Por isso vemos que a produção cresce, mesmo em tempos de crise ”.

Conforme defende o setor avícola, o frango e os ovos são dois produtos de alta hierarquia na cesta básica do consumidor nicaragüense, o que tem permitido que esses dois setores mantenham um patamar dentro de uma crise como a atual. lado a lado com a demanda necessária.

São os ajustes que os consumidores têm feito - ao implementar suas decisões com base em seu poder de compra - que acabam ajustando a demanda. Esse poder de compra depende do comportamento de suas receitas, que em sua maioria têm diminuído, como reflexo da realidade econômica que o país vive, o que os obriga a reajustar os gastos, para determinar a cesta de bens que acabará sendo adquirida, e em que quantidade.

A reação das empresas do setor tem sido a de caminhar em paralelo com as decisões de compra dos cidadãos, o que é fundamental para atender às necessidades tanto de produção quanto de consumo, e tem permitido ao país não sofrer escassez ou diminuir a disponibilidade de ambos. alimentos.

Utilizamos cookies para que você tenha a melhor experiência de navegação, para medir o tráfego, e para fins de marketing. Para mais informações, por favor visite nossa política de privacidade. Política de Privacidade